Colunistas - São Paulo São

São Paulo São Colunistas

A escolha das palavras é, de certa forma, uma retrospectiva daquilo que mais marcou a sociedade ao longo do ano. Foto: Correio da Manhã. A escolha das palavras é, de certa forma, uma retrospectiva daquilo que mais marcou a sociedade ao longo do ano. Foto: Correio da Manhã.

E aí, você sabe o que é Jerricã (ou Jerrican, como também já vi)? Eu assumo a minha ignorância e reconheço que ouvi (ou li, melhor dizendo) pela primeira vez dias atrás. Como atenuante para a minha limitação, tenho a impressão que a palavra não é usada no nosso “português brasileiro”, língua que eu costumava usar até 2017 (ou será que a minha burrice é ainda maior e todo o brasileiro sabe o que é um jerricã?). Enfim, o Jerricã (ainda não foi pesquisar o que é?) apareceu na minha vida quando soube que esta é uma das 10 palavras que pode ser eleita “A Palavra do Ano” em Portugal, em uma votação que já está na sua décima edição. A iniciativa é de uma grande editora portuguesa e costuma mobilizar boa parte da população. No ano passado, foram mais de 200 mil votantes. Até o momento, “Sustentabilidade” é a que tem o maior número de votos, seguida por “Violência” e “Desinformação”. “Jerricã” (agora já deve ter ido pesquisar e já sabe o que é, não?) aparece na quarta posição, à frente de “Nepotismo”, “Trotinete”, “Seca”, Influenciador”, “Lítio” e “Multipartidarismo”

Meu voto já deve estar claro para vocês, certo? Vou de “Jerricã” na cabeça, a única palavra nova para mim entre essas 10 finalistas. Se quiser votar, clique no (http://www.palavradoano.pt./) até o dia 31 de dezembro. Ajude a minha “Jerricã” a ser eleita! Aliás, pelo meu critério - palavras desconhecidas em português - minhas dez finalistas deveriam ter também Xizato, Quispo, Berbequim, Esferovite, Autoclismo, Dióspiro, Rebuçado, Montra e Trolha (não, não é aquilo...). Mas os critérios não são meus e a escolha das dez finalistas é feita pela editora, a partir da “análise de frequência e distribuição de uso das palavras e do relevo que elas alcançam, tanto nos meios de comunicação e redes sociais como no registo de consultas online e dos dicionários da editora”. Durante o mês de novembro, o site do concurso também ficou aberto para que os portugueses sugerissem palavras para a votação final. 

Vou de “Jerricã” na cabeça, a única palavra nova para mim entre essas 10 finalistas. Foto: Lusa.Vou de “Jerricã” na cabeça, a única palavra nova para mim entre essas 10 finalistas. Foto: Lusa.

A escolha das palavras é, de certa forma, uma retrospectiva daquilo que mais marcou a sociedade ao longo do ano. Fatos importantes, grandes discussões, debates, tendências e polêmicas estão sempre por trás das palavras finalistas. Ou seja, cada palavra traz um pouco do que o país viveu durante o ano. É como sintetizar em uma única palavra o conjunto emoções, ações, reações causadas por algo importante e marcante para a sociedade, para o bem ou para o mal. De volta à minha Jerricã, ela certamente entrou na lista porque foi muito usada durante umas boas semanas, graças à greve dos motoristas de caminhão responsáveis pelo transporte de mercadorias perigosas, entre elas o combustível nosso de cada dia. Sim, havia posto sem uma gota de gasolina e muitos com grandes filas, com gente que enchia o tanque e...o jerricã (a essa altura, não creio que seja um spoiler. Já foi lá no Google, né?).

Avenida Angélica, esquina com Martinico Prado, em Higienópolis. Foto: Hildegard Rosenthal,1940.Avenida Angélica, esquina com Martinico Prado, em Higienópolis. Foto: Hildegard Rosenthal,1940.

Tenho um postal guardado, pronto para uma moldura, com foto de um tempo que eu ainda não era gente, da mostra de Hildegard Rosental. A foto intitulada “O padeiro” foi clicada em 1940, na Avenida Angélica. Vê-se paralelepípedos molhados, a carroça do entregador de pães puxada por cavalo, o condutor com guarda-chuva, apenas dois carros negros nas ruas e o verde imperando por árvores, afinal era o que caracterizava as avenidas.

Conheça o aplicativo Malalai, que aproxima família e amigos para conectar e proteger as mulheres nas ruas. Imagem: reprodução. Conheça o aplicativo Malalai, que aproxima família e amigos para conectar e proteger as mulheres nas ruas. Imagem: reprodução.

Arquiteta e urbanista mineira, Priscila Gama, de 36 anos, sempre foi inconformada com a falta de segurança e liberdade das pessoas, especialmente das mulheres, para se locomover nas cidades brasileiras. “A gente é criada desde cedo para ter medo de andar sozinha na rua à noite, mas não deveria ser assim”, ela diz.

Um dos pulmões verdes de Lisboa, o Parque Eduardo VII tem jardins labirínticos vivos e o rio Tejo como pano de fundo. Foto: Morar em Portugal. Um dos pulmões verdes de Lisboa, o Parque Eduardo VII tem jardins labirínticos vivos e o rio Tejo como pano de fundo. Foto: Morar em Portugal.

Que tal nadar no Tejo, o famoso rio que banha Lisboa? Para quem tem como uma das referências o rio Tietê, no trecho que corta a cidade de São Paulo, a ideia não parece ser das mais empolgantes. Mas essa é uma das metas incluídas no programa oficial da Lisboa Capital Verde Europeia 2020 e que acaba de ser anunciado. A escolha de Lisboa aconteceu em 2018, em disputa com cidades da Bélgica e da Finlândia. Agora em 2019, é a capital norueguesa, Oslo, que carrega o título. Com a escolha de Lisboa para 2020, é a primeira vez que uma cidade do sul da Europa recebe o European Green Capital Award, da Comissão Européia, que até então era quase que exclusivo dos países do norte do continente.

Na Baixada Santista, o VLT anda num leito que já existia, quase como um trem, ligando Santos a São Vicente, com grama entre os trilhos. Foto: EMTU.Na Baixada Santista, o VLT anda num leito que já existia, quase como um trem, ligando Santos a São Vicente, com grama entre os trilhos. Foto: EMTU.

O  VLT, o Veículo Leve sobre Trilho, está em alta. O antigo bonde se modernizou e hoje é a solução silenciosa e não poluidora que 2300 cidades ao redor do mundo estão adotando para a circulação de pessoas.

Tenho o privilégio de não precisar fazer grandes, obrigatórios e cotidianos deslocamentos pela cidade. Foto: Shutterstock.Tenho o privilégio de não precisar fazer grandes, obrigatórios e cotidianos deslocamentos pela cidade. Foto: Shutterstock.

Uma pesquisa feita pelo Ibope em parceria com a Rede Nossa São Paulo em setembro de 2019 revelou que o tempo médio diário de deslocamento dos paulistanos para realização de sua principal atividade é de 1h47min (multiplicando por duzentos e sessenta, número aproximado de dias úteis do ano, temos  263h40min, o que equivale a quase vinte dias inteiros). Três meses antes, em visita ao Brasil, a líder global de Marketing e Parceria do Waze, Erin Clift, já havia afirmado que "São Paulo tem o sétimo pior trânsito do mundo”, avaliação confirmada no mês passado por um levantamento da britânica Mister Auto, uma das maiores revendedoras de peças de carro do mundo.

APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio