Desenhando a cidade, “Antes que Acabe“: depois da exposição, o livro do projeto - São Paulo São


As construções remanescentes de casas e sobrados, antes típicas da cidade de São Paulo e hoje substituídas por altos edifícios, são reveladas na mostra “Antes que Acabe“, que reúne desenhos do artista plástico e antropólogo João Galera em cartaz no Museu da Casa Brasileira.

A série apresenta uma variedade de registros da cidade de São Paulo a partir de diversos desenhos feitos por artistas, arquitetos e designers, que observam e analisam a cidade e a representam através de desenhos, ilustrações e outras composições.
 
 
Os desenhos de João Galera, em nanquim sobre papel, resgatam iconograficamente as casas como o símbolo da resistência paulistana contra transformações da cidade ocorridas com a chegada dos prédios e das novas dinâmicas urbanas.
 
 
… pelo registro das fachadas das casas que João Galera explora as evidências da vida privada nelas contida, observando elementos sutis como um vaso, uma planta, uma janela entreaberta ou outros detalhes do cotidiano. Aspectos construtivos típicos, como as janelas voltadas para a rua, a geometria de arcos na entrada, colunas pequenas, grades, chão de cacos vermelhos, reforçam o caráter de elemento cultural outrora usual na cidade, como um registro individual de seus moradores, marcas que se extinguem no anonimato dos grandes conjuntos edificados pela especulação imobiliária. Nesse sentido, a sobrevivência da imagem dessas casas ganha um caráter de resistência e de preservação da memória.
 
 
Tipologia, materiais e estilo variam conforme a época de construção das casas, o bairro, as condições sociais e também os moradores, que transformam sua moradia, criando identidades muitas vezes únicas.
 
 
O livro

Depois da exposição, agora João Galera quer levar este trabalho ao maior número de pessoas com a publicação do livro “Antes que Acabe“ onde reunirá os desenhos do projeto, produzidos ao longo de meses de pesquisa e observação. O livro está sendo produzido pela Mandacaru Design e contará com 58 desenhos.

É possível contribuir para a viabilização do livro acessando o site de crowdfundig para o projeto. O texto abaixo do dramaturgo Mauricio Arruda de Mendonça estará no livro.

O lançamento acontece no próximo dia 31 de julho, último dia da exposição, no Museu da Casa Brasileira.

A Pedra e o Vento

“Que habitações são essas que estão prestes a desaparecer das ruas de São Paulo? Um desaparecer tão completo que elimina a própria saudade, no susto mudo diante de um terreno subitamente vazio. Que casas, que moradias são essas talhadas para os modos de vida de uma cidade para a qual todas as sacadas se debruçavam confiantes em seu progresso e em seu futuro? Quantos desses sobrados não testemunham uma cidade de distâncias em que os automóveis não eram necessários? O olhar e a mão desse flâneur contemporâneo que é João Galera de alguma maneira nos previnem desse espanto de perceber os últimos vestígios de outras São Paulos se apagarem para sempre de nossas retinas. O ato de desenhar torna-se aqui uma atitude de resistência perante a ação do tempo do progresso que se impõe sobre as formas do habitar. Como contemplar esses desenhos-documentos sem sentir emanarem remotas vozes infantis, gemidos de amor, asperezas entre antigos casais, a luz do sol pelos vitreaux nos cafés-da-manhã silenciosos antes do trabalho e da escola, o orvalho gelado no metal das portas-de-enrolar das mercearias– a vida de tantos homens e mulheres, de tantos paulistanos, impregnadas nas paredes e nas fachadas? E como é bom ver esses sobrados, essas esquinas urbanamente líricas. É como se telhados, janelas, portas, escadas, muros, grades de porões adquirissem um valor afetivo em sua materialidade pura. Isso porque em suas gravuras, João Galera nos revela a tensão dialética entre aquilo que foi feito para durar séculos e a força aniquilante do efêmero – como pedra pulverizada pelo vento. Antes que acabe é essa tentativa de perenizar em papel e tinta os habitares paulistanos no redemoinho de um tempo de tamanhas urgências.“

Maurício Arruda Mendonça

Serviço
Projeto “Desenhando a Cidade: Antes que Acabe.“
Visitação: até 31 de julho.
Local: Museu da Casa Brasileira - (11) 3032.3727.
Av. Brig. Faria Lima, 2705 - Jd. Paulistano.
De terça a domingo, das 10h às 18h.
Ingressos: R$ 7 e R$ 3,50 (meia-entrada) | Crianças até 10 anos e maiores de 60 anos são isentos.
Gratís nos finais de semana e feriados.
Acesso a pessoas com deficiencia / Bicicletário com 40 vagas.
Estacionamento pago no local.

***
Informações para a imprensa Luciana Tamaki / Bruno Dória - MCB. Fotos: Divulgação.
 


APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio