Recomendados - São Paulo São

São Paulo São Recomenda

Empreitada capitaneada por Luiz Calainho e Facundo Guerra, filial do célebre clube de jazz abre em fevereiro. Foto: Eduardo Martino.Empreitada capitaneada por Luiz Calainho e Facundo Guerra, filial do célebre clube de jazz abre em fevereiro. Foto: Eduardo Martino.

Um dos endereços mais tradicionais de Nova York, quando o assunto é shows intimistas, principalmente de jazz, ganha filial em São Paulo. Uma versão paulistana do Blue Note abre no Conjunto Nacional, espaço histórico da avenida Paulista, em fevereiro. O primeiro concerto programado para o local reúne Marcos Valle e o grupo Azymuth no palco da casa, no dia 15 de fevereiro próximo.

A lista de atrações já confirmadas (veja abaixo) tem Toquinho, João Bosco, Baby do Brasil e Hermeto Paschoal, entre outros, com shows marcados nos primeiros meses de funcionamento do Blue Note. As vendas já estão abertas pelo site https://www.tudus.com.br/, com ingressos que variam de R$ 120 a R$ 480.

O Blue Note São Paulo vai ocupar um salão de 800 metros quadrados. Foto: Divulgação.O Blue Note São Paulo vai ocupar um salão de 800 metros quadrados. Foto: Divulgação.A abertura da nova filial acontece por iniciativa do empresário Luiz Calainho, junto com os sócios Daniel Stain, Flavio Pinheiro e Marcelo Megale. Eles administram há mais de um ano o Blue Note do Rio de Janeiro (primeira filial no Hemisfério Sul). Aos quatro, para a empreitada em São Paulo, uniu-se o argentino Facundo Guerra, conhecido veterano empresário da noite paulistana.

O Blue Note São Paulo vai ocupar um salão de 800 metros quadrados, com preocupação também - como na matriz - com a gastronomia. A chef responsável pelo cardápio dos shows, que acontecerão de quarta a sábado, sempre no formato de dois sets, será Daniela França Pinto, que formulou menu celebrando os anos 1970.
 

História

Danny Bensusan no Blue Note de Nova York criado por ele em 1981. Foto: France Musique.Danny Bensusan no Blue Note de Nova York criado por ele em 1981. Foto: France Musique.

O Blue Note surgiu em 1981, criado por Danny Bensusan, em Nova York, e se tornou um patrimônio cultural da cidade. A atmosfera intimista - comum em todas as casas da franquia pelo mundo e prometida também para a filial em São Paulo - deu a vários shows caráter histórico.

Entre os nomes que já se apresentaram no Blue Note de Nova York estão Stevie Wonder, Liza Minelli, Tony Bennett, B.B King, Ray Charles, Chick Corea, Sarah Vaughn e George Benson.

Programação

Blue Note paulistano chega à noite jazz de São Paulo com boa curadoria e preço alto. Foto: Divulgação.Blue Note paulistano chega à noite jazz de São Paulo com boa curadoria e preço alto. Foto: Divulgação.

Datas e artistas já confirmados no Blue Note SP:

  • 15/2 Marcos Valle e Azymuth
  • 16/2 Toquinho
  • 20/2 Leny Andrade Trio
  • 21, 22 e 23/2 Os Bossa Nova (Donato, Menescal, Marcos Valle e Carlos Lyra)
  • 6/3 Farol de Nazaré em tributo a Ray Brown
  • 6/3 Leandro Cabral em tributo a Herbie Hancock
  • 7/3 Carlos Malta, Robertinho Silva e Marcos Suzano
  • 8/3 Tributo a Wayne Shorter, com Marcelo Martins
  • 9/3 Tributo a Miles Davis, com Jessé Sadoc
  • 15/3 Azymuth
  • 16/3 Nelson Ayres
  • 21/3 Ed Motta
  • 22/3 João Bosco
  • 23/3 Baby do Brasil
  • 27/3 Tributo a Tim Maia, com A Banda do Síndico
  • 29/3 Hermeto Paschoal
  • 30/3 Banda cubana Batanga
  • 3/4 Hamilton Godoy
  • 11/4 Yamandu Costa
  • 12 e 13/4 Cesar Camargo Mariano
  • 18/4 João Donato
  • 24/4 Tributo a Ella Fitzgerald, com Alma Thomas

***
Da Redação com informações do Blue Note São Paulo.

"O objeto da arquitetura é a realização da cidade". Sesc 24 de Maio de Paulo Mendes da Rocha e MMBB . Foto: Flagrante."O objeto da arquitetura é a realização da cidade". Sesc 24 de Maio de Paulo Mendes da Rocha e MMBB . Foto: Flagrante.

Inaugurado em agosto de 2017 e recordista em visitações, o Sesc 24 de Maio, penúltima unidade da rede inaugurada – sucedido pelo Sesc Avenida Paulista –, foi projetado por Paulo Mendes da Rocha em parceria com o escritório MMBB Arquitetos - que interviram em uma antiga loja de departamentos, remodelando seus espaços internos a partir da estrutura existente e criando uma nova estrutura central que suporta a piscina na cobertura do edifício.

Lourenço Mutarelli, Tela nova - O filho mais velho de Deus, 2018. Foto: Divulgação.Lourenço Mutarelli, Tela nova - O filho mais velho de Deus, 2018. Foto: Divulgação.

+ Com curadoria de Manu Maltez, Meu Nome Era Lourenço apresenta trabalhos do multiartista Lourenço Mutarelli, destacando desde sua criação de histórias em quadrinhos até sua trajetória como ator e escritor. Sesc Pompeia. Oficinas de Criatividade. R. Clélia, 93, 3871-7759. 10h/21h30 (sáb., dom. e fer., 10h/18h; fecha 2ª). Grátis. Até 17/2.

Com direção artística da francesa Catherine Baÿ e criação sonora de Dudu Tsuda, a intervenção urbana 'O Tribunal dos Animais' se apresenta no Risco. Imagem: Divulgação.Com direção artística da francesa Catherine Baÿ e criação sonora de Dudu Tsuda, a intervenção urbana 'O Tribunal dos Animais' se apresenta no Risco. Imagem: Divulgação.Brasil, Argentina, Canadá, França, Irlanda do Norte, Jamaica, Reino Unido e Uruguai se unem para uma grande programação em solo brasileiro. Dança, performance, música, poesia, artes visuais, quadrinhos e cinema, em um grande festival, ocupam 13 espaços de São Paulo, em dezembro. É o Risco Festival chegando, em sua primeira edição no país.

Para chegar aos mais de 600 itens que integram a exposição, a curadoria levou 18 meses em pesquisas em diversos acervos. Imagem: M.I.S. / Divulgação.Para chegar aos mais de 600 itens que integram a exposição, a curadoria levou 18 meses em pesquisas em diversos acervos. Imagem: M.I.S. / Divulgação.

Na semana em que morreu o mestre dos quadrinhos Stan Lee, o Museu da Imagem e do Som (MIS) inaugura uma grande exposição sobre a arte que ele ajudou a formatar. Em cartaz até o fim de março, a mostra não prioriza um ou outro período, estilo ou país. Sem se aprofundar muito, oferece breves pinceladas em toda a história da “arte sequencial”, desde as pinturas rupestres até as cibertirinhas da internet. Com essa amplitude temática, a curadoria de Ivan Freitas da Costa se mantém em um nível superficial, mas consegue o mais difícil: criar um fio condutor coerente para apresentar os mais variados tipos de Hqs.