O público e a privada - São Paulo São

A presidente da Câmara, a democrata Nancy Pelosi foi ignorada pelo presidente Trump enquanto estendia a mão para cumprimentá-lo. Foto: AFP..A presidente da Câmara, a democrata Nancy Pelosi foi ignorada pelo presidente Trump enquanto estendia a mão para cumprimentá-lo. Foto: AFP..

Escrevo este texto ainda sob o impacto das cenas do mais recente encontro entre o presidente dos Estados Unidos e seu Congresso, ocorrido na noite da última terça-feira, 4 de fevereiro. Nesse dia, aconteceu a tradicional cerimônia norte-americana chamada 'Discurso do Estado da União', em que o chefe do executivo apresenta-se à Câmara e ao Senado para a entrega de um relatório anual de atividades, normalmente proferido em forma de discurso. Além de deputados e senadores, participam do evento diversos outros políticos e representantes da sociedade civil, todos convidados pela Presidência da República.

Vamos às cenas: dando início à solenidade deste ano, o republicano Trump entrega uma cópia de seu discurso ao presidente do Senado, o também republicano Mike Pence (que acumula ainda o cargo de Vice-Presidente da República) e à deputada democrata Nancy Pelosi, presidente da Câmara e principal representante da oposição ao Governo no Congresso; ela, educada e obedecendo à liturgia de seu ofício, estende a mão para cumprimentar o chefe do Executivo, que acintosamente lhe dá as costas, deixando-a com a mão no ar. 

Essas imagens ficaram em looping na minha cabeça por horas, para em seguida resgatar outras tantas, similares, em minha memória. Lembrei do mesmo Trump chegando à Casa Branca acompanhado de sua esposa, logo após sua posse no Congresso: desembarca altivo do automóvel que os conduzia e 

caminha em direção a Michelle e Barack Obama, deixando Melania para trás, sem lhe dar qualquer atenção. Lembrei também de um ex-presidente, esse do Brasil, que muitos anos atrás, em cerimônia oficial e acompanhado da esposa, exibia ostensivamente seu dedo anelar sem a costumeira aliança de casamento. E do atual, que se recusou a chancelar o diploma do maior prêmio literário da língua portuguesa simplesmente por discordar do posicionamento político do escritor premiado. Por fim, recordo que, há cerca de três anos, um proeminente político europeu publicou um poema em que associava o presidente de outro país a atos como masturbação e sexo com cabras.

***

(Questão de ordem: este texto não é sobre política ou sobre políticos. Por sua visibilidade pública e pelo papel de líderes que deveriam cumprir, tomo-os como exemplo apenas para externar reflexões pessoais sobre boas maneiras, gentileza, cortesia, respeito e educação.)

***

Não sei em que momento a vulgaridade e a grosseria passaram a pautar manchetes de jornais. É aterrador constatar o quanto atitudes deseducadas e comentários rudes vindos de personalidades conhecidas têm se disseminado por todo o mundo. E saber que essas pessoas, sejam políticos, jornalistas ou artistas, são referências para um grande público – que passa a imitá-las, copiá-las – torna a questão ainda mais relevante.

Não sei em que momento a vulgaridade e a grosseria passaram a pautar manchetes de jornais. Foto: Shutterstock.Não sei em que momento a vulgaridade e a grosseria passaram a pautar manchetes de jornais. Foto: Shutterstock.

Pessoas com grande visibilidade têm obrigação de atentar para sua responsabilidade social e de redobrar seus cuidados para com a arte da convivência. Mesmo que em suas respectivas vidas privadas optem por uma conduta inadequada, é preciso que tenham consciência de seu papel público e honrem a deferência recebida, buscando sempre mostrar a melhor versão de si mesmas.   

A intransigência em relação a opiniões, atitudes, crenças ou modos de ser, e a decorrente desqualificação de ideias e pessoas das quais discordamos, têm sido a origem de grande sofrimento e incontáveis barbáries ao longo de nossa história. Por outro lado, a boa educação e o uso de cortesia funcionam como organizadores das sociedades democráticas, criando valores e evitando o caos. Gentileza e amabilidade não são supérfluos – são premissas para atenuar diferenças, tornar as relações pessoais mais suaves e a vida mais agradável para todos, inclusive para o público que é diariamente impactado pelas palavras e atitudes dessas personalidades e não merece ser tratado como latrina.

***

A beleza nos traz prazer, confere outra dimensão ao nosso cotidiano e amplia o sentido de nossa existência. Foto: Getty Images.A beleza nos traz prazer, confere outra dimensão ao nosso cotidiano e amplia o sentido de nossa existência. Foto: Getty Images.

Criei meu blog SobreTodasAsCoisas há quase nove anos por acreditar firmemente que o contato com a beleza é imperativo na vida de todos – a beleza nos traz prazer, confere outra dimensão ao nosso cotidiano e amplia o sentido de nossa existência. Por meio de meus textos, sempre procurei investigar, entender e discutir esse mecanismo: sons, imagens, formas, atitudes, sensações, relações, em tudo pode haver beleza, de tudo podemos extrair prazer. 

Por motivos alheios à minha vontade, nos últimos dois anos precisei diminuir a produção de textos para o blog (mas não minha dedicação aos estudos sobre o tema). Mas observando o indiscutível avanço da vulgaridade e da grosseria nas relações em todo o mundo, e pior, o aumento da tolerância a essas deformidades, parece-me que a discussão sobre a importância de beleza é mais necessária do que nunca.

Retomo os textos semanais em meu blog na próxima semana. Afinal, parafraseando Dostoievski (e depois Todorov), só "a beleza salvará o mundo". 

***

A presidente da Câmara, a democrata Nancy Pelosi, rasgou o que seria uma cópia do pronunciamento do dirigente republicano. Foto: AFP.A presidente da Câmara, a democrata Nancy Pelosi, rasgou o que seria uma cópia do pronunciamento do dirigente republicano. Foto: AFP.

Em tempo: ao término do discurso de Trump e ainda na tribuna às suas costas, Nancy Pelosi rasgou a cópia que tinha recebido do discurso presidencial. Perguntada por jornalistas sobre o motivo de tal atitude, respondeu que "era a coisa mais cordial a se fazer, tendo em vista as circunstâncias." Chapeau!

***
Valéria Midena, arquiteta por formação, designer por opção e esteta por devoção, escreve quinzenalmente no São Paulo São. Ela é autora e editora do site SobreTodasAsCoisas.



APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio





 
 
APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio