Colunistas - São Paulo São

São Paulo São Colunistas


Na semana passada, remexendo papéis, encontrei o texto a seguir, escrito por mim em novembro de 1984, ao qual dei o título de “Apocalipse now”.

Passageiros, atenção!  Este é o voo 985, “O destino”. Recebemos uma mensagem secreta informando a possibilidade de um naufrágio. Apertem-se. Os casados que tirem férias, afinal poderão viver o “The day after”.

Cochichos no paraíso anunciam que Eva e Adão assinaram o divórcio e a cobra ficou com o Tarzã. Mergulhada numa profunda tristeza, a Jane matriculou-se num curso Magic-Corte. E a Chita? Bem, tratou de alugar uma cobertura na Vieira Souto (que clichê?!).

Liguem a TV. Qualquer canal é apoteótico com parafernálias idem. Na passarela do Rio, o samba enredo (único), será tocado por todas as baterias. De Brasília recebemos o comunicado de que o estado de sítio permanecerá por tempo indeterminado, e o CEASA de São Paulo decretará falência.

Quando as luzes se acenderem, será o sinal. Quem quiser fazer uma boquinha, garanta o seu prato. Para a felicidade geral, haverá a Coca-Cola grátis, e a Pepsi assegurará.

As fantasias ficarão a cargo da originalidade e a nossa companhia aérea sorteará uma penca de bananas e uma árvore de Natal. Fiquem atentos aos números estampados nos cartões de embarque e sintonizem agora os monitores de televisão porque o bingo vai começar, e quem renascer, verá. Por aqui, fico. Até a próxima.

Importante: este texto foi escrito há quase 32 anos e, naquela época, era de ficção.

***
Leno F. Silva é diretor da LENOorb - Negócios para um mundo em transformação e conselheiro do Museu Afro Brasil. Editou 60 Impressões da Terça, 2003, Editora Porto Calendário e 93 Impressões da Terça, 2005, Editora Peirópolis, livros de crônicas.

 

Ao voltar a pé do bairro Liberdade para Higienópolis, a sintonia me fez encontrar com três amigos queridos, numa constatação de que mesmo nesta metrópole é possível viver situações típicas de pequenas cidades.

Ao escolher descer a Tamandaré, na esquina da Antonio Prudente me surpreendi ao ver o Saliba Filho, colega dos tempos em que residia no Ipiranga, naqueles efervescentes anos 1980, período de reconstrução da democracia e da busca de novos caminhos para as expressões culturais em nosso País.

Em 15 minutos de conversa relembramos mais de 30 anos de histórias, nos atualizamos sobre como cada um está hoje, trocamos telefones, e ficamos de marcar um café para dar continuidade ao bate papo. Depois de conectados pelo Facebook descobri as amizades em comum.

Não muito distante, na Santa Madalena, rua que morei por quase 10 anos, revi a Nina Leirner, que descia do carro com o seu violoncelo. Também amiga de mais de três décadas, além de saber que ela continua no mesmo trabalho, que a sua filha mais velha já completou 27 anos, e que ela é avessa a redes sociais, decidimos agendar um encontro em breve com outros dois amigos em comum.

Deixei a Bela Vista e segui em direção à Praça Roosevelt, passando pelo Bixiga. Ao chegar nas proximidades do Copan, segui pela General Jardim. Ao passar em frente ao Jazz B, vejo o casal O Zi e Cristina Manzano, que estava perambulando por ali em direção às atrações da Virada Cultural.

Esses encontros só foram possíveis porque decidi caminhar naquela noite fresca de Sampa. Para ver e ser visto é preciso sair em direção às surpresas que a vida nos reserva. Confio que essas situações não aconteceram por acaso, e que a partir desses acontecimentos “inesperados“ tivemos a oportunidade de renovar os nossos laços de carinho, respeito, cumplicidade e afeto. Por aqui, fico. Até os próximos encontros.

***
Leno F. Silva é diretor da LENOorb - Negócios para um mundo em transformação e conselheiro do Museu Afro Brasil. Editou 60 Impressões da Terça, 2003, Editora Porto Calendário e 93 Impressões da Terça, 2005, Editora Peirópolis, livros de crônicas.


Foi realizada no último final de semana mais uma edição da Virada Cultural em São Paulo. Em apenas 24 horas, dezenas de shows e atrações gratuitas, daqui e de outros países, para diferentes gostos, ocuparam espaços distintos da cidade.

Como o sábado amanheceu chuvoso, imaginei que o tempo poderia espantar o público. Contudo, na sua abertura o dia estava seco e fresco. Já o domingo amanheceu ensolarado, o que permitiu a circulação das pessoas com tranquilidade pelas ruas e avenidas do centro velho cantadas por dezenas de intérpretes da nossa Música Popular Brasileira.

Vi o Genival Lacerda no Largo do Arouche. No palco, forró, xaxado e o jeito peculiar dele dançar, e cantar aquelas músicas de duplo sentido que não desgrudam do ouvido da gente. Com vigor e mais de 80 anos, esse nordestino autêntico não deixou de lembrar clássicos de Luiz Gonzaga e Jackson do Pandeiro. E na plateia o povo chacoalhava as cadeiras e alguns arriscavam “forrozar” coladinhos.

Não distante dali, no palco São João, foi maravilhoso ouvir Cartola na voz e com o charme de Teresa Cristina, acompanhada do sensacional Carlinhos Sete Cordas no violão.

Voz e violão foram suficientes para emocionar o público, que cantarolou junto quase todo o repertório. Por uma hora os nossos ouvidos foram abençoados por lindas poesias musicais de autoria de mestres da nossa MPB.

Antes das audições percorri as ruas Aurora, Dos Timbiras e adjacências, e comi um pastel de pizza na feira livre, onde é possível comprar de tudo um pouco fresquinho, e aproveitar a costumeira liquidação quando as barracas estão prestes a desmontar.

Com duração de 24 horas, a Virada Cultural é um presente para os cidadãos desta metrópole que pulsa a semana inteira sem parar. Que ocupemos os espaços públicos o tempo todo. Porque é nas ruas, avenidas, praças, calçadas e em tantos outros lugares que os encontros acontecem. E quando nos encontramos, nos conectamos e fazemos, a cada instante, uma cidade melhor, mais alegre, mais plural, mais generosa, mais segura, mais inclusiva e mais vibrante para todos. Por aqui, fico. Até a próxima.

***
Leno F.Silva é diretor da LENOorb – Negócios para um mundo em transformação e conselheiro do Museu Afro Brasil. Editou 60 Impressões da Terça, 2003, Editora Porto Calendário e 93 Impressões da Terça, 2005, Editora Peirópolis, livros de crônicas.

 

 
É a vez do curso de Doçaria Caipira. Este curso, apesar de independente, pode ser tomado como o terceiro módulo do curso Total Immersion na Culinária Caipira, anteriormente oferecido. Ele versa sobre aquele domínio onde mais se fez presente a influência portuguesa, por conta da introdução do açúcar. 

Ele visa a preparação intelectual e prática do aluno de modo a poder identificar um conjunto de pratos como de existência coerente com os demais aspectos da cultura culinária caipira. Ao mesmo tempo, explora as possibilidades de se entender e classificar esse capítulo da doçaria de forma independente em relação à grande tradição ocidental (francesa). 
 
Serei responsável pelo aspecto expositivo do curso, que serão complementadas por atividades práticas, conduzidas por Ana Laura Pinheiro. 
 
O curso terá a duração de 12 horas, em quatro aulas de 3 horas cada. As datas programadas são 9, 10, 11 e 12 de junho, começando às 19 horas no dia 9 e 10; e às 9h nos dias 11 e 12. O local será o mesmo dos módulos anteriores, no Alto de Pinheiros, à Rua Aquiramum 12. 
 
Serão tópicos do curso: 
A introdução do açúcar na capitania de São Vicente; 
Considerações técnicas sobre receitas; 
Considerações técnicas sobre as conservas;
Considerações técnicas sobre os amidos; 
Execução de receitas: milho e mandioca crua; bolaria; biscoitos; compotas; bala; licores; doces de ovos; doce de massa (marmeladas); outros; 
Degustação comentada das receitas.
Sugestões de adaptações modernas.
 
Os que fizeram os demais módulos, terão prioridade nas inscrições.
Demais interessados manifestem a intenção desde logo escrevendo para [email protected], reservando vaga e obtendo maiores detalhes sobre pagamento.

***
Carlos Alberto Dória é bacharel em Ciências Sociais pela USP, com doutorado e pós-doutorado na Unicamp, tendo estudado o darwinismo no Brasil. Possui também vários livros publicados sobre sociologia da alimentação: Estrelas no céu da boca; A culinária materialista; Formação da culinária brasileira; e-BocaLivre.

Ana Paula Pinheiro é proprietária da Santinho's Eventos e Treinamentos em Culinária e Gastronomia. Patissiere formada na Espanha, trabalhou no laboratório da Callebaut até recentemente em São Paulo.
 

A noite prometia. Havia ido ao cabelereiro e pela primeira vez pintei as unhas das mãos e dos pés de vermelho. Soltei o cabelão, vesti aquele jeans justo uma blusa decotada nas costas e zarpei no seu Fusca branco para a baixa Augusta. O rumo: Pirandello para encontrar com amigos. Isso era nos anos 80.


Uma forte chuva no final da tarde desta segunda-feira provocou uma situação caótica na região central de São Paulo, próximo a Higienópolis, Consolação e Baixo Augusta.

Menos de meia hora de tempestade de granizo, ventania e volume de água intenso resultaram na queda de árvores e galhos, o que impossibilitou o tráfego de ônibus e automóveis em importantes ruas e avenidas desses bairros.

Além dessas consequências, devido à quebra de fios, o fornecimento de energia elétrica foi interrompido por várias horas. Verifiquei que equipes do Corpo de Bombeiros trabalhava simultaneamente nos pontos afetados e profissionais da CET – Companhia de Engenharia de Tráfego orientavam os usuários.

Por volta das 18 horas, enquanto passava pela Rua Caio Prado, em frente ao quiçá Parque Augusta, moradores antecipavam a tarefa dos especialistas em cortar árvores a fim de acelerar a liberação da via para os veículos.

Em função do alagamento de parte das plataformas do Terminal Bandeira, a circulação de ônibus travou, impedindo o vai e vem dos coletivos. Diante dessa situação e cansados de esperar, os potenciais passageiros decidiram fazer uso da caminhada para chegar aos seus destinos.

Por conta de um fator externo, neste caso a força da natureza, a cidade foi surpreendida, e as suas consequências se espalharam em várias direções, exigindo medidas imediatas e sincronizadas para minimizar os danos, a fim de que a vida na metrópole voltasse a fluir.

Com cada um de nós também pode acontecer o mesmo, porque estamos o tempo todo expostos a fatores externos. Por isso é fundamental que quando situações de fora resolverem te visitar tenha sabedoria, equilíbrio e tranquilidade para acionar rapidamente os seus recursos a fim de que você possa recolocar a sua vida no ritmo certo e, de preferência, sem qualquer efeito colateral. Por aqui, fico. Até a próxima.

Obs.: Fiquei sabendo que ao menos 180 árvores caíram depois da chuva em São Paulo, o que exigirá mais alguns dias de trabalho de dezenas de profissionais para que a cidade volte a fluir normalmente.

***
Leno F.Silva é diretor da LENOorb – Negócios para um mundo em transformação e conselheiro do Museu Afro Brasil. Editou 60 Impressões da Terça, 2003, Editora Porto Calendário e 93 Impressões da Terça, 2005, Editora Peirópolis, livros de crônicas.
 
APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio