Recomendados - São Paulo São

São Paulo São Recomenda


Neste sábado, a partir das 22 horas, três filmes premiados de suspense serão exibidos no Cemitério da Consolação. O evento faz parte da programação do Mês da Cultura Independente e é gratuito, porém há necessidade de retirar ingressos no dia anterior no Cine Olido, localizado no centro de São Paulo.

As sessões começam com “Amantes Eternos”, de Jim Jarmusch, com direito a trilha ao vivo do compositor holandês Josef Van Wissem – pela qual ele recebeu o prêmio de Melhor Trilha Sonora no Festival de Cannes de 2013. A produção tem como personagens principais dois vampiros, Eve e Adam, cansados da sociedade atual e profundamente incomodados com a evolução da humanidade.

Em seguida, o público verá o sueco “Deixa Ela Entrar”, dirigido por Tomas Alfredson. Na trama, o jovem Oskar, de 12 anos, tem problemas de relacionamento na escola e sonha em ter um amigo. Quando aparece uma nova garota da sua idade na vizinhança, Eli, o garoto enfim encontra alguém em quem pode confiar. Porém, logo depois da chegada da menina e seu pai, uma série de crimes começa a ocorrer.

Por fim, a noite se encerrará com o austríaco “Boa Noite, Mamãe”, de Severin Fiala e Veronika Franz, um filme de terror psicológico que já está sendo considerado por muitos um novo clássico do gênero. Em um lugar isolado, a mãe de dois gêmeos volta para casa depois de uma cirurgia facial, no entanto começa a ter um comportamento estranho e agressivo. Isso faz com que os irmãos desconfiem de que esta não é sua mãe.

Serviço
Data e horário: sábado, dia 12, às 22h.
Endereço: R. da Consolação, 1660, Consolação.
Entrada: gratuita – ingressos devem ser retirados um dia antes na Av. São João, 473, Centro.
Classificação: 16 anos.
Capacidade: 150 pessoas.

Dica: Indicas.


Esse ano de 2015 marca uma data importante para a fotografia nacional: os 50 anos de atividade como fotógrafo, teórico e historiador do professor Boris Kossoy.

Em 1965, após se graduar como arquiteto pelo Mackenzie, Boris Kossoy abre o Estúdio Ampliart, na rua Marquês de Itu, no bairro de Santa Cecília, São Paulo. Para ele, o começo de tudo.

O curioso e por outro lado gratificante, é que a grande homenagem venha de longe: da Suíça. Em 10 de setembro, abre a exposição IMAGO: Sobre o aparente e o oculto. Boris Kossoy – 50 anos de fotografia, na Fundação Brasileia, em Basel.

Na ocasião, Kossoy fará sessão de autógrafos da edição alemã do seu livro Hercule Florence, que acaba de ser lançado pela editora LIT Verlag. Vale lembrar que, recentemente, Kossoy teve um de seus livros publicados na Espanha. Lo Efímero y lo Perpetuo en la Imagen Fotográfica (Ediciones Cátedra, 2014), foi lançado no Museu Reina Sofia, em Madri, na Espanha.

As obras de Kossoy ocuparão dois andares do prédio com 88 fotografias da sua carreira. Muitas inéditas. No começo da exposição, 21 fotos do ensaio Viagem ao Fantástico, de 1971. Depois, tudo transcorre para uma edição formada por grupos e sub-grupos sem preocupações cronólogicas.

Kossoy se encarregou da edição, curadoria e expografia. Numa conversa, semana passada, deixou claro que a exposição tem um forte trabalho de edição e criação de narrativas num corpo fotográfico com várias vertentes, e enfatizou: “Quis produzir sentido na edição. Essa exposição fala da persistência de um olhar e de um modo de pensar e ver a vida”.

Sem parar, Kossoy terá uma agenda cheia em Basel: abertura da exposição, visita guiada, lançamento do novo livro, workshop e palestra para alunos de ensino superior de fotografia.

No último dia 19 de agosto, Dia da Fotografia, durante seminário na USP, Kossoy foi homenageado com a presença dos diretores da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas e da ECA. Recebeu um diploma pelos 50 anos de atividade.

Conheça o site do Boris: http://boriskossoy.com/
Saiba mais sobre a exposição: http://goo.gl/c04isd

Fonte: Olhavê.


Havia a expectativa – o medo? – de que a 39.ª Mostra Internacional de Cinema São Paulo se ressentisse da crise que assola o País. No pior dos quadros alarmistas, a Mostra teria de ser muito pequena, ou nem se realizar. O horror, o horror! Renata de Almeida pode ter perdido algumas parcerias (a Faap) e, num quadro realista, trabalha com uma redução de 30% a 40% do seu orçamento, mas apoiadores tradicionais – Petrobrás, Itaú, BNDES, Prefeitura, Governo do Estado (através da Sabesp) e Sesc –, mesmo que os recursos ainda não tenham sido liberados, permitem que ela respire aliviada. Sim, teremos Mostra. A boa nova, uma das tantas, é que a Mostra de 2015 voltará até a um de seus espaços tradicionais – à sala de cinema do Maksoud, que há tempos não abriga mais aquelas sessões de pré­estreias. O Maksoud reintegra­se ao evento. Aleluia!
 
Como sempre, Renata de Almeida trabalha com um orçamento ideal – R$ 6 milhões – que nunca é atingido. O importante é que você já pode ir­se preparando. A maratona deste ano ocorre entre 22 de outubro e 4 de novembro. Vamos repassar algumas informações. O cartaz deste ano – e, consequentemente, a vinheta – terão a assinatura de Martin Scorsese e a Mostra vai homenagear a organização não lucrativa que ele criou para garantir a preservação de clássicos do cinema, a Film Foundation.
 
A retrospectiva da Film Foundationserá formada por 23 títulos, todos restaurados e exibidos em cópias digitais. São filmes de várias procedências. Pense num banquete de (grandes) filmes. Comece a salivar pensando nesses, de diversas procedências – Rocco e Seus Irmãos, de Luchino Visconti, e O Bandido Giuliano, de Francesco Rosi, da Itália; A Cor da Romã, de Sergei Paradjanov, da antiga URSS; Rashomon, de Akira Kurosawa, do Japão; Jian, de Edward Young, de Taiwan; Maynila, de Lino Brocka, das Filipinas; Al Mummia, de Shadi Abdal Salam, do Egito. 
 
Não faltarão clássicos de Hollywood – Como Era Verde Meu Vale, de John Ford; Juventude Transviada, de Nicholas Ray; Sindicato de Ladrões, de Elia Kazan; Bom­ Dia, Tristeza, de Otto Preminger; Um Caminho para Dois, de Stanley Donen. Até um do próprio Scorsese, O Rei da Comédia. E, claro, como o ex­ seminarista Scorsese é devoto de ‘são’ Michael Powell (e Emeric Pressburger), nenhuma retrospectiva estaria completa sem um filme deles, e será Coronel Blimp.

Cena do filme 'Arabian Nights', de Miguel Gomes, que estará na Mostra. Foto: Divulgação.

Pergunte a dez críticos que tenham estado presentes no Festival de Cannes, em maio, e vai ser difícil achar um que discorde – um dos programas mais importantes deste ano, todas as seções reunidas, foi o tríptico do português Miguel Gomes baseado nas 1001 Noites. O autor de Tabu reconta a saga de Xerezade e busca inspiração em suas histórias para refletir sobre a crise portuguesa, e europeia. A Mostra traz os três filmes. Traz o próprio Miguel Gomes para destacar, mais uma vez, a vitalidade do cinema autoral que se produz em Portugal. Não é o caso de promover nova retrospectiva de Manoel de Oliveira, já homenageado pela Mostra, para lembrar o mestre centenário que morreu em abril. “Mas o Manoel sempre muito querido pelo público da Mostra e não será esquecido. Vamos trazer seu filme testamento, que ele havia feito em 1982 e ficou todo esse tempo depositado na Cinemateca Portuguesa, para só ser exibido após sua morte. Visita ou Memórias e Confissões passou em Cannes Classics e agora vem a São Paulo como o nosso tributo a um grande artista e um ser humano tão imenso que Manoel nos honrou recebendo o prêmio Humanidades.” 
 
Justamente o prêmio Humanidades. A Mostra este ano outorga dois prêmios – ao chileno Patricio Guzmán, que traz seu Botón de Názcar, e ao italiano Ermanno Olmi, que apresentou, fora de concurso, talvez o melhor filme de Berlim, em fevereiro – Torneronno i Prati. Ambos já confirmaram presença – e Olmi, com 84 anos, pode muito bem vir a ser o sucessor de Oliveira como mais velho diretor do mundo em atividade. Tudo isso é muito bacana e deixa o cinéfilo embalado, à espera de que chegue outubro. Mas vamos atiçar ainda mais a fome por grande cinema do público. Veja o quadro. Não há crise que derrube a Mostra, um dos maiores e mais importantes eventos culturais, não só de cinema, da cidade (e do País).
 
Cine Paradiso vai ser o charme do evento
 
O grande charme da 39ª Mostra Internacional de Cinema vai se chamar Cine Paradiso – trata­-se de um espaço localizado no subsolo do hotel Maksoud Plaza onde antes já recebeu filmes da Mostra e agora será um local que vai abrigar cinema, música e gastronomia. Em janeiro, o empresário Facundo Guerra intermediou a parceira entre os responsáveis pelo hotel e o grupo francês MK2, que vinha buscando um espaço em São Paulo fazia cinco anos. “Trata­-se de um conceito já existente em Paris e que eles pretendem espalhar pelo mundo, começando por São Paulo”, conta Facundo. “A ideia é ter um cinema mais aberto, envolvendo música ao vivo e um serviço gastronômico. Assim, além da exibição de um filme mudo, por exemplo, a programação incluiria também a apresentação de bailarinas ou mesmo de uma banda de jazz.” 
 
Segundo Nathanael Karmitz, um dos diretores da MK2, a ideia é transformar o espaço em um polo cultural. O Cine Paradiso deve abrir oficialmente apenas em janeiro, mas, por causa da Mostra, o espaço vai funcionar em período de pré­estreia. “Eles pretendiam comprar um projetor apenas no próximo ano, mas, com a Mostra, decidiram antecipar a aquisição para agora”, completa Facundo. 
 
Fundada em 1967, a MK2 tornou­se referência mundial de filmes de arte graças especialmente ao trabalho do produtor e diretor Marin Karmitz que, ao longo dos anos, manteve encontros com gênios criadores, de Godard a Kielowski e Kiarostami. Seu catálogo de mais de 400 filmes inclui os direitos de Charles Chaplin, François Truffaut, Claude Chabrol, Gus Van Sant. As salas da MK2 contabilizam 17% do mercado da França, com cerca de 5 milhões de espectadores/ano. Nelas, há espaço também para a produção de Hollywood. 
 

'Storyboards' utilizados pela equipe de Ridley Scott para a filmagem de BladeRunner no início dos anos 80. Arquivo MK2.
 
No ano passado, a Mostra realizou uma homenagem aos 40 anos da abertura da primeira sala da MK2 em Paris, com exibição de alguns filmes que fizeram a glória da companhia. Marin era esperado, mas, como não pode vir, seu filho Nathanael recebeu por ele o prêmio Humanidades.

Luiz Carlos Merten e Ubiratan Brasil em O Estado de S.Paulo.

Acompanhe a página da Mostra no Facebook: https://goo.gl/h9QQgz

Assista a vinheta: https://youtu.be/ymWz5MGsYzU



"O problema não é crescer, mas esquecer", ensina o Pequeno Príncipe. Quando tinha oito anos, sofri a primeira grande perda em minha vida. Meu primo mais novo, na época com três anos, foi levado por uma doença comum na infância, mas que para ele foi fatal. 

A catapora não marcou e feriu somente sua pele, mas toda a história de nossa família. Pedro nos deixou sem palavras e com saudades. Tinha personalidade forte, como todas as crianças da família, os cabelos de um loiro quase branco e uma risada tão contagiante como a do Pequeno Príncipe – personagem que me acolheu nesse momento de dor e me guiou em profundos ensinamentos baseados em valores humanos e não materialistas. Hoje, posso olhar para o céu e ouvir as estrelas para não esquecer de Pedro, do seu sorriso e da infância que compartilhamos.

O livro O Pequeno Príncipe, do francês Antonine Saint-Exupéry, emociona e ajuda as pessoas a entender a essência da vida há mais de 70 anos. Foi traduzido para cerca de 250 idiomas e dialetos, e vendeu mais de 150 milhões de cópias em todo o globo. É há meio século o livro infantil mais vendido no Brasil, e somente no ano passado vendeu mais de 140 mil exemplares. Seu autor faleceu um ano após o seu lançamento, em 1943, numa missão da Segunda Guerra Mundial, sem poder dimensionar o alcance da obra.

O livro conta a singela história de amizade vivida por um aviador e um principezinho que mora no longínquo asteroide B612 e ama uma rosa. Quando o príncipe sai em viagem pela Terra, esbarra com o aviador encalhado num deserto e ali compartilham histórias e ensinamentos sobre as dores e as delícias de ser humano.

Seus ensinamentos tratam do que é realmente importante nessa vida fugaz que levamos na Terra. Contemplar as estrelas, cativar amigos, amar e respeitar animais e plantas, cooperar mais do que competir, olhar e escutar mais do que assistir, trocar mais do que acumular. Bem diferente do que a sociedade de consumo quer nos fazer crer.

A animação homônima ao livro chegou às telas esse mês, dirigida pelo americano Mark Osbourne, e traz uma nova e igualmente bela narrativa para esse clássico da literatura infanto-juvenil.

Desta vez, quem fica amiga do Aviador, hoje um velhinho, é uma garotinha de olhos curiosos, abandonada pelo pai e confinada pela mãe numa casa cinza. Com tarefas obsessivamente calculadas por uma mãe ausente, a menina tem uma rotina espartana durante as férias de verão, para conseguir vaga numa escola de renome que promete futuro de sucesso.

Sem tempo para dedicar-se ao ócio, aos amigos, ao contato com a natureza ou ao exercício de sua criatividade, a menina experimenta os dias sozinha e assim vai perdendo a essência da infância, até ser resgatada pelo vizinho excêntrico – um velhinho aviador que lhe conta a história do Pequeno Príncipe e com quem acaba por passar suas férias.

Seus pais não têm tempo de cuidar dela – como muitos, atualmente, que terceirizam os cuidados dos filhos para babás, creches ou tablets. O pai da protagonista vive longe, trabalha muito e mantém contato com ela somente no aniversário – por meio de um mesmo presente que envia todo ano, com um cartão que nada diz e ela tristemente coleciona. A mãe também trabalha demais e não a escuta, "adultizando" essa menina para ser seu par – e dizendo que faz isso para lhe garantir o futuro, sem perceber que assim lhe arranca o presente.

A trama principal do 'Pequeno Príncipe' de Osbourne gira em torno da pequena garota de infância cinza (Foto: Divulgação)


Triste retrato da infância de hoje, abandonada e afastada de sua essência em meio a tantas atribuições do universo adulto.
Fui assistir ao filme em família e fiquei feliz ao perceber que a amizade e os ensinamentos compartilhados entre o adulto e a criança ainda emocionam todas as gerações. A meu lado um pai com a filha no colo derramavam lágrimas que mostram haver saída para a vida cinza e planejada que a maioria de nós experimenta nos grandes centros urbanos.

O filme emociona e faz refletir sobre os valores que aprisionam as crianças contemporâneas numa infância igualmente cinza e solitária, com a agenda repleta de atividades supostamente desempenhadas para lhes garantir um bom lugar na Terra – a mesma que estamos destruindo pelos padrões de consumo e produção que adotamos.

Aparentemente perdidos na árdua e deliciosa tarefa de cuidar dos filhos, pais e mães da atualidade acabam recorrendo às promessas que o mercado lhes oferece. Tenho sido com frequência chamada a falar nas escolas sobre o tema da desaceleração na rotina das crianças, e minha fala debruça-se sobre a importância de respeitarmos a infância e seu tempo: de encantamento e conexão, em que contemplar e imaginar são atividades essenciais na construção de significados para o mundo real.

É preciso desacelerar e desconectar para entrar em contato com a criança que fomos e com as que estão ao nosso lado. Rever nossas urgências e o que é realmente importante para promover uma infância plena. Crianças não são feitas para ser criadas em bolhas. Elas precisam se relacionar, cair para aprender a levantar, perder para aprender a sonhar e elaborar. Precisam de histórias vividas e narradas para se lembrar. E não precisam, para ser felizes, de objetos e atividades que as cansem para desligar-se à noite. Não precisam de um coach para aprender a brincar – sim, parece que estes personagens existem!

Crianças precisam de muito pouco para crescer de forma saudável e se tornar adultos melhores. Precisam de tempo e espaço para brincar e se relacionar entre pares, com adultos e com a natureza. E nós, adultos, temos o dever e a responsabilidade de oferecer a elas o que é realmente essencial – embora invisível aos olhos.

Lais Fontenelle no Outras Palavras.


De que maneira o uso da bicicleta é capaz de reformular tanto a utilização do espaço público como as relações humanas? A resposta a essa pergunta pode estar na exposição de fotografia e arte “Essa cidade é invisível? SP|NYC”, que chega ao Centro Cultural São Paulo (CCSP), no dia 12, tendo a cidade como motivação – com suas ruas, pessoas e relações– e a bicicleta como pretexto.

O projeto original, denominado “Am I invisible”, surgiu em Nova York (EUA), em 2013, idealizado pela fotógrafa Jeanne Hilary, fundadora da organização Bicycle Utopia. Este foi trazido para o Brasil pela fotógrafa Sylvia Sanches, da CicloUtopia, criando um diálogo visual entre as duas metrópoles. “No que diz respeito à ocupação do espaço público e à mobilidade, o que está acontecendo em São Paulo também acontece em Nova York”, conta Sylvia. Segundo ela, a ideia é promover esse diálogo para ver o ponto de vista sobre a cidade tanto do brasileiro quanto do norte-americano, partindo da bicicleta. A mostra chega, simultaneamente, ao North Brooklyn Farms, em Nova York. 

A curadoria é dividida entre Jeanne Hilary e Baixo Ribeiro, fundador do Instituto Choque Cultural. Ao todo, são 16 obras de brasileiros e norte-americanos, dos coletivos Garapa, TEC, Bijari, 6Meia e de Felipe Russo. As peças estarão expostas em diversos pontos do CCSP e também nas ruas próximas e nas ciclovias que levam ao polo cultural. “Mais do que pensar em uma imagem, estamos pensando na relação entre elas, criando um circuito. Além disso, a ideia é proporcionar um diálogo da parte interna do CCSP com a rua e do ciclista com a exposição”, diz Sylvia. 

Serviço

Centro Cultural São Paulo – diversos espaços.
R. Vergueiro, 1.000, Paraíso. Próximo da estação Vergueiro do metrô. Centro. 
Abertura: Dia 12, 10h. 
De 13/9 a 8/11. 3ª a 6ª, das 10h às 20h. Sáb., dom. e feriados, das 10h às 18h. Grátis.



Alaíde Costa não gosta de se encontrar com a própria voz. "Quando alguém bota uma música minha para tocar, toco para outro canto", diz a cantora, vestida com uma capa de seda preta bordada com canutilhos, como se fosse para um baile de gala. 

Mas a roupa de festa foi usada para passar o dia num estúdio da Vila Romana.É que no seu aniversário de 80 anos, em 8 de dezembro, ela terá de se confrontar com a sua voz casada com sua imagem: é quando será lançado o primeiro DVD da história de Alaíde, apelidada a Mãe da Bossa Nova. 
 
"E eu lá sei por que nunca tinham filmado um show meu?", diz ela quando questionada se a demora era uma vontade sua, para preservar o foco na voz. Como a maioria dos expoentes da bossa nova, a carioca dispensa firulas e estéticas complexas. 
 
Há 60 anos, se esmera para trabalhar sons básicos de sua voz baixa e novas construções para canções consagradas. 
 
A gravação, que também originará um programa no Canal Brasil, foi um passeio pelo repertório das seis décadas de carreira da cantora carioca.
 
Tem Milton Nascimento, Johnny Alf, Oscar Castro Alves, Vinicius de Moraes. Tudo acompanhada por violão, baixo acústico e uma bateria de jazz ­que ela classifica como "uma coisa de outro mundo". 
 
"Estou acostumada a ter a voz acompanhada só por flauta, piano, violão e olhe lá." A bossista não é de ousar. Gosta dos seus arranjos minimalistas e da voz baixa e elegante. 
 
"No próximo a gente faz só você e um naipe de flautas. Quinze músicas!", brinca o produtor Thiago Marques Luiz, que a convenceu a fazer as leves mudanças na sua lógica de trabalho. E também a voltar a cantar músicas com que não se encontrava há décadas, caso de "A Voz do Povo", de João do Vale.
 
Ficar nu?

Os últimos tempos têm sido de debutes para Alaíde. Em 2014, lançou "Canções de Alaíde" seu primeiro álbum de composições próprias, em parceria com gente como Vinicius de Moraes ­"Amigo Amado", de 1973, e "Tudo o que É Meu", de 1965­e Milton Nascimento. Agora, se arrisca (de leve) em um cancioneiro que até então não tinha registrado. 
 
Tanto que, na hora de gravar uma faixa bônus, hesita. Pede para ouvir a gravação de "Preciso Chamar sua Atenção", letra de Roberto Carlos em que o intérprete diz "Só me resta ficar nu pra chamar sua atenção". Ainda mais calada do que o de costume, ouve os três minutos da faixa na sala de gravação. "Não sei se gosto. Não sei se é meu estilo." 
 
O produtor ouve junto a ela. "Ficou ótimo! Tudo na vassourinha, tudo sutil. Precisa ser assim, ou ela me bota para correr", brinca Luiz.

Ela cantara a música uma só vez, enquanto, na chácara do dono de uma gravadorase recuperava da operação que deteve uma perda progressiva de audição. "Não é que eu tenha nada contra Roberto Carlos. Acho essa música belíssima, só não é a minha praia." Enquanto pensam na inclusão da música do Rei, amigos da cantora contam ter planejado também uma comemoração em uma das pedras fundamentais da música brasileira: o beco das Garrafas.
 
Alaíde diz que cantava lá quando "ainda era uma suburbana que não conhecia nada". "Vi bossa ali antes daquilo ficar enorme." Ela já se mudara para São Paulo quando nomes como Elis Regina, Sergio Mendes e Baden Powell fizeram do beco um pólo de música sofisticada no país.
 
Copacabana
 
Ainda mora na capital paulista e faz apresentações eventuais por todo o país. "Eu nem sei por que eu faço. É uma coisa que vem, assim, espontânea. Vou lá e faço o que tem que fazer". Nas gravações, é raro fazer um segundo "take". Gosta que as músicas se resolvam de primeira. E foge de problemas. 
 
Como na vez que, por ser negra, foi instruída a usar a entrada de serviço do Copacabana Palace quando ia se apresentar lá, na década de 1960. Decidiu que acataria até um amigo intervir e obrigar o hotel a receber a estrela pela porta da frente. 
 
Os amigos ainda estão ao redor. A sala em que se reúnem admiradores da cantora, entre eles um antiquário carioca e um jornalista que começou sua biografia e desistiu do livro, mas não da proximidade, alguém brinca que devem começar a bolar a festa de 90 anos desde já. 
 
"Não desejem 90 para mim! Já estou bem com 80", diz Alaíde, com uma voz que gosta de ficar nua, mas não para chamar a atenção.

Fonte: Ilustrada / Chico Felitti.