Dicas de como manter sua bicicleta segura na cidade - São Paulo São

Depois de comprar uma bike própria para se deslocar pela cidade, qualquer ciclista urbano precisa se preocupar também em fazer com que ela continue em suas mãos.

Duas cidades brasileiras em que o ciclismo tem ganhado adeptos incentivados por políticas públicas nos últimos anos, São Paulo e Rio de Janeiro aparecem no topo do ranking de roubos e furtos compilado pelo Cadastro Nacional de Bicicletas Roubadas. Trata-se de um sistema colaborativo criado com o objetivo de ajudar ciclistas que querem recuperar suas bicicletas, evitar que elas continuem no mercado ilegalmente e mapear áreas de risco.

Veja abaixo algumas dicas para que sua bicicleta não precise entrar nessa lista.

1. Não economize na trava

Mesmo com as variações do dólar, uma bicicleta urbana razoável ultrapassa tranquilamente a marca de R$ 1.500. Depois de investir no quadro correto para seu tamanho, em um câmbio eficiente para ladeiras e em pneus apropriados para a cidade, economizar na trava é uma péssima ideia.


“Algumas pessoas pensam que não têm dinheiro o suficiente e compram travas finas. Eu costumava simplesmente empurrar e puxar a bicicleta até quebrar a trava.” Omar Aziz - Nome fictício de um ex-ladrão de bicicletas que hoje faz trabalho como voluntário na região onde vive, na Inglaterra.

Travas de cabo de aço, como as vendidas em lojas de ferragens são, em geral, bastante frágeis e podem ser cortadas rapidamente com um alicate.

Travas finas não são seguras. Foto: Nacho / Creative Commons.Travas finas não são seguras. Foto: Nacho / Creative Commons.

Invista em travas em U (“U-locks”). Disponíveis em bicicletarias, elas são mais sólidas e difíceis de arrombar. Em geral, o preço varia de acordo com a qualidade, por isso pense duas vezes antes de economizar.

As travas menores são mais fáceis de carregar e dão menos espaço para que alguém mexa na sua bicicleta ao tentar arrombá-la.

2. Lembre-se do quadro, não se esqueça das rodas

Não cometa o erro de investir em uma boa trava, mas usá-la da forma errada. Prender a bicicleta apenas pela roda também é perigoso, porque ela pode ser facilmente separada do resto da bicicleta.

Uma boa trava U-Lock sendo mal usada. Foto: Michael Young / Creative Commons.Uma boa trava U-Lock sendo mal usada. Foto: Michael Young / Creative Commons.

Um dos melhores métodos para prender bicicletas é o “Sheldon Brown Lock Strategy”, que alguns dizem ter sido desenvolvido pelo ciclista de mesmo nome.

Ele consiste em usar uma trava em U pequena para prender a roda de trás passando pelo triângulo do quadro (aquela estrutura triangular onde as outras peças são acopladas).

Apesar de o quadro não estar tecnicamente preso, com a trava envolvendo a roda nesse ângulo também fica impossível puxar o quadro. Para isso, seria preciso destruir a roda, o que seria extremamente trabalhoso.

Bicicleta presa com trava em U. Foto: Daniel Oines / Creative Commons.Bicicleta presa com trava em U. Foto: Daniel Oines / Creative Commons.

Outra alternativa é prender a roda e o quadro ao mesmo tempo, o que exige uma trava mais comprida.
 
3. Invista em mais de um tipo de trava

Uma trava em U presa ao quadro pode proteger o corpo da bicicleta, mas é possível também que alguém leve partes como rodas e selim, por exemplo.

Usar um cabo de aço passando por essas outras peças da bike ajuda a protegê-las. Isso é importante especialmente para quem investiu em componentes caros.

Essa técnica de prender a bicicleta também dificulta o trabalho se alguém quiser levá-la, já que precisaria de mais do que um tipo de ferramenta para tirar a bicicleta do lugar.

4. Tranque sua bicicleta no local certo

Com tempo e “privacidade” o suficiente, nenhuma trava é infalível. Sempre que possível, leve a sua bicicleta com você para um local fechado.

Quando isso for impossível, busque pontos movimentados onde estacioná-la - próximo à entrada de estabelecimentos comerciais com vigias, por exemplo.

Nenhuma trava é infalível, só varia o tempo para quebrá-lasNenhuma trava é infalível, só varia o tempo para quebrá-las

Dê preferência para equipamentos urbanos próprios para prender as bicicletas, como os arcos amarelos de ferro em São Paulo.

Se for prender sua bike em um poste, tenha certeza de que ele está bem fixo ao chão. Não é incomum que o tubo de ferro esteja solto, bastando um puxão para liberar a sua bicicleta.

Se tiver que escolher entre um local próximo a fluxo de pessoas ou a uma câmera de segurança, escolha as pessoas.

Nunca dá para ter certeza se há alguém acompanhando a tela para garantir aproteção de sua bicicleta. E para driblar uma gravação, basta um capuz cobrindo o rosto.

Isso dito, evite ao máximo deixar a sua bicicleta a noite inteira na rua.

Arco de ferro próprio para prender bicicletas em São PauloArco de ferro próprio para prender bicicletas em São Paulo

5. Tenha noção

Só não confunda colocar sua bicicleta próximo a um fluxo de pessoas com colocá-la no caminho delas.

Essa pode ser uma ótima forma de fazer com que sua bike tenha muitos olhares vigilantes sobre ela, mas idosos ou pessoas com problemas de locomoção realmente precisam de corrimões. E é extremamente incômodo descobrir uma bicicleta fechando metade da passagem do seu portão.

***
André Cabette Fábio no NEXO JORNAL.

 



APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio





 
 
APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio