Políticos franceses passam a noite na rua em apoio a sem-tetos que enfrentam onda de frio - São Paulo São

Cerca de uma dúzia de políticos franceses decidiram passar a noite da última quarta-feira (28) na rua, para mobilizar a opinião pública sobre a situação dos sem-teto durante a frente fria que atinge o país. A previsão era que as temperaturas, as mais baixas desde o início do inverno na França, deveriam permanecer negativas até o final da semana.

Em plena onda de frio (-2 graus), uma dúzia de representantes de vários Partidos, passaram toda a noite de quarta a quinta-feira nas ruas da capital Paris, para denunciar as condições de vida dos sem-teto. Foto: Valentin Dunate / Radio France.Em plena onda de frio (-2 graus), uma dúzia de representantes de vários Partidos, passaram toda a noite de quarta a quinta-feira nas ruas da capital Paris, para denunciar as condições de vida dos sem-teto. Foto: Valentin Dunate / Radio France.Em plena onda de frio (-2 graus), representantes de vários Partidos, passaram a noite nas ruas da capital Paris. Foto: Valentin Dunate / Radio France.

O ato em solidariedade aos sem-teto franceses foi uma iniciativa da assessora da prefeita de Etampes, na região parisiense, Mama Sy. “É insuportável ver as pessoas vivendo e dormindo fora”, explicou Sy em entrevista à rádio France Info. Ela defende que o Estado tenha o direito de utilizar os prédios e residências desocupados. “Temos que nos mobilizar para colocar um fim a essa situação desumana”, declarou.

Mama SY, vice-prefeita de Etampes está na origem da mobilização. Foto: Valentin Dunate / Radio France.Mama SY, vice-prefeita de Etampes está na origem da mobilização. Foto: Valentin Dunate / Radio France.Mama Sy, vice-prefeita de Etampes está na origem da mobilização. Foto: Valentin Dunate / Radio France.

Os representantes das prefeituras francesas (espécies de administrações regionais) da região de Paris, se encontraram na estação Austerlitz, situada no 5° distrito. Três sem-teto já morreram de hipotermia no território francês desde a chegada da frente fria no domingo. Mais 5.344 vagas extras foram criadas nos albergues, sendo 1.751 em Paris.

Anne Lebreton, vice-prefeita do 4º distrito chega para dormir com os sem teto. Foto: Valentin Dunate / Radio France.Anne Lebreton, vice-prefeita do 4º distrito chega para dormir com os sem teto. Foto: Valentin Dunate / Radio France.

Anne Lebreton, vice-prefeita do 4º distrito chega para dormir com os sem teto. Foto: Valentin Dunate / Radio France.

A França enfrentou os dias mais frios do ano na terça e quarta-feira passadas. Em Nancy, no nordeste da França, foram registrados dez graus negativos. Lyon também registrou menos 8 graus, enquanto em Paris a temperatura foi de menos 5 graus.

Sem teto sob frio intenso na ruas de Paris. Foto: What.IsUp. Sem teto sob frio intenso na ruas de Paris. Foto: What.IsUp. Sem teto sob frio intenso nas ruas de Paris. Foto: What.IsUp.

"A verdadeira solução não é isso, é o concreto", admite Adama Daouda-Kouadio, conselheiro socialista do 19° distrito. O grupo parisiense progressista, construtivo e independente (PPCI) do Conselho de Paris tinha sido muito crítico em relação a iniciativa: "A responsabilidade de um representante eleito não é ir dormir na rua para tornar isso "mais verdadeiro", mas encontrar soluções e saídas para aqueles que estão lá.

No local, outros representantes também foram céticos sobre a utilidade desta ação mas observaram: "O importante não é tanto estar lá e tentar ficar na rua o maior tempo possível. Não é um jogo. O objetivo é mostrar que a situação é insuportável para os sem-teto ", disse um deles.

Em toda a Europa, a frente fria já deixou pelo menos 19 mortos em três dias, levando alguns países a adotar medidas extremas: prefeitos da região metropolitana de Bruxelas, de Charleroi e Verviers, na Bélgica, decretaram medidas administrativas de emergência para retirar os sem-teto que se recusam a ir para os abrigos.

Imagem: France News.Imagem: France News.Imagem: France News.

Na Alemanha e na Suíça, que registram temperaturas extremas, de 20 a 28 graus negativos acima de 1.900 metros, a massa de ar polar vai resistir até o fim de semana. Os serviços de meteorologia preveem um aquecimento rápido a partir deste domingo. As temperaturas poderão chegar até 15 graus.

***
Fontes: RFI e Le Figaro.



APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio





 
 
APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio