Colunistas - São Paulo São

São Paulo São Colunistas

Era mais um sábado no Jeremias, o Jerê, cabeleireiro tradicional de Pinheiros, que reunia a mulherada bacana do pedaço: professoras, jornalistas, empresárias, donas de casa e arquitetas. Enfim, a fina flor do bairro, que ia “dar um up”, como dizia sempre o hair stylist.

Uma das coisas que mais nos chamou a atenção quando chegamos à nossa nova cidade, a pequena e acolhedora Ovar, foi a quantidade de homens e mulheres acima dos 65 anos (muitas vezes, acima dos 70, 80...). A professora do meu filho, que está no primeiro ano do ciclo básico, é uma senhora com mais de 30 anos de sala de aula. No ano acima do dele, as crianças também aprendem com uma professora mais velha. Estamos achando ótimo. A sensação de acolhimento e a gentileza com que ele tem sido cuidado desde que pisou na nova escola pela primeira vez, há cerca de três meses, tem feito a diferença na adaptação inicial.

Se você unir um filé recheado com carne seca e queijo de Caicó, acompanhado por arroz vermelho, salada de maxixe, endívias e alface gourmet roxa; com crocante de farinha de tapioca “pipocada”; purê de cará e maionese de pequi, pensando fazer uma homenagem à pujante culinária brasileira de vários biomas, certamente tem uma idéia bem própria do que seja “harmonia”, mas estará apresentando uma imensa cacofonia.

Painel de azulejos criados por Cândido Portinari para a fachada da Igreja São Francisco de Assis (Lagoa da Pampulha, Belo Horizonte) :: projeto de arquitetura de Oscar Niemeyer, 1943. Foto © Tuca Vieira. Painel de azulejos criados por Cândido Portinari para a fachada da Igreja São Francisco de Assis (Lagoa da Pampulha, Belo Horizonte) :: projeto de arquitetura de Oscar Niemeyer, 1943. Foto © Tuca Vieira.

Segundo alguns historiadores, o primeiro registro da azulejaria no Brasil data de cerca de 1620, quando peças de cerâmica vidrada vieram de Portugal para ornamentar o Convento de Santo Amaro de Água-Fria, em Olinda. A partir de então – seja pela força com que representava a cultura da metrópole, seja por sua beleza plástica ou por suas características de conforto térmico (bastante adequadas ao nosso clima) –, o azulejo foi sendo cada vez mais incorporado às construções brasileiras.