Sampa: metrópole de tantos ritmos - São Paulo São


Ao atravessar a Consolação na esquina com a Paulista, passei ao lado de uma mini-orquestra de percussão tocada por um homem só, sentado na calçada com as costas apoiadas em um poste.

O rapaz manejava com habilidade as baquetas e tirava sons harmônicos de pinico, panelas diversas e de uma tampa de alumínio. Concentrado na sua música ele não se deixava influenciar pelos ruídos presentes naquele que é um dos pontos mais barulhentos da cidade.

Embora eu não tenha parado para ouvi-lo, admirei a disposição do artista e quase o fotografei em seu exercício. Ao retornar, quase noite, não o vi no “palco”, mas os instrumentos estavam lá, talvez à espera da próxima apresentação.

Além do conjunto sonoro, notei que uma panela servia de cofre para que os ouvintes depositassem contribuições voluntárias. À primeira vista, a quantidade de moedas, muitas de R$ 1,00, devem ter garantido o jantar ou o acesso a qualquer outra coisa que o “performer” tenha decidido adquirir.

Cada vez é mais comum a ocupação dos espaços públicos por artistas de distintas categorias, notadamente na região da Paulista. Além dos já conhecidos “covers” é possível encontrar talentos criativos, os quais com coragem e de peito aberto, se expõem ao crivo do público que transita no corre-corre desta metrópole pulsante e de tantos ritmos. Por aqui, fico. Até a próxima.

***
Leno F.Silva é diretor da LENOorb – Negócios para um mundo em transformação e conselheiro do Museu Afro Brasil. Editou 60 Impressões da Terça, 2003, Editora Porto Calendário e 93 Impressões da Terça, 2005, Editora Peirópolis, livros de crônicas.