Ensaios - São Paulo São

São Paulo São Ensaios

Pesquisa da OMO (2016) realizada com 12.000 famílias de dez países, diz que crianças passam menos tempo ao ar livre que presidiários (normas internacionais recomendam como mínimo uma hora de atividade física externa nos presídios). De acordo com o estudo, as crianças raramente passam mais de 30 minutos por dia ao ar livre, e despendem 50% a mais do seu tempo brincando em frente às telas de computadores e jogos eletrônicos do que do lado de fora de casa.

A tentativa de esgotamento de um local parisiense (1) é uma coleta de mil detalhes pequenos e imperceptíveis que compõem a vida de uma grande cidade, de um bairro determinado de uma grande cidade: as incontáveis e sutis variações do clima atmosférico, da luz, dos cenários de tudo o que está vivo.

Fernando. Foto: Ivan Shupikov.Fernando. Foto: Ivan Shupikov."Há 5 anos fotografo com compromisso cadeiras, banquinhos e banquetas estacionados nas calçadas dos bairros de classe média-alta da cidade de São Paulo.

São mais de 200 exemplares arquivados nesses anos, mobiliário geralmente furado, remendado, muitas peças com pinta que serviu a família por décadas, que esteve na sala de jantar, na beira da piscina, no escritório do doutor, no quarto da empregada… 

E por fim, em vez do lixo, está lá servindo para mal acomodar o guarda da rua faça frio, faça calor. De certa forma este ensaio é uma analogia à nossa sociedade casagrande-senzala e egoísta, um retrato da burguesia paulistana…

Uma salva de palmas para o Severino, o seu Manoel, o Cosme, o Seu Zé, o Nonato, o Piaui, proprietários de lombares de aço, heróis solitários e humildes que estão sempre a postos e sujeitos a esculacho de bandidos, mas protegendo o patrimônio do patrão muitas vezes avaliado em muitos milhões de reais," escreve Fernando Costa Netto, fotógrafo e sócio-proprietário da DOC Galeria para a introdução deste ensaio fotográfico exclusivo.

Confira as imagens e veja como ele tem razão ao homenagear os “Severinos“!

Perdizes.Perdizes.

Butantã.Butantã.

Itaim.Itaim.

Jardim Paulistano.Jardim Paulistano.

Moema.Moema.

Pacaembu.Pacaembu.
Pinheiros.Pinheiros.   
Alto de Pinheiros.Alto de Pinheiros.

Pompéia.Pompéia.Higienópolis. Higienópolis.

Sumaré.Sumaré.
Vila Madalena.Vila Madalena.
***
Ensaio de Fernando Costa Netto exclusivo para o São Paulo São.
 
 

Entre as diversas lições e aprendizados da crise hídrica que assolou São Paulo em 2015 e que hoje afeta outras regiões do País, uma ficou especialmente nítida: a absoluta falta de clareza das responsabilidades municipais na gestão e cuidados com a água. Fruto de um arranjo regulatório complexo e ainda pouco conhecido, há uma percepção generalizada de que a responsabilidade sobre a água compete exclusivamente às esferas estaduais e federal, além das concessionárias, limitando de maneira importante a atuação dos municípios nessa questão – o que, obviamente, não deixa de ser uma posição confortável para os prefeitos junto aos eleitores em momentos de crise.

Estudos históricos recentes reveem a condição de total submissão das mulheres em seu papel social no passado brasileiro, o que prevalecia até poucas décadas na bibliografia. A verdade é que, seja nas elites, camadas intermediárias ou populares, a mulher paulista foi sujeito de sua própria história, lutando nas tensas redes sociais ou nos matrimônios.