'Seja a Startup de você mesmo', diz pioneira da internet no Brasil - São Paulo São


Vivemos na era de sonho das empresas startups.

Atire a primeira pedra quem nunca sonhou ter uma ideia maravilhosa e inovadora que pudesse ser transformada em um negócio e vendida por alguns milhões (ou bilhões) de dólares em um curto espaço de tempo.

Esse sonho, como qualquer outro, é maravilhoso. Mas qual é o caminho para chegarmos até o Santo Graal do sucesso?

A primeira pergunta que vale a pena você fazer é: o que é uma startup?

O dicionário Merriam-Webster define startup como “uma empresa principiante.” O American Heritage Dictionary classifica como “um negócio ou empresa que tenha começado recentemente a operação.”

Num artigo da Forbes de dezembro de 2013 (veja aqui), encontrei três conceitos que, acredito,  definam perfeitamente minha visão de startup:

1. Uma startup é uma empresa que trabalha para resolver um problema cuja solução não é óbvia e o sucesso não é garantido.

2. Startup é um estado de espírito.

3. Uma empresa de cinco anos de idade ainda pode ser uma startup. Com dez anos, já é outra coisa.

Se todos esses conceitos são verdadeiros, me parece relevante perguntar: não somos todos uma permanente startup?

Pensemos na ideia de “empresa principiante” que “trabalha para resolver um problema em que a solução não é óbvia e o sucesso não é garantido”.

Desde o momento em que nascemos – e durante toda a nossa vida – essa é a realidade de cada ser humano.

Cada passo a ser dado, o primeiro dia na escola, o primeiro namoro, o primeiro emprego são experiências “startup”.

Sobre “startup é um estado de espírito”.

Considerando que a essência desse tipo de empreendimento é o novo, quantas vezes nos empolgados com a mudança, com a ideia de mudar o mundo e quantas outras vezes acordamos completamente desanimados, acreditando que nada pode ser mudado?

Finalmente, analisemos o tempo em que uma ideia ainda tem características de startup e sobre quando deixa de ter.

Ideias envelhecidas

Você se lembra daqueles momentos em que se deu conta de que as suas ideias ficaram velhas? Quando elas não têm mais a ver com o seu tempo e com a realidade do mundo em que você vive? É nessa hora que você deixou de ser uma startup (e não fez um IPO de sucesso).

Porém, por trás de todos esses conceitos, existe o elemento mais importante de todos: você!

Você é o empreendedor da sua vida.

Na Wikipédia encontramos as seguintes definições para empreendedorismo e empreendedor:

“Empreendedorismo: processo de concepção, lançamento e execução de um novo negócio, (…) juntamente com qualquer de seus riscos, a fim de fazer lucro.”

“Empresário: pessoa que percebe uma nova oportunidade de negócio (no sentido de encontrar novas possibilidades e necessidades de mercado não satisfeitas) e uma atitude pró-risco, que a torna mais propensa a explorar a oportunidade.”

Depende de você

Qual o sentido maior disso? Considere a possibilidade de que o seu sucesso e a sua evolução dependem mais de você do que de qualquer outro elemento na sua vida.

Muitos esperam que o governo, as empresas ou outras pessoas os protejam, eduquem, treinem e os amparem. A realidade, no entanto, é que o maior sucesso é reservado àqueles que tomam as rédeas da inovação e do empreendedorismo das suas vidas em suas próprias mãos.

Quando você busca se educar, entender como se organizam as suas finanças e efetivamente empreender, não está garantindo o seu sucesso, mas está lutando por ele com mais energia do que a maioria das pessoas.

Só talento não basta

Só talento sem esforço não leva a lugar nenhum. Mas muito esforço e estudo muitas vezes superam a falta de talento.

Quantas celebridades talentosas chegaram a perder a vida por falta de preparo?

No extremo oposto, vemos o exemplo dos atletas paraolímpicos que, com todas as dificuldades impostas por limitações físicas, atingem resultados esportivos espetaculares.

Comece a revolução por você. Você não tem garantias. Você terá que se reinventar a todo o momento. Receberá críticas e falhará, provavelmente mais vezes do que terá sucesso.

Esse é o caminho que transforma ideias em realidade. E só você pode trilhá-lo se quiser conquistar os seus sonhos.

E, assim, a próxima startup pode ser a sua.

***
Ana Nubié, Chief Strategy Officer da Moma Propaganda é formada e pós-graduada em administração de empresas pela FGV/SP. Pioneira da indústria de marketing digital no Brasil, foi sócia-fundadora da AgênciaClick Isobar.
 
*Post de estreia dela como articulista da Revista MOVE.
 
 


APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio





 
 
APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio