Colunistas - São Paulo São

São Paulo São Colunistas

As consequências do golpe militar de 1964 no Brasil já foram esmiuçadas por meio de diversas linguagens artísticas. Existe à disposição daqueles que têm interesse em saber o que significou o regime de exceção, que perseguiu, matou, censurou, coibiu a liberdade de expressão e deixou marcas inesquecíveis em milhares de cidadãos e cidadãs deste país.

Aos 79 anos é difícil encontrar testemunhas vivas para confirmar histórias de décadas atrás e que tem vindo à minha memória cada vez com mais frequência. Elas vêm de manhã, às vezes embaralhadas com o último sonho da noite.

Sem a pretensão de fazer literatura, vou contar algumas dessas minhas aventuras - e principalmente desventuras, da minha infância mais remota.

Vi um ciclista cruzar as avenidas Paulista e Consolação em velocidade média, e sem aguardar o farol abrir. Naqueles segundos em que ele, audacioso, rompeu o caminho, tive a impressão de que os automóveis, as motos e os ônibus pararam para ele seguir convicto de que tudo estava sob o seu controle.

Eram 21h30min quando, ao término da conferência proferida em São Paulo, Mario Vargas Llosa foi perguntado sobre seus próximos projetos. Com a elegância e o humor de sempre, respondeu: "Se eu começar agora a falar sobre meus próximos projetos, não sairemos daqui antes que o dia amanheça." Era 2016, e Vargas Llosa tinha 80 anos.