Conheça a história do metrô mais antigo do mundo - São Paulo São

O metrô de Londres é o terceiro sistema de metrô mais movimentado da Europa, depois de Moscou e Paris. Foto: Transport for London. O metrô de Londres é o terceiro sistema de metrô mais movimentado da Europa, depois de Moscou e Paris. Foto: Transport for London.

O metrô mais antigo do mundo é o de Londres (Inglaterra), com 158 anos de operação. Sua inauguração trouxe lições valiosas sobre mobilidade que são importantes até hoje. 

O pioneiro

Ilustração mostra passageiros balançando seus chapéus no ar durante uma viagem experimental no Metrô de Londres. Imagem: BBC Newsround.Ilustração mostra passageiros balançando seus chapéus no ar durante uma viagem experimental no Metrô de Londres. Imagem: BBC Newsround.

O London Underground teve as operações iniciadas em 10 de janeiro de 1863, com 30 mil passageiros já no primeiro dia de transporte. Atualmente, mais de 5 milhões de pessoas usam o sistema diariamente para cruzar a capital.

Ainda no século 19 já havia uma preocupação em oferecer um modelo alternativo de transporte para escapar de congestionamentos, considerando que a região central de Londres estava sobrecarregada de veículos de tração animal como charretes e alta quantidade de pessoas a pé

Começo modesto

O primeiro trem a vapor viaja pelo Túnel do Tamisa. Imagem: BBC Newsround.O primeiro trem a vapor viaja pelo Túnel do Tamisa. Imagem: BBC Newsround.

A primeira linha tinha 6 quilômetros, era composta por sete estações e usava locomotivas bastante simples, movidas a vapor e com estrutura de madeira. Ao todo, a viagem entre os extremos de Paddington e Farringdon levava cerca de 18 minutos, com picos nos horários de entrada e de saída de serviços.

Essa rota foi construída como parte da Metropolitan Railway, a via metropolitana que deu origem ao termo “metrô”. Em dezembro de 1890, o serviço se modernizou com o sistema subterrâneo de trilhos eletrificados.

Estação de metrô de Londres na década de 60. Foto: Rex / Shutterstock.Estação de metrô de Londres na década de 60. Foto: Rex / Shutterstock.

O apelido do sistema de metrôs é “The Tube” (O Tubo), adotado graças aos inovadores túneis que foram abertos em uma profundidade maior para abrigar somente o conjunto de trens subterrâneos. Ainda assim, ele não é feito totalmente debaixo da terra: 55% das vias ficam na superfície.

A unificação do que seria conhecido como London Underground levou mais tempo, afinal as primeiras linhas eram construídas e mantidas por companhias privadas, sem integração entre as plataformas.

Em 1933, o London Passenger Transport Board foi criado, permitindo uma administração mais completa do sistema de transporte da cidade. Em 1948, o serviço foi passado para a British Transport Comission (BTC), uma instituição estatal que finalizou a construção de linhas e ampliou o acesso a outras áreas da cidade.

Sempre em evolução

O “Novo Metrô de Londres” que começou a operar inicialmente na linha Piccadilly e que recebeu ar condicionado pela primeira vez na rede de túneis profundos. Foto: TFL.O “Novo Metrô de Londres” que começou a operar inicialmente na linha Piccadilly e que recebeu ar condicionado pela primeira vez na rede de túneis profundos. Foto: TFL.

O metrô de Londres é uma prova de que plataformas antigas podem ser reformuladas sem perderem a identidade. Melhorias realizadas na última década ampliaram a recepção de sinal mesmo nos túneis subterrâneos, permitindo a utilização de redes de telefonia celular e até Wi-Fi nos vagões.

O London Underground também foi o primeiro metrô do mundo a oferecer serviços noturnos, a partir de 2014, embora em uma operação bem mais limitada do que na linha tradicional.

Atualmente, ele é composto de 11 linhas com 270 estações e um trajeto total que consiste em 402 quilômetros. Por muito tempo, foi o maior metrô do mundo em extensão, até ser superado pelos de Xangai (570 quilômetros) e Pequim (465 quilômetros), ambos na China, e pelo de Nova York (465 quilômetros), nos Estados Unidos.

Mapa do Metrô de Londres. Imagem: TFL.Mapa do Metrô de Londres. Imagem: TFL.

Ainda assim, ele não escapa de críticas: vagões lotados e falta de estações em certas regiões da cidade ainda são um problema, apesar de o sistema já ter recebido diversas obras para melhorar a estrutura e o acesso.

Vale lembrar que o primeiro metrô do Brasil, localizado em São Paulo (SP), iniciou as atividades em 1974.

11 curiosidades sobre o Metrô de Londres

Embora existam mais de 250 estações ao norte do Rio Tâmisa, existem apenas 29 ao sul. Foto: TFL.Embora existam mais de 250 estações ao norte do Rio Tâmisa, existem apenas 29 ao sul. Foto: TFL.

  1. Na gíria de rimas cockney, o London Underground é conhecido como Oxo (Cube / Tube).
  2. Uma média de 2,7 milhões de viagens de metrô são feitas no metrô de Londres todos os dias.
  3. Apenas três bebês nasceram no tubo. O primeiro foi em 1924, o segundo em 2008 e o terceiro em 2009.
  4. A estação mais movimentada é Oxford Circus, que é usada por mais de 98 milhões de passageiros por ano.
  5. O metrô de Londres é o terceiro sistema de metrô mais movimentado da Europa, depois de Moscou e Paris.
  6. A estação mais profunda é Hampstead, 58,5 metros abaixo do solo.
  7. A velocidade média no metrô é de 33 km por hora, incluindo as paradas das estações.
  8. A viagem mais longa em um único trem é a viagem de 54,5 km entre West Ruislip e Epping na Linha Central.
  9. O recorde de visitas a todas as estações da rede do metrô de Londres - conhecido como Tube Challenge - é atualmente detido por Ronan McDonald e Clive. Burgess. A dupla completou o desafio em 16 horas, 14 minutos e 10 segundos em 19 de fevereiro de 2015.
  10. Em Harry Potter, Dumbledore tem uma cicatriz em forma de mapa do metrô de Londres em seu joelho.
  11. Existem apenas dois nomes de estações de metrô que contêm todas as cinco vogais - "Mansion House" e "South Ealing".

**
Fontes: Transport for London, London Transport Museum.



APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio