O 3º Festival de Direitos Humanos está nas Ruas! - São Paulo São


Entre os dias 6 e 13 de dezembro, a Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo realiza, pelo terceiro ano consecutivo, o 'Festival de Direitos Humanos - Cidadania nas Ruas'.

Ações nas redes e em diversos pontos da cidade celebram o Dia Internacional dos Direitos Humanos (10/12) com mais de 40 atividades gratuitas de cinema, teatro, música, oficinas, exposições e debates, além de prêmios, lançamentos, prestação de serviços e intervenções urbanas, que promovem novas formas de ocupação do espaço público.

Nos oito dias de programação, a população que vive em São Paulo é convidada a dialogar sobre participação social, cidadania, educação, juventude, violência, imigração, memória e outros temas importantes para a promoção de uma cidade mais humana, democrática e diversa.

A abertura oficial do 3º Festival de Direitos Humanos – Cidadania nas Ruas acontece no dia 6 de dezembro, às 15h, no Minhocão, com uma inédita partida de futebol entre refugiados e pessoas em situação de rua, seguida pela discotecagem dos DJs DanDan (Criolo / Rinha dos MCs), Marco (Céu / Sintonia) e Nyack (Emicida), finalizando com a estreia do filme “Aconteceu Bem Aqui”, do diretor Camilo Tavares, que retrata, em cinco curtas, lugares da cidade de São Paulo simbólicos na luta pela preservação da democracia e dos direitos humanos.

No dia 7, segunda-feira, os destaques são o debate sobre Redução de Danos e Cidadania, na tenda do programa De Braços Abertos, na Luz, das 14h às 17h, e o espetáculo de teatro “Cidade Desterrada”, do grupo Pombas Urbanas, no Centro Cultural Arte Em Construção. A região da Luz ainda recebe na quarta-feira, dia 09, no Largo Coração de Jesus, a exibição do filme “O Invasor”, de Beto Brant, com presença do diretor, às 18h30.

A principal atração do Festival no dia seguinte, 10 de dezembro, Dia da Declaração Universal dos Direitos Humanos, é a entrega do 3º Prêmio Municipal de Educação em Direitos Humanos para escolas, alunos e professores da rede pública municipal e do Prêmio de Direitos Humanos D. Paulo Evaristo Arns, que este ano será concedido à deputada federal Luiza Erundina. O prêmio de Educação em Direitos Humanos seleciona projetos que incentivam e fortalecem iniciativas valiosas de afirmação da cultura de direitos humanos dentro das escolas municipais, enquanto o Prêmio Dom Paulo Evaristo Arns homenageia uma personalidade brasileira reconhecida pela promoção e defesa dos direitos humanos.

O dia 11 será marcado pelo Seminário: Segurança Pública e Direitos Humanos, a ser realizado na Sala dos Estudantes da Faculdade de Direito da USP. Será a primeira vez que a Prefeitura de São Paulo apresentará um diagnóstico da mortalidade da juventude na cidade, a partir de bases de dados municipais. Trata-se de uma ação intersecretarial que reuniu especialistas e representantes municipais para sistematizar as informações e confrontar os registros de violência e mortalidade na cidade. No seminário, a Prefeitura convida especialistas, gestores públicos e movimentos sociais para discutir propostas e políticas públicas de segurança alternativas de enfrentamento à violência contra a juventude.

À noite, acontece a pré-estreia do documentário “Entre-imagens (intervalo)”, às 20h, na Cinemateca Brasileira. Percorrendo obras e pegadas de Antonio Benetazzo, o filme resgata a trajetória e memória do artista e militante precocemente assassinado por agentes do regime militar, revisitando um passado ainda pouco esclarecido, marcado por mortes físicas, simbólicas e culturais. Após a exibição, haverá debate com os diretores André Fratti Costa e Reinaldo Cardenuto.

A inauguração do Marco da Sé, em respeito à população em situação de rua e relembrando a chacina ocorrida em 2004, é o destaque do dia 12. A arte gravada no monumento é de Deverson Max das Dores, jovem de 20 anos, que vive no Centro de Acolhida Lajeado. Na ocasião será também lançado o calendário “Minha São Paulo”, uma produção do CaféArt, que distribuiu cem câmeras fotográficas para que pessoas em situação de rua registrassem seu olhar sobre a cidade de São Paulo. Das mais de duas mil imagens captadas, treze foram eleitas para compor o calendário.

E no dia 13 de dezembro, domingo, o 3ª Festival de Direitos Humanos – Cidadania nas Ruas se encerra com um grande show na área externa do Auditório Ibirapuera. Artistas de diferentes gêneros e gerações da música brasileira, como Elza Soares, Criolo, Mano Brown, Ney Matogrosso, Pitty e Ava Rocha, se encontram para celebrar, junto com a população de São Paulo, a diversidade e a cultura dos direitos humanos.

Espaço Cidadania nas Ruas

Com patrocínio do BNDES, durante toda a semana do Festival, o Vale do Anhangabaú, no centro de São Paulo, será transformado em praça verde com plantas, sombras, redes, bancos, área de lazer e descanso. A ideia é criar um lugar acolhedor, que convide o público a experimentar o espaço de uma outra forma, exercendo seu direito à cidade.

O Espaço Cidadania nas Ruas contará também com uma arena que abrigará atividades do festival como apresentações artísticas, debates e exibição de filmes. Ali será possível saber mais sobre o evento e as demais ações e projetos da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo.

Todas as atividades são gratuitas.

A programação completa está aqui.

***
Fonte: Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania.



APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio





 
 
APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio