'Do Campo ao Prato: descubra quem produz a comida da escola' - São Paulo São


O evento “Do Campo ao Prato: descubra quem produz a comida da escola" que aconteceu no dia 21 de outubro, em comemoração ao Mês da Alimentação, contou com a presença de 41 participantes. Professores e merendeiros da Rede Municipal de Ensino de São Paulo tiveram a oportunidade de conhecer de perto os produtores da Agricultura Familiar e entender seu trabalho.

Os participantes foram divididos em quatro grupos. Cada um recebeu a missão de conversar com os agricultores e com os profissionais do Departamento de Alimentação Escolar (DAE) para descobrir os principais aspectos sobre os temas: Campo e Família, Organização, Processo Produtivo e Comercialização.

Cezira Rossato e outros agricultores da Cooperativa dos Agropecuaristas Solidários de Itápolis (COAGROSOL – Itápolis-SP), fornecedores de suco de laranja, destacaram a boa organização da cooperativa, que com 15 anos, possui 350 cooperados. Além de exaltar, no fator Campo e Família, o produtor ter se transformado em empreendedor, a geração de renda e a valorização do funcionário.

A Associação dos Bananicultores de Miracatu, fornecedores da fruta para a alimentação escolar da RME, representados por Sergio D. Ramos e Rafael Grothe, comentaram sobre a manutenção do jovem no campo devido às perspectivas de crescimento da produção da banana e outros produtos, como doce de banana, palmito pupunha e mandioca, na Região do Vale do Ribeira.

Por fim, Sebastião Aranha, da Cooperativa dos Assentados e Pequenos Produtores (COAPRI), de Itapeva, fornecedores de feijão, comentou sobre a união que existe entre as famílias participantes da cooperativa. Ele também destacou a melhora na qualidade social e ambiental e a produção sem agrotóxicos em um assentamento da reforma agrária. O grupo finalizou colocando em questão o desafio de manter o produtor no campo, levar o produto até a cidade e oferecer produtos orgânicos.

Os participantes também tiveram a oportunidade de conhecer melhor os desafios do DAE para efetivar e ampliar a compra dos alimentos provindos da Agricultura Familiar, através de relatos e experiências da Assessora, Danuta Chmielewska e do Engenheiro Agrônomo, Douglas D'Amaro.

Ao final, os participantes foram instigados a contribuir com ideias para ampliar a visibilidade da agricultura familiar no ambiente escolar. Diversas sugestões foram apresentadas e enviadas para o DAE. Entre elas estão: a realização de novos eventos e congressos, criação de materiais educativos que possam ser utilizados por alunos e pais, projetos que aproximem alunos e a comunidade escolar do agricultor por meio de visitas nas áreas rurais, a divulgação em mídias como televisão e rádio e até mesmo um canal de comunicação direta com o agricultor através do site DAE. Para a assessora do DAE, Danuta Chmielewska, “todas essas sugestões visam fortalecer e ampliar essa parceria já existente, e serão essenciais para as próximas tomadas de decisão”.

***
Fonte: DAE / Secretaria Municipal de Educação de São Paulo.
 
 


APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio





 
 
APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio