Colunistas - São Paulo São

São Paulo São Colunistas

 Chevrolet Bel Air 1957 conversível, um dos carros mais icônicos da época. Foto: GM.Chevrolet Bel Air 1957 conversível, um dos carros mais icônicos da época. Foto: GM.

O carro já foi considerado o “cavalo da família” (por Henry Ford, pioneiro na indústria de automóveis, em 1908) e também foi um dos maiores símbolos de status. No Brasil, que copia o modelo norte-americano há décadas, essa crença trouxe problemas que ficaram aguçados nos dias de hoje, como a histórica falta de investimento no transporte coletivo e as políticas públicas que desprezam pedestres e ciclistas. Estão aí as cidades brasileiras, de todos os portes, ausentes de calçadas, ciclovias e espaços públicos para o bem-estar dos caminhantes, das pessoas.

O problema não é o carro em si, mas o seu mau uso: a baixa taxa de ocupação no Brasil aumenta os congestionamentos e a poluição. Foto: BlaBlaCar / Divulgação.O problema não é o carro em si, mas o seu mau uso: a baixa taxa de ocupação no Brasil aumenta os congestionamentos e a poluição. Foto: BlaBlaCar / Divulgação.

Bem, esse império foi terminando e no século 21 o carro se viu comparado a um dos grandes males da sociedade, o cigarro. O carro é o novo cigarro, dizem cientistas, pensadores e líderes do mundo todo. Exagero? Pode parecer uma comparação pesada, mas de fato ele vem sendo apontado, em todo o planeta, como um dos maiores vilões para a saúde. Para ter uma ideia de seus malefícios, só em São Paulo, onde os carros são responsáveis por 73% dos gases poluentes (de acordo com estudo do Instituto de Energia e Meio Ambiente - Iema), acontecem cerca de 11 mil mortes por ano causadas pela poluição.

Carona solidária e sábia

Eliminar totalmente o carro das ruas parece distante e utópico, especialmente no Brasil. Mas ele pode ser usado de forma mais inteligente, consciente e útil. Como? Simplesmente transportando mais gente. A média no país é de 1,5 pessoa por carro. Baixíssima, especialmente se considerarmos os impactos ambientais desse tipo de transporte. Além disso, não é muito sensato usar uma máquina com mais de uma tonelada e 100 cavalos de potência para carregar apenas uma pessoa. 

 A economia colaborativa está crescendo e envolve a mobilidade: compartilhar é o verbo. Foto: Lyft / Divulgação. A economia colaborativa está crescendo e envolve a mobilidade: compartilhar é o verbo. Foto: Lyft / Divulgação.

O importante é usar a capacidade total do veículo. Se cabem cinco, por que a maior parte dos carros roda com um indivíduo apenas? O grande problema não é o carro em si, mas o seu mau uso, que tem como consequência o congestionamento, os acidentes e a poluição.

Esse cenário de compartilhamento de veículos requer atitudes voltadas à coletividade. Pode ser difícil no começo, mas precisamos começar, motivar os amigos, familiares e vizinhos. Além de organizar um grupo de carona no condomínio, com os pais da escola ou os colegas de trabalho, é possível usar aplicativos para dividir viagens como o Waze Carpool, recém-lançado no Brasil, e a BlaBlaCar, maior plataforma de caronas de longa distância no mundo, fundada na França em 2006 e que já conta no Brasil com mais de 2,5 milhões de membros. A economia colaborativa está crescendo e envolve a mobilidade: compartilhar é o verbo.

***
Conteúdo semanal assinado pelo Pro Coletivo, blog parceiro de conteúdo, especializado em assuntos da multimodalidade.

1. Prefeitura do Recife. 2. Prédio abriga Microsoft, Accenture e IBM. 3. Núcleo de Gestão do Porto Digital. 4. C.E.S.A.R. 5. Information Technology Business Center. 6. Secretaria de Ciência e Tecnologia. 7. Rua do Bom Jesus. Imagem: PEGN.1. Prefeitura do Recife. 2. Prédio abriga Microsoft, Accenture e IBM. 3. Núcleo de Gestão do Porto Digital. 4. C.E.S.A.R. 5. Information Technology Business Center. 6. Secretaria de Ciência e Tecnologia. 7. Rua do Bom Jesus. Imagem: PEGN.Como é possível um ambiente começar com 3 empresas e 40 funcionários e se transformar em um ecossistema de 300 empresas e instituições com mais de 9000 empregados, sendo 800 empreendedores? A resposta está na criação de Políticas Públicas, aproximação da Academia e do Mercado, inclusão da Sociedade Civil, Talento, Criatividade, Inovação e Tecnologia. Esse ecossistema revolucionário e transformador tem nome: Porto Digital – Parque Tecnológico, e está localizado na cidade de Recife, capital de Pernambuco, Brasil.

A Viagem Medieval é o maior evento de recriação histórica medieval da Europa e anualmente, durante doze dias consecutivos, no centro histórico da cidade de Santa Maria da Feira. Foto: Viagem Medieval / Divulgação. A Viagem Medieval é o maior evento de recriação histórica medieval da Europa e anualmente, durante doze dias consecutivos, no centro histórico da cidade de Santa Maria da Feira. Foto: Viagem Medieval / Divulgação.

A história de Portugal – que, de certa forma, é também um pouco da história do Brasil – é muita rica e repleta de passagens dignas de um grande seriado, tipo Game of Thrones (ou Guerra dos Tronos, como se falava por aqui). Desde o início de tudo, nas guerras contra os mouros, nas alianças com os agora vizinhos espanhóis (que também já não foram assim tão aliados), nas grandes vitórias, nas grandes derrotas, no poder da igreja, nos conchavos, nas traições, nos casamentos por interesse, o que há de registro são histórias de bravos guerreiros, de reis insensíveis (e de muitos mais sensatos, claro), de mulheres poderosas, de trocas de favores e de tudo mais que se possa imaginar em um grande romance épico. E como tantas outras histórias deste tipo em outras partes do mundo, havia sempre o lado dos bons, o lado dos maus, a troca de lados conforme interesses pontuais, os grandes amores, as decisões tomadas sob efeito das paixões.

APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio