Um ciclista na quarentena - São Paulo São

Em tempos de Coronavirus, confira o bate-papo com o professor, artesão e mecânico de bicicletas Bruno Uehara.

Além de ciclista em período integral, o arquiteto Bruno Uehara é um apaixonado por esse modal. Tanto que criou um manual gratuito sobre a anatomia da bicicleta, para ajudar as pessoas a entender melhor suas bikes (download no link https://uehara.cc/anatomia-da-bicicleta-download/).

Como você está passando a quarentena e o que acha que ela pode nos ensinar?

Tenho sorte de poder trabalhar remotamente com as consulto – rias e com meus produtos digitais, pois as aulas presenciais de mecânica foram canceladas. É uma fase dolorosa para os microempreendedores, pois se já não era fácil, agora tornou-se ainda mais complicado.

A quarentena mudou, para sempre, a forma de trabalhar. Faz sentido deslocar-se para o escritório quando tudo que se faz é responder e-mails e entrar em reuniões?

Acho que não. Tanto empresas quanto funcionários estão percebendo isso. Há males que vêm para o bem. Os grandes centros urbanos, como São Paulo, já viram uma redução drástica na poluição e não é somente a do ar: o silêncio e o horizonte agora podem ser vistos e percebidos. Antes, com os carros realizando trajetos pendulares, era impossível.

Bruno Uehara. Foto: @renanbossiBruno Uehara. Foto: @renanbossi

O uso da bicicleta é recomendado na quarentena, seja para lazer ou meio de transporte?

Para quem não puder trabalhar de casa, é recomendável utilizar a bicicleta como meio de transporte. Inclusive, nesta terça-feira (24), graças à Aliança Bike, o Governo do Estado de SP enquadrou o serviço de oficinas e bicicletarias como essenciais para a população, para quem utiliza a bicicleta como meio de transporte. Mas como a contaminação também acontece via aérea, estou evitando utilizá-la para o lazer e a prática esportiva; apenas para deslocamentos necessários.

O que você sugere para quando voltarmos ao quadro padrão de locomoção?  Como podemos melhorar a nossa mobilidade?

Foto: Estadão Conteúdo.Foto: Estadão Conteúdo.

As ruas estão vazias e acredito que ninguém está sentindo falta das buzinas, da fumaça, do calor dos motores e dos congestionamentos (sem falar da violência verbal). Esta é a lição: precisamos investir na infraestrutura cicloviária. Enquanto não incentivarmos o uso da bicicleta (como tem feito Bogotá, com plano de expansão cicloviária em plena pandemia) não teremos um aumento no número de ciclistas, a exemplo do que ocorreu na última gestão da Prefeitura de São Paulo. Mais ciclovias significam mais ciclistas, menos morte no trânsito, mais qualidade do ar, mais saúde e redução do estresse.

***
 Artigo assinado pelo Pro Coletivo, blog parceiro de conteúdo, especializado em assuntos da multimodalidade. 



APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio





 
 
APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio