Consórcio promete Pacaembu menor, mas com esporte, cultura e entretenimento

Uma das principais alterações previstas é a demolição do tobogã, arquibancada inaugurada no início da década de 1970. No seu lugar deverá ser erguido um prédio de cinco andares, com 44 mil metros quadrados de área construída. Apesar da assinatura, a demolição é polêmica. A Associação Viva Pacaembu abriu uma ação pedindo a análise pelo Ministério Público de São Paulo (MP-SP) e pelos órgãos de conservação do patrimônio público (Conpresp e Condephaat). A praça Charles Muller e o Museu do Futebol ficaram fora da concessão.

Com a concessão, a prefeitura espera economizar R$ 656 milhões na administração do estádio. “A outorga, valor pago pelo consórcio, foi de R$ 115 milhões. Quando a gente soma o valor que a prefeitura vai deixar de gastar com o Pacaembu e quanto vai arrecadar em ISS, pelos serviços que serão prestados aqui, o investimento do concessionário, a gente chega num montante de R$ 656 milhões de ganhos para a cidade de São Paulo. É um valor vultuoso”, afirmou Bruno Covas em entrevista no próprio Pacaembu na manhã de segunda.

As obras de modernização devem começar no primeiro semestre de 2020, com duração prevista de 28 meses. O consórcio prevê entregar o estádio renovado em julho de 2022. De acordo com Mauro Ricardo, secretário municipal de Governo, o uso das áreas do complexo esportivo para atividades continuará gratuito.

O projeto prevê que o novo edifício tenha cafés, restaurantes, lojas, escritórios, espaços multifuncionais e o centro de convenções e eventos, construído no subsolo junto ao novo estacionamento. O térreo terá vista para o gramado e ao boulevard que será criado no local onde hoje fica o estacionamento do clube esportivo. Uma praça pública elevada irá conectar as ruas Desembargador Paulo Passaláqua e Itápolis.

Evento de inauguração do Pacaembu, em 1940. Foto: Hildegard Rosenthal / IMS.

“Vamos recuperar a vocação original do Pacaembu com esporte, cultura e, agora, também com entretenimento. Será um complexo multifuncional”, afirmou Eduardo Barella, líder do consórcio ao Estado. O consórcio informa que o Pacaembu vai continuar recebendo jogos de futebol durante seu processo de transformação. O número mínimo de partidas será de 15 por ano. Em 2019 já foram realizados 46 jogos, a maioria do futebol feminino. A seleção brasileira disputou um torneio amistoso no mês de agosto no estádio.

A emblemática fachada do estádio, tombada, não poderá ser alterada. Foto: Acervo Estadão.

Com a demolição do tobogã, o estádio do Pacaembu deverá ter sua capacidade reduzida de 39 mil para 26 mil lugares. O evento desta segunda-feira contou com a presença de dirigentes dos quatros grandes clubes de São Paulo. “O Pacaembu vai continuar recebendo jogos de futebol. Nossa intenção é aumentar sua utilização nesse sentido”, disse Barella. A receita do novo Pacaembu será composta também por shows, eventos, aluguel de espaços e estacionamento.

***
Por Gonçalo Junior no Estadão.

 

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
No data was found

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias

Cadastre-se e receba nossa newsletter com notícias sobre o mundo das cidades e as cidades do mundo.

O São Paulo São é uma plataforma multimídia dedicada a promover a conexão dos moradores de São Paulo com a cidade, e estimular o envolvimento e a ação dos cidadãos com as questões urbanas que impactam o dia a dia de todos.