Recomendados - São Paulo São

São Paulo São Recomenda

Nos últimos tempos, a seguir seu caminho de autor, este brasileiro tem até mesmo pintado a própria igreja, a do Cachorro Azul. Foto: Rômulo Fialdini.Nos últimos tempos, a seguir seu caminho de autor, este brasileiro tem até mesmo pintado a própria igreja, a do Cachorro Azul. Foto: Rômulo Fialdini.

Para Manu Maltez, a arte não é somente musical, teatral ou plástica, mas, principalmente, aquela do encontro entre todas as expressões culturais permitidas ao homem. Assim é que, renascentista para além das periodizações, ele pode quadricular uma narrativa, cantar uma toada, pintar uma tela, escrever um poema ou talhar em pedra, a depender do que o assunto lhe impuser. Não existe um limite que ele tenha estabelecido para mergulhar nesse grande inconsciente da representação humana. Uma designação para melhor compreendê-lo talvez seja a de construtor. Manu Maltez constrói narrativas poéticas de modo a investigar o universo em que estamos, este que, com sorte, expandiremos sabiamente pela arte.

"Guerra Híbrida". Foto Rômulo Fialdini."Guerra Híbrida". Foto Rômulo Fialdini.

"As quatro faces de uma pedra". Foto Rômulo Fialdini."As quatro faces de uma pedra". Foto Rômulo Fialdini.

Nos últimos tempos, a seguir seu caminho de autor, este brasileiro tem até mesmo pintado a própria igreja, a do Cachorro Azul. Não se trata de seita para consumo, e ele não recolherá dízimo para que tal religiosidade artística exista. Será antes um modo de refletir sobre o momento por que passamos. Seu templo se situa na Barra Funda, na galeria São Paulo Flutuante, que a marchande Regina Boni e ele ergueram no ano passado. Em sociedade com esta grande personalidade cultural, o artista e agora galerista entendeu que a produção brasileira mais do que nunca precisará de acolhimento, elaboração e até mesmo de conversas, já planejadas para o alcance de um grande público virtual. Nessa igreja em que espera receber artistas e público fiéis, ele começou pintando as paredes. E no ano passado imaginou abri-las ao público, o que se revelou impossível em função da pandemia do coronavírus. Mas, neste ano, as visitas já podem ser agendadas presencialmente ou realizadas a qualquer instante pela internet.

"O Autorretrato de um Santo". Foto: Rômulo Fialdini."O Autorretrato de um Santo". Foto: Rômulo Fialdini.

No próximo dia 14, então, a São Paulo Flutuante inaugura um tour virtual que exibirá em alta definição a nova exposição de Manu Maltez. Por meio de um link será possível estabelecer contato com suas telas e esculturas, ao mesmo tempo que com sua representação musical, extraída, por exemplo, de uma exibição ao violão gravada junto à voz de Juçara Marçal e ao piano de Thaís Nicodemo. A cada passo desta exibição de seus trabalhos compreende-se o que o artista imaginou ao conceber as peças. Trata-se de uma construção, mas também de um show. A arte de Manu Maltez se expande e se conecta em uma poderosa investigação poética.



Serviço

O Templo do Cachorro Azul
Tour virtual: 14/05 de 2021.
O link para o tour virtual: https://tourvirtual360.com.br/galeriasp/
Site: www.saopauloflutuante.com
Instagram: @sp_flutuante
Facebook: spflutuante
Galeria São Paulo Flutuante
Rua Brigadeiro Galvão, 130, Barra Funda, São Paulo/SP
Horários de funcionamento: terça a sexta, das 10h às 12h e das 13h às 18h; sábados, das 10h às 12h.

***
Com informações de Rosane Pavam.

Programação gratuita reúne tecnologia, performances, sons e artes visuais para ressignificar as noções de espaço e lugar; festival acontece de 23 a 30 de abril. "Onde você ancora seus silêncios" de Charlene Bicalho. Foto: Divulgação / AVXLab..Programação gratuita reúne tecnologia, performances, sons e artes visuais para ressignificar as noções de espaço e lugar; festival acontece de 23 a 30 de abril. "Onde você ancora seus silêncios" de Charlene Bicalho. Foto: Divulgação / AVXLab..

Com foco na produção da arte audiovisual contemporânea, o Festival AVXLab 2021 apresenta um conjunto de shows, performances e exposições de arte, acompanhado de debates e seminários, que aprofundam o pensamento em torno dos formatos alternativos de cinema. Com programação gratuita, o evento ocorre em modo online de 23 a 30 de abril.

Criado para dar espaço a voz dos independentes, evento democrático une arte de diversas linguagens, política social e respeito as diferenças. No set, Luana Hansen e DJ Mozzão. Foto: Wild...Er  Franco.Criado para dar espaço a voz dos independentes, evento democrático une arte de diversas linguagens, política social e respeito as diferenças. No set, Luana Hansen e DJ Mozzão. Foto: Wild...Er Franco.

O Voz Festival – Arte e Diálogo é um grito de liberdade artística e também um chamado para a escuta, por um olhar mais tolerante, representativo, democrático e acolhedor, ampliando a voz de artistas da cena independente, com trajetórias ligadas a luta pelos direitos das pessoas que sofrem racismo, preconceito, discriminação e violência. É, ainda, uma oportunidade de desenvolvimento dos projetos artísticos paralisados pela pandemia, em diversas linguagens: música, literatura, poesias e nomes que vão da multiartista e ativista pelo direito à moradia no MSTC Preta Ferreira à apresentadora do programa de TV Drag Me As A Queen Rita Von Hunty, passando pela produtora e influenciadora digital Dandara Pagu, o cantor e compositor Chico Salem e a ativista contra abusos em meios espirituais Tatiana Badaró, para citar apenas alguns.

Mostra em São Paulo apresenta grande instalação que já passou por museus e galerias do Japão, França, Itália e Taiwan.Foto: Carol Quintanilha.Mostra em São Paulo apresenta grande instalação que já passou por museus e galerias do Japão, França, Itália e Taiwan.Foto: Carol Quintanilha.

Farol Santander São Paulo, centro de cultura, empreendedorismo, lazer e gastronomia, abre em 19 de fevereiro (sexta-feira), a primeira exposição no Brasil da artista e arquiteta francesa Emmanuelle Moureaux. Intitulada Floresta de Números, a mostra, com produção de Angela Magdalena (Madai) e Julia Brandão (Ayo) tem curadoria da própria artista, fica em cartaz até 23 de maio de 2021.

Edu Simões fotografou jovens negros em favelas e bairros periféricos de Norte a Sul do Brasil. Foto: Edu Simões / Divulgação.Edu Simões fotografou jovens negros em favelas e bairros periféricos de Norte a Sul do Brasil. Foto: Edu Simões / Divulgação.

Em agosto de 2014, o fotógrafo Edu Simões passava pelo Centro de São Paulo quando trombou, por acaso, com um protesto contra o genocídio de negros no Brasil. Mais tarde, nas redes sociais, descobriu que a marcha ocorreu de forma simultânea em outros 18 estados brasileiros. Foi o primeiro contato dele, um fotojornalista experiente, com o tema.