Mostra discute violência contra as mulheres - São Paulo São


Uma das funções sociais da arte é promover reflexões sobre a sociedade em que vivemos. E é o que faz a exposiçãoSilêncio(s) do Feminino, que foi aberta no último sábado (12) na Caixa Cultural São Paulo. Na semana em que se celebrou o Dia Internacional das Mulheres, a mostra evidencia muitas das vulnerabilidades socioculturais vividas há séculos por elas.

Com curadoria da artista plástica Sandra Tucci, a exposição coletiva que fica em cartaz até 1° de maio traz obras das artistas brasileiras Cris Bierrenbach, Lia Chaia, Beth Moyses, Rosana Paulino e Marcela Tiboni. Cada uma expressa, com linguagem diferente, as complexas questões que envolvem o universo feminino: gênero, identidade, abusos, violências e a necessária solidariedade entre as mulheres.

Mesmo que possam causar desconforto, as fotografias, vídeos e desenhos de Silêncio(s) do Femininomanifestam-se com poesia. “O olhar artístico feminino abriu portas e janelas para dar espaço a uma forma singularizada de ver o mundo, de estar nele, de poder manifestar-se nele, de explorar ‘o como’ é ser afetado por ele”, afirma Sandra Tucci. Segundo a curadora, as obras refletem “potência, significado e voz que criam um mapeamento pelo qual, metaforicamente, compreendemos um silêncio que emudece, que faz calar, que arrepia e grita”.

Com a série fotográfica Fired, Cris Bierrenbach questiona a identidade da mulher dentro da sociedade. Trata-se de autorretratos em que a artista aparece vestida com diferentes uniformes. De empregada doméstica, policial a comissária de bordo, além de discutir individualidade e padronização, Cris traz à tona a questão da “mulher bem sucedida na sociedade”. Nas ampliações, não é possível identificar o rosto da artista porque as imagens foram deformadas por tiros de arma de fogo e explosivos.

Outro destaque da exposição é Ex-purgo, da paulistana Beth Moyses, cuja investigação artística sempre esteve ligada à violência doméstica contra as mulheres. Na performance, a mão dela traz uma ferida em forma de colmeia, da qual em vez de sangue escorre mel. Trata-se de uma comparação entre as mulheres e um coletivo de abelhas, “uma sociedade em que todas trabalham juntas, cooperam entre si, dividem as atividades e são solidárias umas com as outras”.

Com Assentamentos – Adão e Eva no Paraíso Brasileiro, Rosana Paulino aborda a posição da mulher negra na nossa sociedade. Seus desenhos foram feitos a partir de retratos reais de pessoas de procedência africana para sugerir a criação da “civilização brasileira a partir de um casal de negros escravizados”.

Serviço
Silêncio(s) do Feminino
Quando: de 12 de março a 1º de maio.
De terça a domingo, das 9h às 19h.
Onde: Caixa Cultural São Paulo, na Galeria Humberto Betteto.
Praça da Sé, 111, Centro, São Paulo (SP).
Quanto: grátis.
Mais informações: (11) 3321-4400.
Acesso para pessoas com deficiência.

***
Por Redação RBA.
 
 


APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio





 
 
APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio