Cidades verdes - São Paulo São

Proteger, regar, mimar e disseminar a natureza nos espaços urbanos são garantias de vida saudável, sustentável e empática para todos. Foto: João Benz.Proteger, regar, mimar e disseminar a natureza nos espaços urbanos são garantias de vida saudável, sustentável e empática para todos. Foto: João Benz.A ONG SampaPé é uma das várias instituições que estimulam o transporte a pé, lutando para investir de autonomia e proteger os caminhantes nas ruas e tornar as cidades brasileiras melhores para todos.

Em agosto já é tradicional, desde 2014, a Semana do Caminhar, evento nacional que envolve várias organizações ligadas à mobilidade ativa, uma oportunidade para levantar o debate sobre o caminhar, essencial como forma de deslocamento nas cidades que priorizam a saúde e a sustentabilidade.

Perdizes tem o terceiro maior IDH da cidade e ocupa a primeira posição na zona oeste, com 0,977. Foto: João Benz. João Benz 640x426Perdizes tem o terceiro maior IDH da cidade e ocupa a primeira posição na zona oeste, com 0,977. Foto: João Benz. João Benz 640x426

Neste ano, o tema da semana foi “Passos e Espaços Verdes”, que destaca a importância da relação com a natureza no cotidiano das cidades, um assunto que ficou ainda mais latente na pandemia, com a demanda de isolamento social. O projeto, que reuniu 40 organizações parceiras de todas as regiões do Brasil – com atividades que engajaram mais de 600 pessoas em sua programação – trouxe insights e ideias para criar cidades mais verdes e que tornem o caminhar mais prazeroso e saudável. 

Foto: Divulgação.Foto: Divulgação.As árvores filtram as partículas e os elementos tóxicos suspensos no ar, aumentando a produção de oxigênio e reduzindo as ilhas de calor, causadas pela impermeabilização do solo e pelo adensamento urbano. Além disso, o convívio com a natureza traz várias vantagens ligadas à saúde física, mental e emocional. Confira algumas ideias sugeridas na Semana do Caminhar, que divulgou o seu balanço final há poucos dias (https://bit.ly/sdc2021_balancofinal):

  • Criar hortas comunitárias em praças e até mesmo em canteiros nas calçadas, onde plantam-se temperos, vegetais e frutas com cuidado coletivo e colaborativo. Você traz alimentos que podem ser compartilhados pela vizinhança e mais sustentabilidade para sua região.

Foto: João Benz.Foto: João Benz.

  • Preservar e plantar árvores nas calçadas, espaço que é também de encontro, conversa, diversão e brincadeira, entre tantas outras atividades sociais.
  • Criar, adotar e proteger praças nos bairros, especialmente nas periferias, que contam com menos espaços verdes do que as regiões ditas “nobres”. Em São Paulo, a Prefeitura tem o projeto “Adote Uma Praça”, que visa aumentar a conservação de áreas verdes na capital e desburocratizar os processos de adoção. Até o dia 20 de janeiro de 2021, foram 1.202 praças adotadas.

Foto: Divulgação.Foto: Divulgação.

  • Os rios estão em toda parte, mas em muitas cidades foram canalizados e escondidos debaixo de ruas, ou não estão integrados aos espaços públicos e cotidiano das pessoas. Recuperar seus cursos e criar parques em que é possível percorrer e estar nas suas margens é uma forma de trazer mais água, natureza, conforto térmico e qualidade na vida urbana.

Leia também: 

***
Conteúdo semanal assinado pelo Pro Coletivo, parceiro de conteúdo, especializado em assuntos da multimodalidade.






APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio