Colunistas - São Paulo São

São Paulo São Colunistas

 Se quiser conhecer Portugal pelos caminhos de ferro, é só subir na magrela e se aventurar pelo país. Foto: Aveiro Tours. Se quiser conhecer Portugal pelos caminhos de ferro, é só subir na magrela e se aventurar pelo país. Foto: Aveiro Tours.

Uma das melhores maneiras de conhecer uma cidade é, sem dúvida, caminhando. Ou, claro, sobre uma bicicleta. Já rodei muito aqui por Portugal, principalmente de Aveiro em direção ao norte. E quando vejo que o desafio é grande demais, ponho a bike no comboio e divido o percurso entre a magrela e o trem. E por falar em trem e em pedaladas para desbravar o país, nada mais lindo do que encarar as Ecopistas, longos trechos criados por onde antes circulavam os vagões. O que era trilho, virou trilha para bicicleta. E aqui em Portugal há muitos trajetos de Ecopistas.

E lá foram os pais de primeira viagem e os bebês, rumo à Itália. Foto: Anthony Doerr.E lá foram os pais de primeira viagem e os bebês, rumo à Itália. Foto: Anthony Doerr.

Após voltar da maternidade com a esposa e seus gêmeos recém-chegados, o escritor americano Anthony Doerr descobriu que recebeu um prestigioso prêmio da Academia Americana de Artes e Letras: uma bolsa que incluía ajuda de custo, um apartamento e um estúdio para escrever na Itália.

Em tempos de Covid 19 tanto o descarte (indevido) quanto a coleta de lixo passaram a incorporar novos itens. Foto: Getty Images.Em tempos de Covid 19 tanto o descarte (indevido) quanto a coleta de lixo passaram a incorporar novos itens. Foto: Getty Images.

Um dos muitos efeitos colaterais da pandemia tem cada vez mais aparecido diante dos olhos, muitas vezes sob os nossos pés. Basta uma caminhada mais atenta para perceber o novo “normal” do lixo: máscaras e luvas usadas e largadas no meio da rua, dividindo espaço com as beatas (o nome português para as bitucas ou guimbas de cigarro) e papéis de todos os tipos. A profusão destes novos itens descartáveis pode até mesmo por em risco as metas de reciclagem acordadas no país, revertendo a subida dos indicadores de 2019, quando a reciclagem em Portugal cresceu 10%. Foram quase 400 mil toneladas de resíduos de embalagens, por exemplo, encaminhados para a reciclagem no ano passado. Os destaques ficaram por conta dos papéis, madeira e alumínio.

 

"Joie De Vivre XL 1" :: ©Peter Nottrott :: photo by Saatchi Gallery."Joie De Vivre XL 1" :: ©Peter Nottrott :: photo by Saatchi Gallery.

Há poucas semanas, recebi de um cliente uma solicitação inesperada: produzir um texto sobre minha experiência durante este período de isolamento social. O texto seria publicado na intranet de sua empresa em uma coluna assinada, a cada mês, por um convidado. O briefing sucinto pedia uma narrativa "agradável" – a ideia era proporcionar aos leitores alguns minutos de prazer, em uma época que todos estão (estamos) sendo cotidianamente bombardeados por notícias tão tristes.

Imagem: reprodução.Imagem: reprodução.A pandemia parece ter escancarado alguns temas que estavam submersos em meio às pautas da cidade: a informalidade dos empregos, a invisibilidade de milhões de pessoas sem registro, e, principalmente a desigualdade, possivelmente a nossa maior fraqueza. Desigualdade na renda, nos transportes, na moradia, na habitação. Cada indicador que se tome demonstra a diferença tremenda entre as duas faces de São Paulo.

Uma tese de doutorado* de Katia Canova, arquiteta e urbanista, defendida recentemente na Geografia da USP, procurou juntar esses indicadores todos e criar um “indicador de urbanidade e justiça espacial”, que deu origem a uma fotografia bem-vinda dessas desigualdades.

Conversei com ela sobre o trabalho, as principais conclusões e os desafios da cidade.

A análise hierárquica de dados para a confecção de um diagnóstico.

A tese apresenta um monumental uso de dados. Afinal, Katia dividiu a cidade em quadrículas, com áreas bem pequenas, de 200 metros por 200 metros, um método que aprimorou na Universidade de Lyon. Isso dá incríveis 39.260 quadradinhos.

Em cada um ela agregou informações sobre  17 indicadores, entre eles: densidade demográfica, tempo de deslocamento por transporte público, diversidade de atividades, vulnerabilidade social, emprego, valor do solo (que reflete diretamente no preço de moradia), oferta de serviços básicos de saúde, educação e assistência social.

Cada indicador é dividido em 5 faixas, que depois são ponderadas e hierarquizadas. O resultado é esse incrível mapa que aparece lá em cima.

Os extremos

O mapa demonstra um padrão já conhecido de quem estuda as desigualdades na cidade.

No centro e no vetor sudoeste, os bairros que acolhem a população de mais alta renda e que historicamente receberam os maiores investimentos públicos em infraestrutura.

APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio