Abrigos para sem-teto: arquitetos tem soluções de curto e longo prazo em projetos inovadores - São Paulo São

Na última pesquisa global realizada pelas Nações Unidas em 2005, havia cerca de 100 milhões de pessoas que estavam desabrigadas em todo o mundo e 1,6 bilhões que viviam em moradias inadequadas. Este número aumentou nos últimos anos; moradia inacessível tornou-se uma regra global, tornando cada vez mais difícil para os desfavorecidos procurarem abrigos permanentes, ou mesmo temporários.

À medida que a moradia se torna um meio de acumular riqueza em vez de cumprir sua meta fundamental de abrigo, arquitetos bem-intencionados tentam resolver a crise dos sem-teto por meio de ideias criativas e projetos inovadores. Mas a arquitetura é realmente a solução?

As causas da falta de moradia são complexas e abrangem uma série de fatores estruturais e circunstâncias individuais. Nas grandes cidades dos países desenvolvidos, muitas vezes vemos uma animosidade em relação aos sem-teto, uma mentalidade de que "eles escolheram esse estilo de vida" ou equívocos de que a falta de moradia é resultado de preguiça ou falta de responsabilidade. No entanto, é um fato inevitável que, com a riqueza dos países do primeiro mundo, a falta de moradia não deveria ser a questão global que é hoje.

Em Melbourne, na Austrália, 82.724 propriedades permanecem vagas a partir de 2015; um número perverso quando consideramos as centenas de pessoas dormindo nas ruas e dezenas de milhares em abrigos temporários. A falta de habitação social enquanto os apartamentos vazios de luxo são usados como propriedades de investimento apresenta uma imagem impiedosa de um mercado econômico que favorece o lucro sobre a habitabilidade e os governos que varrem a questão para baixo do tapete.

Casa vazia e abandonada em Melbourne, Austrália. Foto: Herald Sun.Casa vazia e abandonada em Melbourne, Austrália. Foto: Herald Sun.

A arquitetura tem frequentemente andado de mãos dadas com um senso de responsabilidade social e desejo de melhorar a sociedade através do ambiente construído. Embora seja impossível que a questão da falta de moradia seja “resolvida” apenas pela arquitetura, a relutância em se envolver e projetar essa questão representaria uma falha na interação com as questões da cidade e de seus habitantes.

Abaixo, veja alguns conceitos interessantes para soluções de curto prazo, bem como algumas maneiras pelas quais as cidades estão lidando com o problema em um nível mais fundamental.

Propostas para soluções temporárias

Essas propostas enfocam soluções de curto prazo para os sem-teto, desde abrigos de emergência até “arquiteturas hostis”, que tentam empurrar o problema para outro lugar.

Abrigos de emergência

©KOMU / Flikr.©KOMU / Flikr.

Abrigos de emergência permitem que os moradores de rua sejam protegidos das intempéries e tenham um lugar seguro para ficar por algumas noites, mas a demanda por abrigos supera completamente a oferta. Muitos abrigos de emergência permanentes também são mal projetados, tendo mais em comum com uma prisão ou hospital do que um local amigável para ficar. Muitos enfatizam seu uso como acomodação temporária, o que não resolve os sentimentos de ansiedade e instabilidade associadas à falta de moradia.

Em Bruxelas, tendas de lona são proibidas nas ruas, já que não é permitido acampar. O ORIG-GAMI project, concebido por Xavier Van der Stappen, utiliza tendas de papelão dobráveis para criar uma solução temporária para quem dorme nas ruas. O papelão é doado por uma fábrica de papelão e sua dobra em origami permite aos usuários transportá-los facilmente enquanto buscam abrigo.

Outro projeto similar é o WheelLY Recycled Homeless Shelter, da empresa italiana Zo-Loft, que consiste em uma estrutura de alumínio em forma de roda que pode se expandir como uma barraca. Seu design rolável facilita o transporte, com uma sacola de pano contendo até 113 kg de itens pessoais no interior. O lado da roda também pode ser usado como espaço para publicidade, para reduzir custos. Pode ser usado pela metade para funcionar como uma cadeira ou totalmente aberto para dormir.

Moradias “Parasitas”

Stephane Malka's A-KAMP47. Cortesia de Lauren Garbit, via Metropolis Magazine.Stephane Malka's A-KAMP47. Cortesia de Lauren Garbit, via Metropolis Magazine.

Muitos projetos de abrigos para sem-teto exploram a ideia de arquitetura “parasitária” que se encaixa em estruturas existentes, uma tentativa de resolver a questão do financiamento.

O projeto “paraSITE”, de Michael Rakowitz, exposto no MoMA em 2005, consiste de abrigos infláveis para desabrigados que podem ser anexados às saídas de ar quente de edifícios existentes. O ar quente que sairia das aberturas do edifício aqueceria e inflaria a estrutura parasítica. Esses abrigos infláveis foram construídos e distribuídos a mais de 30 moradores de rua em Nova Iorque, Boston e Cambridge.

'Homes for the Homeless project'. Foto: cortesia de James Furzer.'Homes for the Homeless project'. Foto: cortesia de James Furzer.

A ideia também foi explorada em muitos projetos conceituais, como “Homes for the Homeless” por James Furzer do Spatial Design Architects. O projeto é uma série de cápsulas que podem ser anexadas a terrenos idealmente pertencentes ao poder público ou conectados para formar uma comunidade de estruturas. Construído a partir de materiais acessíveis, o material exterior também pode coincidir com o do seu edifício hospedeiro. Furzer está atualmente desenvolvendo o projeto com um investidor privado para explorar a viabilidade da construção e distribuição do projeto.

Mural artwork de Viktor Miller-Gausa. Foto: cortesia de Framlab.Mural artwork de Viktor Miller-Gausa. Foto: cortesia de Framlab.

Framlab, com sede em Nova Iorque, apresentou um esquema semelhante apenas este ano. O esquema, que busca utilizar o espaço não utilizado encontrado em paredes laterais vazias de edifícios na cidade da cidade, usaria um módulo hexagonal impresso em 3D. Também se baseia na história local, referenciando as habitações de ocupação única da cidade, comuns em meados do século XX.

Stephane Malka's A-KAMP47. Foto: Lauren Garbit, via Metropolis Magazine.Stephane Malka's A-KAMP47. Foto: Lauren Garbit, via Metropolis Magazine.

A ideia de habitação “parasita” também tem sido usada pesadamente no trabalho do arquiteto francês Stephane Malka, preenchendo a lacuna entre os edifícios e acima dos telhados com moradias acessíveis. Seu projeto A-KAMP47 construiu uma série de tendas com estampas de camuflagem ao lado de uma parede de fábrica em Marselha. Atua como uma crítica às falsas promessas do Estado para habitação universal, a impressão de camuflagem representando o desejo da sociedade de esconder os sem-teto da vista.

Arquitetura hostil

Uma “solução” temporária usada por muitas cidades é a construção de arquiteturas hostis, como sprinklers ou suportes no meio de bancos de parques para deter os desabrigados. Exemplos mais agressivos incluem espinhos anti-desabrigados fora dos edifícios e sob pontes, uma tentativa de empurrar o problema para longe da vista. Há pouca pesquisa para sugerir que esta é uma abordagem de longo prazo bem-sucedida.

Tower Hill bench, Londres. Foto: James Furzer.Tower Hill bench, Londres. Foto: James Furzer.

Uma resposta simila mas não arquitetônica à questão da falta de moradia são as passagens de ida, usadas por muitas cidades dos Estados Unidos. The Guardian cobriu o assunto em profundidade aqui, descobrindo que 21.400 pessoas desabrigadas foram transportadas para áreas rurais nos últimos 6 anos com um acordo para não retornar às cidades. Embora alguns tenham se beneficiado desses programas de “relocação de moradores de rua”, muitos simplesmente enfrentaram os mesmos problemas em um local diferente, com menos oportunidades de emprego e serviços de apoio.

Propostas para soluções de longo prazo

Essas propostas exploram soluções de longo prazo para criar residências permanentes aos sem-teto.

Tiny Houses

Quixote Village.  Foto © Leah Nash / BuzzFeed.Quixote Village. Foto © Leah Nash / BuzzFeed.

O recente interesse em pequenas casas oferece uma possível solução para a falta de moradia. Muitas instituições de caridade estão desenvolvendo soluções envolvendo pequenas casas, com a Tiny Homes Foundation na Austrália desenvolvendo um programa piloto de 4-6 pequenas casas com um espaço comum oferecendo amenidades e serviços de bem-estar.

Outro fenômeno interessante é a existência de pequenas vilas. Nos arredores de Portland, Oregon, há uma pequena vila chamada Dignity Village. Ao contrário de outros programas de desabrigados, o Dignity Village é formado organicamente e é governado e administrado por seus moradores. A cidade e o apoio da comunidade nos anos 2000 permitiram que a Dignity Village evoluísse de uma comunidade de tendas para uma pequena vila aquecida com instalações. O aspecto chave que garante o sucesso de comunidades como a Dignity Village é a criação de uma estrutura na qual os moradores sintam que têm apoio e uma relação com seus vizinhos.

Casas minúsculas permitem que o morador construa a própria casa, o que significa que ela também pode atuar como uma solução preventiva para a falta de moradia, criando a possibilidade de moradia acessível que as pessoas possam construir sozinhas.

Habitação social

Conjunto Habitacional em Chipiona / Gabriel Verd Arquitectos . Foto: Jesús GranadaConjunto Habitacional em Chipiona / Gabriel Verd Arquitectos . Foto: Jesús Granada

O financiamento e o desenvolvimento de mais habitações sociais são cruciais para melhorar a questão da falta de moradia. Na Finlândia, as taxas de sem-teto diminuíram 35% desde 2010, enquanto as taxas aumentaram de forma constante no restante da Europa e no mundo desenvolvido. Este declínio é um resultado da iniciativa Housing First, que funciona pela filosofia de que um lar permanente é o primeiro passo, antes de abordar posteriormente questões de desagregação familiar ou abuso de substâncias que levaram à perda de moradias. Todos os abrigos de emergência da Finlândia foram transformados em alojamentos permanentes e, com a construção de mais blocos residenciais, o esquema criou 6.000 novas unidades habitacionais para os desabrigados. Isto provou ser muito mais rentável a longo prazo em comparação com soluções de curto prazo.

Embora mais habitação social seja essencial, o desenvolvimento de uma boa habitação social também é necessário. Uma possível razão pela qual a Housing First funcionou tão bem em comparação com outros empreendimentos de habitação social é que ela não está confiando apenas em construir mais casas, mas também garantindo que elas estejam ligadas a vários serviços de apoio. O apoio do governo local é crucial no seu financiamento e os seus residentes podem receber aconselhamentos relevantes financeiros e de habitação.

Crest Housing / Michael Maltzan. Foto: Iwan Baan.Crest Housing / Michael Maltzan. Foto: Iwan Baan.De fato, a recente colaboração entre o arquiteto de Los Angeles Michael Maltzan, o Skid Row Housing Trust, sugere o que há possibilidade. O recém-concluído Crest Housing é um projeto impressionante que oferece não apenas unidades vivas para veteranos desabrigados, mas também amplo espaço para programas sociais e comunitários.

Se analisarmos as diferenças entre habitação social bem-sucedidas e projetos que falham, fica claro que, embora o bom projeto seja crucial - a eliminação de torres monótonas estigmatizadas - o que é possivelmente mais importante é uma colaboração com governos e instituições de caridade para criar habitações socialmente apoiadas e orientadas para a comunidade.

***
Por Yiling Shen no Arch Daily. Tradução: Eduardo Souza.