Outros - São Paulo São

São Paulo São Outros


O segundo jardim vertical permanente instalado em prédios vizinhos ao Elevado Presidente Costa e Silva - o Minhocão - foi inaugurado neste sábado (23) no Edifício Santa Cruz, perto ao Largo Santa Cecília, em São Paulo (SP), segundo o Movimento 90º, responsável pela instalação.

A cobertura vegetal composta por espécies de plantas da mata atlântica começou a ser montada em dezembro. O projeto desta segunda instalação é do artista Daniel Mangranè e faz parte de uma proposta para implantar um "corredor verde" no Minhocão, com o plantio de 8 mil metros quadrados de jardins verticais para melhorar a qualidade ambiental da região. 

A ação também é resultado de um decreto publicado em março do ano passado, que permite empresas a fazerem a compensação ambiental de obras e serviços na capital por meio da instalação de jardins verticais e telhados verdes nos condomínios.

Nesta segunda intervenção, o custo para cobrir tem 561 m² de fachada do prédio, em uma área de paredes sem janelas, será de cerca de R$ 500 mil. A manutenção da estrutura será feita pelo grupo Tishman Speyer nos primeiros seis meses. Depois disso, a Prefeitura assume os custos.

O projeto foi desenvolvido pelo Movimento 90º - que reúne profissionais que querem uma cidade mais verde. Além de melhorar a paisagem urbana, essas estruturas ajudam na filtragem da poluição do ar e no conforto térmico tanto no prédio onde está instalado quanto do seu entorno. Em 2013, o Movimento 90º fez um projeto-piloto no local. Durante quase um ano e meio a parede de um prédio do Minhocão ficou coberta com cinco mil plantas.

O movimento quer construir 10 jardins verticais em fachadas só do Minhocão até julho deste ano. Três deles já estão em andamento - Edifício Santos, Edifício Mackenzie e Edifício Filomena - e serão inaugurados até março, segundo o paisagista titular do Movimento 90º, Guil Blanche.

Outros condomínios

Um edital de chamamento público foi aberto em maio do ano passado pela Prefeitura para que edifícios vizinhos ao Minhocão possam receber a instalação de jardins verticais. Podem se candidatar condomínios que possuam empenas cegas (paredes sem janelas) que estejam localizadas a uma quadra do Minhocão.

O primeiro jardim vertical permanente instalado em prédios vizinhos ao Minhocão foi o Edifício Huds, que fica na Rua Helvétia. A inauguração foi em setembro do ano passado. Ao todo, 140 prédios, ou uma área equivalente a nove campos de futebol, são candidatos a receber a cobertura de plantas, segundo o Movimento 90º.

A escolha dos edifícios será feita pela Câmara Técnica de Compensação Ambiental, que levará em conta o fato de a nova área verde proporcionar redução da poluição sonora e do calor no entorno. As cartas de intenção devem ser entregues na Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente (SVMA), na Rua do Paraíso, 387/389 - térreo, das 9h às 16h.

***
Fonte - GI.

 
Após quase três anos de espera, os paulistanos finalmente poderão voltar a admirar constelações e outros planetas mesmo sob o céu poluído de São Paulo. Isso porque o planetário do Ibirapuera será reaberto neste domingo (24), um dia antes do aniversário da cidade. 
 
Fechado desde 2013, o centro de educação espacial terá duas sessões abertas ao público no dia de reestreia, às 15h e às 17h.
 
A partir de segunda­feira (25) e durante os meses de férias –janeiro, fevereiro, julho e dezembro–, serão oferecidas quatro sessões de terça a domingo e em feriados, às 10h, 12h, 15h e 17h. No restante do ano, são abertas ao público geral somente as apresentações dos finais de semana e feriados.
 
Para participar, é necessário retirar uma das 320 senhas gratuitas meia hora antes. Cada sessão dura 40 minutos. 
 
O planetário Prof. Aristóteles Orsini, localizado no portão 10 do Ibirapuera, é mais conhecido pelo nome do parque que o abriga, na zona sul. 

Problemas

O planetário estava fechado desde maio de 2013, quando um raio danificou o projetor alemão Starmaster. Única alternativa na cidade, o planetário do Carmo, na zona leste, também segue fechado desde 2013, por problemas estruturais. 
 
A reforma nos dois espaços se estendeu e a reabertura foi adiada quatro vezes. Essa também não é a primeira vez que o planetário da zona sul é interditado. 
 
Inaugurado em 1957, ele já ficou fechado entre 1995 e 1997 e depois de 1999 a 2006, quando passou por uma reforma de R$ 9,6 milhões. 
 
Segundo a Secretaria do Verde e do Meio Ambiente, o planetário do Carmo passa por reestruturação física e de gestão e deve ser reaberto no primeiro semestre deste ano. Após a abertura, ele terá também uma unidade da escola de astrofísica, que antes só operava no Ibirapuera.
 
 
 
 
***
Fonte: Caderno Cotidiano da Folha de S.Paulo.
 


O Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento (ITDP Brasil) lançou ontem (20/1) o relatório "Política de Mobilidade por Bicicletas e Rede Cicloviária de São Paulo: Análise e Recomendações". Elaborado ao final do ano passado, a publicação dependia da entrega do documento à Prefeitura de São Paulo, o que aconteceu este mês.

Como explica Thiago Benicchio, gerente de Transportes Ativos para São Paulo do ITDP Brasil, "o desenvolvimento de uma política de mobilidade que contemple a bicicleta não deve ser entendida apenas como a construção de infraestrutura para seu uso como veículo, já que ela tem um papel fundamental na mudança do comportamento de mobilidade das pessoas”. Devemos, portanto, começar a construir indicadores para que o uso das bicicletas como opção de transporte seja ampliado.

É neste contexto que o relatório se insere, possuindo três objetivos principais: consolidar o histórico da política de mobilidade por bicicletas em São Paulo, propor sugestões para alguns de seus componentes estratégicos e analisar a rede cicloviária implantada até o momento da pesquisa (novembro de 2015), o que inclui recomendações de melhoria da rede existente e da planejada.

A análise da rede cicloviária usa como base os guias Urban Bikeway Design Guide (NACTO, 2011) e Manual Ciclociudades (ITDP, 2011) e apresenta os resultados da avaliação feita presencialmente pela própria equipe do ITDP Brasil. Naquele momento, ela era composta por 328 km de infraestrutura exclusiva (ciclovias e ciclofaixas) e 31,9 km de vias compartilhadas com sinalização cicloviária (ciclorrotas).

O relatório completo do ITDP pode ser acessado na biblioteca da Ciclocidade ou no site do instituto.

***
Fonte: Clicocidade.


Todos os taxistas da cidade deverão oferecer aos passageiros carregadores de celular e a possibilidade de pagamento por meio eletrônico, com cartões de crédito ou débito. As medidas estão em uma portaria da Secretaria Municipal de Transportes, que começou a vigorar nesta segunda-feira (18). A pedido da categoria, o prazo para implantação do pagamento eletrônico foi prorrogado até 4 de março. O texto também aponta quais são os trajes adequados para a prestação desse serviço de transporte à população e outras iniciativas para aumentar o conforto dos usuários. 

Os motoristas podem ainda optar por oferecer água potável, papel toalha e suporte para transporte de bicicletas. A portaria estabelece medidas de higiene do veículo, como a manutenção periódica dos filtros de ar condicionado, a limpeza interna e externa do veículo e dos acessórios disponibilizados aos passageiros. Os porta-malas também devem estar limpos e disponíveis para a utilização. 

Quanto à apresentação pessoal dos profissionais, os condutores do taxi comum poderão usar calças jeans escuras com camisa social de manga curta ou longa, sapatênis ou sapato. Também poderão optar pelo traje social, com camisa, gravata, calça, sapato e blazer (nos dias frios) ou tailleur para as mulheres. O uso de terno ou smoking só é obrigatório para os motoristas da categoria luxo, serviço prestado por veículos pretos de alto padrão, com tarifas 50% mais altas, que só atuam em pontos privativos próximos a hotéis e centros de eventos.

A portaria ainda traz algumas sugestões de atitudes para melhorar o atendimento, como colocar a mala do passageiro no bagageiro do veículo, oferecer informações sobre o trajeto ou sobre pontos turísticos, perguntar sobre o nível do ar condicionado ou sobre a possibilidade de escolher a programação do som ambiente do carro. É proibido recusar passageiro ou escolher corrida.

Também são proibidos ao taxista comentários ou atitudes que possam representar preconceito de raça, gênero, religiosa ou de identidade sexual. Durante as corridas, é recomendado que sejam evitadas polêmicas, como discussões em torno de paixões esportivas, convicções partidárias, fé e cultos religiosos.

A fiscalização das novas regras, divulgadas há um mês e publicadas no Diário Oficial do Município, começou nesta segunda-feira (18). Em caso de descumprimento das normas, a multa aplicada pelo Departamento de Transportes Públicos (DTP) é de R$ 35,52. Além do cumprimento das novas regras, o fiscal avalia a segurança do veículo e o cumprimento de prazos estabelecidos para revisões e manutenção. São checados itens como pneus, freios ABS e Air Bag.

As normas de conduta e de traje foram produzidas com a participação dos Centros de Formação de Condutores credenciados junto ao Departamento dos Transportes Públicos (DTP), depois de diversas reuniões e debates sobre o conteúdo do Curso de Taxista. Todas as minutas foram apresentadas, debatidas, aprimoradas e aprovadas por unanimidade, por entidades da categoria, na Câmara Temática do Serviço de Táxi do Conselho Municipal de Trânsito e Transporte.

Segundo a Secretaria Municipal de Transportes, até 4 de março os aplicativos de táxi deverão credenciar suas plataformas junto à secretaria, disponibilizando a avaliação dos passageiros do serviço dos taxistas. Essa avaliação dos usuários auxiliará na identificação dos profissionais que estão infringindo normas e irá gerar relatório sobre o perfil do serviço de cada motorista. Os que forem mal avaliados serão notificados a comparecer ao Setor de Disciplina e, após avaliação da conduta, poderão sofrer aplicação de penalidades legais e regulamentares. Também pode ser determinado que eles refaçam o Curso de Taxista. 

Os passageiros podem efetuar suas reclamações diretamente ao Departamento de Transportes Públicos (DTP) pelos telefones (11) 2692-3302, 2291-5416 e 2692-4094 e pelo WhatsApp, no número (11) 97205-7142.

***
Fonte: Secretaria Executiva de Comunicação.
 
 


O número de mortes decorrentes de acidentes com ônibus municipais na cidade de São Paulo caiu 25% (de 100 para 75) entre 2014 e 2015.

Esse índice foi puxado principalmente pela queda de 37% dos atropelamentos fatais de pedestres por coletivos. Entre um ano e outro, o número de pessoas mortas nesse tipo de acidente na capital paulista caiu de 56 para 35.

É o que aponta levantamento inédito feito pelo Fiquem Sabendo com base em dados da SPTrans (empresa municipal de transporte) obtidos por meio da Lei Federal nº 12.527/2011 (Lei de Acesso à Informação).

Esses números não abrangem eventuais mortes provocadas por outros tipos de coletivos na capital paulista, como os intermunicipais e os fretados, por exemplo.

De acordo com as informações disponibilizadas pela gestão Fernando Haddad, 2015 registrou a menor quantidade de mortes em acidentes com ônibus desde 2011.

Os dados do ano passado ficaram abaixo dos registrados em 2013 (detentor do índice mais baixo no período até então), quando foram contabilizadas 81 mortes em toda a cidade.

Os atropelamentos fatais por ônibus também registraram em 2015 o seu menor índice em cinco anos. (Veja o detalhamento desses dados no infográfico abaixo.)

Mortes em acidentes com ônibus caem 25% em São PauloMortes em acidentes com ônibus caem 25% em São Paulo

 

Números mostram eficácia de redução de limite de velocidade, afirma prefeitura
 

A gestão do prefeito Fernando Haddad disse por meio de enviada por sua assessoria de imprensa que a queda nas mortes em acidentes com ônibus “consolida a eficiência de medidas de segurança no trânsito, como a redução do limite de velocidade”.

A prefeitura informou ainda que os números mostram que “as ruas ficaram mais seguras para pedestres, motoristas, ciclistas, passageiros e motoristas”. Segundo a administração municipal, o período de janeiro a outubro de 2015 apresentou uma queda de 22,8% nas mortes de pedestres e de 18,3% na de motociclistas, na comparação com mesmo período de 2014.

Na avaliação da Secretaria Municipal de Transportes, São Paulo poderá atingir a meta da ONU (Organização das Nações Unidas), que é de 6 mortes para cada 100 mil habitantes. Hoje, o índice na cidade é de 8,82; em 2012, era de 12, segundo a pasta.

***
Fonte: Fique Sabendo.

 

O vereador Toninho Vespoli (PSOL), da Câmara de São Paulo, apresentou o projeto de lei 6/2016 que assegura às mulheres o direito de descer fora do ponto de ônibus após as 22 horas. Ele informou que a regra já funciona em outras cidades do próprio Estado de São Paulo, também no Rio Grande do Sul, Paraná e Pernambuco, e que dados da Organização Mundial de Saúde e do IBGE colocam o Brasil na sétima posição do ranking mundial de assassinato de mulheres.

Toninho Vespoli destaca que sua proposta busca dar maior segurança às mulheres que trabalham ou estudam à noite e correm maior risco de sofrer com a violência de gênero.

"As usuárias poderão descer em qualquer lugar desde que o trajeto da linha de ônibus não seja alterado", anota o vereador de uma das cidades mais violentas do mundo. "Na impossibilidade de descer no local exato sugerido pela passageira, o motorista encontrará o local mais próximo do indicado em condições de efetuar o desembarque."

O Projeto de Lei 6/2016 também prevê que a Prefeitura promova uma campanha de divulgação nos meios de comunicação para apresentar amplamente este direito para as mulheres paulistanas. O Poder Executivo terá 90 dias para regulamentar a lei, se aprovada na Câmara.

"Segundo a ONU, sete em cada dez mulheres no mundo já foram ou serão violentadas em algum momento da vida. No Brasil, apenas em 2014, ao menos 47.646 estupros foram registrados, o que equivale a um caso a cada 11 minutos. A OMS e o IBGE colocam o Brasil na sétima posição do ranking mundial de assassinato de mulheres. São 4,4 homicídios a cada 100 mil mulheres. Os casos são ainda mais frequentes com jovens próximas dos 18 anos de idade, principal público que utiliza os ônibus após as 22 horas", ressalta o vereador.

Ele informou que está sendo divulgada a iniciativa do movimento de mulheres 'Vamos Juntas?', que propõe um abaixo-assinado para levar sua proposta para o âmbito federal.

Para Toninho Vespoli, dada a urgência do tema, 'um debate sobre a proposta em São Paulo pode fortalecer esta discussão em outras cidades e até a nível federal'.

"O machismo é um problema visível no Brasil e tem as consequências mais perversas, entre elas o maior nível de violência contra as mulheres. Debater essa medida aqui em São Paulo nos ajuda a levar este debate para quem não está familiarizado com ele e ainda não percebeu a sua urgência. É uma medida pequena, mas que pode garantir maior segurança para muitas mulheres que trabalham e estudam até tarde", declarou o vereador.

***
Fonte: Estadão Conteúdo.

APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio