O que tem na mata? A contribuição de João Barbosa Rodrigues em livro ilustrado por jovens guaranis - São Paulo São

Imagem: Reprodução.Imagem: Reprodução.Nesta quinta, acontece o lançamento do livro Mbaé Kaá (Dantes Editora), de João Barbosa Rodrigues (1842-1909), com ilustrações de jovens Guarani, do Parque Jaraguá, na Casa do Povo, a partir das 19h30. O livro, que foi publicado pela primeira vez em 1905, conta com novas notas e traduções, além de novas ilustrações.  No evento, acontece também uma conversa aberta conduzida por Ailton Krenak sobre os saberes indígenas. 


A publicação é uma defesa do conhecimento nativo diante do meio científico. Mesmo com o vocabulário da época e das perspectivas do inicio do século portanto, defasadas, é um livro fundamental que reconhece a sabedoria indígena no Brasil e no mundo.

João Barbosa Rodrigues nasceu em 1842 durante o Império, no Rio de Janeiro. Foi professor de desenho no ColégioImagem: Reprodução.Imagem: Reprodução. Pedro II, diretor do Museu Botânico do Amazonas, em Manaus, e diretor do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, onde trabalhou até morrer em 1909. Realizou diversas expedições, entre elas uma no vale do Rio Amazonas, de 1872 a 1874, com o objetivo de complementar os estudos sobre palmeiras de von Martius. A pesquisa de campo era tão importante em sua carreira que criou no Jardim Botânico, o cargo de naturalista viajante. 

Publicou Sertum Palmarum Brasiliensium, em 1903, uma obra impressionante em dois volumes contendo 389 espécies de palmeiras ilustradas e seus usos descritos. Falante do tupi antigo, do nheengatu e do guarani, em 1905 publica Mbaé Kaá, Tapyiyetá Enoyndaua.

Barbosa Rodrigues  teve rica experiência entre diferentes sociedades. Fez estudos e ilustrações detalhados de plantas e dos ambientes onde ocorriam. Aliando essas experiências às leituras, experimentos em laboratórios e trocas com seus pares, defendeu a hipótese de que as denominações das plantas não eram fruto da união arbitrária de características, mas de uma lógica apoiada em observações aceitas e legitimadas pelos nativos, que seguiam um método para classificação das plantas. O tema é detalhado no seu livro Mbáe Kaá-Tapyiyetá Enoyndaua. No cenário de afirmação de uma ciência brasileira, ele defendia a importância da classificação botânica indígena, cujo entendimento só seria possível pela convivência com os índios, com o entendimento da língua e conhecimentos botânicos.

O livro

Imagem: Dantes Editora / Reprodução.Imagem: Dantes Editora / Reprodução.

Mesmo dentro do vocabulário da época e das perspectivas do início do século é um livro fundamental para apoiar o reconhecimento da sabedoria indígena no Brasil e no mundo. A Dantes, buscou atualizar essa memória, e esticá-la aos dias de hoje, ao epicentro que é o Jaraguá, uma aldeia urbana do povo Guarani em plena cidade de São Paulo. A nova edição livro foi ilustrada por crianças, jovens e adultos Guarani durante uma oficina em setembro de 2018 na aldeia Pyau. Foram também elaboradas novas notas. A apresentação é assinada por Sergio Besserman e a introdução por Fabio Rubio Scarano.

Imagem: Dantes Editora / Reprodução.Imagem: Dantes Editora / Reprodução.

Imagem: Dantes Editora / Reprodução.Imagem: Dantes Editora / Reprodução.

Considerando a importância da publicação o livro conta com o apoio do Jardim Botânico do Rio de Janeiro e com o patrocínio da Associação de Amigos do Jardim Botânico do Rio de Janeiro e da BPBES - Plataforma Brasileira de Biodiversidade Serviços Ecossistêmicos.  

"Aqui, a nossa contribuição para que a flecha disparada há mais de cem anos por Barbosa Rodrigues atravesse o tempo atual e alcance um futuro onde, esperamos, os saberes nativos serão plenamente reconhecidos," ressaltam os editores.

Imagem: Dantes Editora / Divulgação.Imagem: Dantes Editora / Divulgação.

Serviço

Título: Mbaé Kaá

O que tem na mata
A Botânica nomenclatura indígena.
Autor: Barbosa Rodrigues.
136 páginas.
Ilustrado por estudantes Guarani da aldeia Pyau.
Dantes Editora.

L
ançamento:
Hoje, Casa do Povo, a partir das 19h30.
Rua Três Rios, 252 - Bom Retiro, São Paulo
Telefone(11) 3227-4015.

***
Da Redação com informações Dantes Editora.