Colunistas - São Paulo São

São Paulo São Colunistas

Traci Ruble, fundadora do Sidewalk Talk em ação. Foto: Mindful Org.Traci Ruble, fundadora do Sidewalk Talk em ação. Foto: Mindful Org.

Este artigo já deveria ter sido publicado há uma semana... Contamos sempre com a paciência do querido Maurício Machado - o publisher do São Paulo São -, neste particular, quando nos enrolamos com as nossas vidas agitadas e acabamos atrasando o nosso registro quinzenal sobre o mundo da escuta e das conversas.

O Largo do Café, logradouro histórico localizado no centro da cidade de São Paulo, na região Sé. Foto: Viagem e Turismo.O Largo do Café, logradouro histórico localizado no centro da cidade de São Paulo, na região Sé. Foto: Viagem e Turismo.

Lembro-me dos meus 7 anos, quando chegava dezembro ficava logo animada. As férias estavam chegando e era hora de me preparar para ir para o Guarujá, no então distante e calmo Jardim Virgínia. Minha tia tinha casa e ia com seus cinco filhos. Às vezes, ficávamos lá, outras, alugávamos uma casinha próxima a dela.

Na Espanha, estudo recente revelou que a carteira de habilitação não é meta para a maioria dos estudantes entrevistados. Foto: El Mundo. Na Espanha, estudo recente revelou que a carteira de habilitação não é meta para a maioria dos estudantes entrevistados. Foto: El Mundo.

Pesquisas no Brasil e lá fora comprovam o que já aparece nas ruas: os jovens estão dirigindo menos e não sonham mais com o carro próprio. As novas gerações querem menos carros e mais transporte público e modais sustentáveis.

Capa do álbum "Luar" de Gilberto Gil de 1981 onde ele lançou "Se eu quiser falar com Deus" . Imagem: Reprodução.Capa do álbum "Luar" de Gilberto Gil de 1981 onde ele lançou "Se eu quiser falar com Deus" . Imagem: Reprodução.

Uma das mais belas composições de Gilberto Gil - ‘Se eu quiser falar com Deus‘ - metaforiza o despojamento necessário para encontrar o sublime que, além do mais, não estará lá como imaginado inicialmente. Isso pode servir também como metáfora para várias outras áreas da cultura, onde a busca do essencial é igual a livrar-se do entulho supérfluo, que é o que impede “ver”. Como se a fé fosse ludibriada pelos excessos copiosos do barroco ou do rococó.

E, então, cabe perguntar: por que o rococó é necessário para a comunicação? Foto: Instafood / Reprodução.E, então, cabe perguntar: por que o rococó é necessário para a comunicação? Foto: Instafood / Reprodução.

Quando você observa as imagens de comida - no Instagram, por exemplo - o que vê, em geral, é o rococó moderno. Talvez o fotógrafo pense que uma simples laranja cortada ao meio seria decepcionante (o que seria matéria suficiente para um bom pintor de natureza morta). Mas o sabor, no que tem de essencial, é exatamente a qualidade que se revela na simplicidade: eu posso entender uma laranja, presentificar seu gosto, o que já não acontece com um prato que vem descrito, composto por meia dúzia ou mais ingredientes. Facilmente me perco como me perco observando detalhes de uma igreja rococó.
Pedra-sabão, estilo rococó e muito ouro. Foto: Prefeitura de Ouro Preto.Pedra-sabão, estilo rococó e muito ouro. Foto: Prefeitura de Ouro Preto.
E, então, cabe perguntar: por que o rococó é necessário para a comunicação? Em boa parte do século XVIII, para a igreja, Deus não seria percebido senão através do excesso, da exibição da pujança da criação. O mesmo parece acontecer hoje, quando a cultura do excesso assume novos contornos, expressando a pujança não de Deus, mas dos produtos da indústria. 

É esse excesso que Gil põe em questão na sua busca imaginada de Deus, exigindo o despojar-se. É o excesso de componentes de um prato que dificulta a percepção exata de algo que, na sua simplicidade, comunicaria o essencial.  

Italo Calvino foi um dos mais importantes escritores italianos do século XX. Foto: Getty Images.Italo Calvino foi um dos mais importantes escritores italianos do século XX. Foto: Getty Images.Leveza, rapidez, exatidão, visibilidade, multiplicidade, consistência, seriam os traços da comunicação desejáveis para o presente, segundo lição de Italo Calvino. São portanto vários os caminhos de perda de sentido moderna, quando nos afastamos desses eixos norteadores da modernidade. É por isso que uma certa idéia de essência está tão perto e, ao mesmo tempo, tão inalcançável.  

Para construir uma obra (culinária) duradoura, o sujeito que parte do excesso moderno vive a mesma ilusão de que seria possível construir um monumento a partir da espuma de sabão. O monumento é a pedra ou a madeira, a mão e o formão. E por que seria diferente diante de uma espécie vegetal da qual se quer atingir o âmago?  

“Tenho que ficar a sós
Tenho que apagar a luz
Tenho que calar a voz
Tenho que encontrar a paz
Tenho que folgar os nós
Dos sapatos, da gravata
Dos desejos, dos receios
Tenho que esquecer a data
Tenho que perder a conta
Tenho que ter mãos vazias

Ter a alma e o corpo nus...“

Assista Se eu quiser falar com Deus - (Gilberto Gil, 1980).

***
Carlos Alberto Dória, sociólogo e conselheiro do São Paulo São, tem vários livros publicados sobre sociologia da alimentação. Mantém e edita o blog e-BocaLivre.
 
 

Mamani propõe uma nova arquitetura boliviana que resgata a sua cultura Aimara com tecidos, cerâmicas e desenhos. Foto: Alfredo Zeballos.Mamani propõe uma nova arquitetura boliviana que resgata a sua cultura Aimara com tecidos, cerâmicas e desenhos. Foto: Alfredo Zeballos.

Um engenheiro, construtor e arquiteto autodidata de El Alto, a cidade mais alta do mundo, município da região metropolitana de La Paz, Bolívia, é um verdadeiro fenômeno em seu país: Freddy Mamani, a quem a imprensa boliviana chama de “o arquiteto do povo” e figurou na lista do ArchDaily de líderes, projetos e personalidades mais inspiradores da arquitetura em 2015.

Viaduto do Chá no centro de São Paulo. Foto: Getty Images.Viaduto do Chá no centro de São Paulo. Foto: Getty Images.

“Bendito sejas, Viaduto Paulista! Sem tu não  poderia passar desta para melhor, embalado pela brisa que te circunda. Adeus! Até para a eternidade és o passadiço de útil eficiência!”

APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio