Colunistas - São Paulo São

São Paulo São Colunistas

Finalmente, chego lá. Carregada de mala e mochila, mais bolsa. Uma fila para o elevador. Troco olhares. Mal sei que será início de uma série de vaivéns de olhos anônimos que se cruzam, tentando buscar uma expressão que defina o plano comum: para onde vão todos?

Heitor Villa-Lobos (1887-1950), como todo grande criador, começou sua obra sob influência dos grandes mestres do estilo vigente à sua época (como Wagner e Puccini), para depois promover o rompimento com a obra acadêmica e criar uma linguagem inovadora, própria e única.

Passei uma semana em Buenos Aires e foi delicioso porque estava acompanhado da minha filha Nina Sivalli Campos Silva, que lá reside e estuda. Visitar a capital argentina sob a orientação de alguém que a conhece, possibilita outras experiências, a começar pelo táxi.

Glória Perez, que assina, sozinha, “A Força do Querer”, a novela de maior audiência da emissora mais assistida do Brasil, a TV Globo, divulgou que já havia pensado em tratar de transexualidade desde os 1980, após ler o histórico livro em que João W. Nery conta, em detalhes, sua transição de gênero: “Erro de Pessoa - Joana Ou João?” (Ed. Record).

Àqueles idos pouco se falava sobre o assunto, embora, como verá a seguir, não seja exatamente uma novidade como fenômeno, seja no meio científico ou em alguns lares, mundo afora. Talvez porque o assunto não fosse palatável para a massa à época, executivos daquele canal decidiram abortar a temática.

A autora está colhendo frutos da retranca que levou mais de trinta anos depois. O folhetim chegou ao seu capítulo cem na última semana com o melhor desempenho em números desde “Amor à Vida” (2013) e tem tudo para atingir índices de “Avenida Brasil” (2012).  “A Força do Querer” tem 33 pontos, em média, e uma performance superior aos últimos seis enredos do horário.

Há cinco mulheres protagonistas, e um dos núcleos mais perturbadores do momento é o centralizado em Joyce (vivida por Maria Fernanda Cândido). Ela tem uma filha distônica entre o que é e o que parece ser, e começou a fazer transição de gênero, do feminino para o masculino. A audiência ficou perturbada, assim como a personagem.

Dos 31 gêneros existentes hoje, há 18 transgêneros e, por enquanto, Ivana (papel de Carol Duarte) poderia ser identificada (se ela quisesse) como non-op, ou seja, indivíduos trans que não realizaram nenhum procedimento cirúrgico.  Ainda, ao menos. Se realizar, ela mudaria de gênero, para, por exemplo, FTM (female to male). Repito: se ela, assim, permitisse.

Vamos por partes. É preciso informação, cautela e paciência para entender esse momento histórico da sexualidade, em que o indivíduo se posiciona diante do grupo, ou seja, a opinião individual sobressaindo-se sobre o alheio. Isso é recorrente em momentos de falências utópicas, quando, inconscientemente, percebe-se que a comunidade não garante a sobrevivência do uno. Vivemos essa eterna tensão entre o eu e o eles.

O processo de entendimento, aceitação e, posterior, integração social é lento, doloroso e complexo. Lembro de um amigo que me disse uma vez: “Não estou entendendo nada, e talvez não queira mesmo entender. Sou da época em que a gente só tinha dois modelos de discussão sobre sexualidade: se o indivíduo era homem ou viado, mulher ou sapatão”.

Podemos até decidir o que quisermos entender, mas não é porque não queiramos saber sobre as recentes conquistas de gênero que elas não existam. Mais que isso. Que homens e mulheres não possam ajustar seus corpos, condutas e políticas de acordo com suas necessidades precípuas. Intrigante é que mesmo em algumas religiões firmadas no livre arbítrio há discursos contrários a modificações corpóreas porque Deus assim quis.

Saiba que há registros de homens vivendo como mulheres ou mulheres vivendo como homens antes do Império Romano. Nero (37 d.C. 68 d.C.) chutou sua mulher grávida, Poppaea, até a morte, arrependeu-se e, tomado de remorsos, buscou alguém parecido com ela. Encontrou em um escravo, Sporus, essa semelhança, e ordenou a seus cirurgiões que o transformassem em mulher. Ou ele aceitava ou adivinha?

Um dos principais nomes da Teoria Queer é a filósofa estadunidense Judith Butler, professora da Universidade de Berkeley. Foto: Divulgação.Um dos principais nomes da Teoria Queer é a filósofa estadunidense Judith Butler, professora da Universidade de Berkeley. Foto: Divulgação.Há, porém, controvérsias que apimentam conceitos a respeito do assunto, que divide opiniões entre médicos, sociólogos e até mesmo nos grupos que sofrem na pele o problema. A principal delas, no momento, é a chamada “Teoria Queer”, surgida nos anos 1980.

Ela defende a controvertida ideia de que a orientação sexual e a identidade sexual ou de gênero são resultado de uma construção social. Por esse prisma, não existem papéis sexuais essencial ou biologicamente inscritos na natureza humana, como defendem biomédicos. O que existe, segundo a teoria, são formas socialmente variáveis de desempenhar um ou vários papéis sexuais.

O assunto é controvertido até mesmo entre transexuais, que têm o chamado “lugar de fala”, termo contemporâneo que defende que cada um deve saber qual lugar ocupa na teia social e deduzir, a partir disso, quando ficar calado, quando consentir e quando reivindicar, ou seja, quanto mais vítima for mais garantia de discurso legítimo. 

Há vasta literatura, cinematografia e outros trabalhos, escritos, veja você, por cis (sintônicos) e trans. O termo “transexual” surgiu em 1910, no livro “Die Transvestiten”, de Magnus Hirschfeld em 1910. Em breve chega o meu, “Construindo Daniel” (Ed. Harper Collins) e, até lá, se valer como dica: ouça, leia, observe e mergulhe para dentro antes de opinar sobre o outro. Estamos todos em transição ética.

Muito interessante esta discussão que a oposição coentro/salsinha suscita. As pessoas reagem como se estivessem num jogo de futebol entre Brasil e Argentina. É preciso ter “um lado” e só há um lado… Mas não se trata de nacionalismo e, sim, de regionalismo. O adversário esta entre nós, e precisa ficar claro, e quem não gosta de samba bom sujeito não é.


Açorda à Alentejana feita com coentro. Foto: Pinterest.Açorda à Alentejana feita com coentro. Foto: Pinterest.Sequer aceitam muito bem a idéia de que há um marcador de classe embutido na oposição, alem do regionalismo. Não acham que a culinária possa estar dividida entre a comida das elites e as comidas populares - coisas que admitem facilmente frente ao foie gras.

A tese que parece deixar a todos mais confortáveis é a de que existiria um atavismo, uma “genética”, que repele o coentro como se fosse um percevejo vegetal. Sob essa hipótese não é “culpa” de ninguém. Agora, no plano da escolha, como pode alguém detestar coentro? 

Em alimentação, vivemos a convicção de que o gosto é fruto de escolhas pessoais. Se não é genética, é pessoal, e então é inconcebível sob o domínio do arbítrio que alguém deteste coentro, por exemplo. É como se a harmonia entre as pessoas fosse quebrada de modo irreparável.

Mas o coentro, corrente nas comidas do Nordeste e Norte, se opõe à salsinha, do Sul e Sudeste. E também em Portugal o coentro é do Sul e a salsinha do Norte, como explicou Maria de Fátima Moura, a especialista em culinária portuguesa, no post do Facebook em que reproduzi a matéria da Vice. São marcadores que permitem "ler o território" do gosto.

Isso nos obriga a reconhecer, de um ponto de vista sociológico ou antropológico, que são ervas que ocorrem juntas e em oposição, isto é, não se explicam apenas no plano das preferencias pessoais. As preferencias pessoais se desenvolvem já imersas nessas “escolhas” coletivas que se dão por razões históricas e que não somos capazes de compreender. O que mostra, aliás, que a história não explica tudo. Afinal, coentro e salsinha chegaram ao Brasil para a construção da horta, "farmácia" obrigatória ao tempo da medicina galênica. 

Talvez seja difícil admitir, mas a socialização, especialmente da criança, dentro de um determinado espectro do gosto, se dá de uma maneira impositiva. Gostamos de enfatizar o "amor" aos filhos, não a imposição. Exposta domesticamente ao coentro, à salsinha, à pimenta, ao pequi, ao jatobá, à beterraba etc, quase com certeza a criança crescerá apreciando esses sabores em detrimento de outros aos quais não foi igualmente exposta. Uma intersecção poderosa entre “personalidade” e “cultura” atuará no organismo de modo a definir preferencias que são, indistintamente, pessoais e culturais. Ou pessoais por serem antes de tudo culturais.

Como alguém se torna torcedor do Palmeiras ou da Ponte Preta? A observação desse fenômeno nos diz mais sobre a preferencia por coentro ou salsinha do que qualquer propriedade intrínseca das ervas. 

APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio