Nosso gringo conheceu a 'marcê', marcenaria do Ateliê Escola Acaia que produz sonhos - São Paulo São

A primeira coisa que impressiona quando você entra no Ateliê Escola Acaia é o espaço e o calor do ambiente. Crianças e professores te saúdam como se você pertencesse ao lugar. Para essas crianças, principalmente das favelas, o sentimento de pertencimento é talvez a emoção mais forte. Aqui eles sabem que são respeitados, que ninguém os mandará embora, que há muita comida e que eles podem generosamente dar e receber abraços irrestritos. Eles são crianças muito engajadas e você pode sentir a sua sensação de facilidade e segurança no ambiente escolar.

"Estamos sempre aprendendo com as crianças", diz Elisa Bracher, artista, fundadora e diretora do Ateliê Escola Acaia e uma presença muito visível e acessível. Nos quase 20 anos desde a fundação do Instituto Acaia, em 2001, a energia intelectual e física de Elisa tem sido direcionada para superar a divisão de classes que ela sente, impede que o Brasil realize seu potencial e se torne o lugar certo para seus filhos e netos. É o seu modesto mas enorme impulso que trouxe à existência uma escola dedicada à crença de que "todas as crianças são capazes de aprender, apesar de sua classe social e história de vida".

Localizado na Vila Leopoldina, perto da Favela da Linha, da Favela da Nove e do conjunto habitacional Cingapura, o ateliê escola nunca fez parte de um grande plano. Como a maioria das obras de arte, surgiu no ateliê da escultora Elisa, formado a partir da visão única do sua criadora. Parte de um ateliê anterior tornou-se uma oficina de carpintaria ocasional em 1998, quando, incapaz de encontrar uma maneira de estabelecer contato com a favela, ela convidou sete meninas para usar seu ateliê, o primeiro passo em sua jornada para superar a divisão cultural.

Foto: Patrícia Yanaguisawa.Foto: Patrícia Yanaguisawa.

Hoje a Marcenaria funciona durante toda a semana e à noite, ensinando aos pequenos entre 5 e 11 anos pela manhã, aos adolescentes à tarde trabalhando em projetos destinados ao uso interno da escola e à noite, aos pais e outros membros da comunidade desenvolvendo seus projetos pessoais. Ninguém está na oficina porque tem que estar. Há a liberdade total do ateliê da artista e na escolha dos projetos a serem realizados. Na concentração mostrada até mesmo pelos jovens, você pode sentir o vínculo muito forte que liga as crianças ao espaço.

A Marcenaria tornou-se a principal atividade do ateliê desde o início. O trabalho com madeira atraía os meninos locais a caminho ou na volta da escola.  Enquanto aprendiam habilidades de carpintaria, eles estavam construindo ferramentas internas que podiam usar e, tão importante quanto isso, eles se encontravam em um grupo misto que, como diz Elisa, "foi batizado de 'Marcê', uma abreviatura afetuosa e mais formal para 'marcenaria'. Odimar, um marceneiro profissional, não era apenas um professor respeitado, mas um mentor para os meninos.  

Elisa seria a primeira a dizer que o sonho da escola não poderia ter sido realizado sem as parcerias inspiradas e próximas com a psicóloga Ana Cristina de Araújo Cintra e Olga Maria Aralhe, uma artista e amiga íntima que se aposentou recentemente. Ana Cristina é particularmente admirada porque conhece os nomes de cada uma das crianças, suas histórias de vida, seus pais e suas comunidades dentro da favela. O triunvirato de mulheres dedicadas operou sem hierarquia ou pretensão e deu um exemplo diário para os professores e funcionários de que nenhum trabalho era muito pequeno ou insignificante, nenhuma idéia que não valesse a pena considerar.

Diz Fabricio, que juntamente com Lucas, Veronica e Maria Esther são responsáveis pela coordenação das inúmeras atividades da escola, "É diferente de Elisa em seu atelier com vestido e tênis. Foto: Mariana Maltoni.Elisa em seu atelier com vestido e tênis. Foto: Mariana Maltoni.qualquer outra escola que eu conheço porque as experiências de vida dos alunos são muito diferentes. Ainda no outro dia um dos nossos alunos de sete anos que também está estudando inglês viu uma mulher muito bem vestida e elegante que visitava a escola falar inglês, se dirigiu a ela, apresentou-se educadamente e perguntou: "Você é uma drag queen?"

Outro dia, Fabrício teve que abraçar e passar horas acalmando um novo aluno de 9 anos que mora em um abrigo público para crianças. "Nós abraçamos aquele garoto quando ela foi trazido até nós, apesar do comportamento totalmente violento, destruindo tudo o que ele tinha em nas mãos. Fazer com que ele e cada criança se sintam seguros, valorizados e desejados é o nosso papel mais difícil e, ao mesmo tempo, mais gratificante e importante."

As necessidades das crianças sempre vêm em primeiro lugar e enquanto os professores são profissionais, provavelmente acostumados a salas de aula e uma certa ordem, eles enfrentam uma experiência totalmente nova e muitas vezes estressante - às vezes até mesmo situações de vida e morte como quando um dos ex-alunos foi assassinado recentemente. Comentou um dos professores: "Tente explicar às crianças pobres por que é melhor ser estudante do que ganhar R$ 800 por dia como traficante de drogas. Tudo o que você pode dizer é que, como estudante, você provavelmente não terá o dinheiro, mas estará vivo". Ainda assim, não é uma escolha fácil, especialmente quando o som nas ruas é a letra pungente da música da estrela do hip-hop MV Bill, 'Soldado do Morro', citada no livro 'Favela' de Janice Perlman:

“Não sei se é pior virar bandido,
Ou se matar por um salário mínimo".

A escola demonstra aos jovens que estas não são as únicas opções. Aqui eles têm espaço para serem essencialmente crianças, infelizmente não o mesmo que eles têm em suas casas", diz Giovanna, uma das psicólogas que trabalha com as crianças, os professores e os pais ajudando a amenizar os muitos pontos difíceis que naturalmente surgem de suas diferenças culturais, ajudando a todos a se entenderem e superarem os problemas. Uma Oficina de Sentimentos, dirigida por um psicólogo, é realizada três vezes por semana e permite que as crianças brinquem e discutam os seus sentimentos sobre quaisquer questões ou preocupações. Há também um workshop quinzenal sobre sexualidade.

Foto: Patrícia Yanaguisawa.Foto: Patrícia Yanaguisawa.

O simbolismo e a experiência do ateliê, sua inerente liberdade de movimento e experimentação influenciam tudo, desde o nome da escola e seu logotipo impresso à mão até a atmosfera. Isto, diz Elisa, é considerado fundamental "para a criação de algo novo e harmonioso".

[Nota do autor: Este artigo é o segundo de três, analisando o "Instituto Acaia, um esforço para superar a divisão social do Brasil."]

Leia também: Nosso gringo e o Instituto Acaia (parte 1), que trabalha para superar a divisão social do Brasil

***
Peter Rosenwald mora em São Paulo e combina sua ocupação como estrategista de marketing para grandes empresas brasileiras e internacionais. Tem também carreira em jornalismo onde atuou por dezessete anos como crítico sênior de dança e música do 'The Wall Street Journal'. Escreve toda semana no São Paulo São.



APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio





 
 
APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio