Premiado em Brasília, ‘Martírio‘ abre a Bienal de Cinema Indígena em SP - São Paulo São

A Aldeia SP - Bienal de Cinema Indígena começa na sexta-feira, 7 de outubro, no Centro Cultural São Paulo (CCSP), com 53 produções de realizadores indígenas brasileiros e três filmes convidados na sessão de abertura.

A partida será dada pelos Guarani Kaiowa do Mato Grosso do Sul, na primeira exibição na cidade do longa-metragem Martírio, dirigido pelo antropólogo, indigenista e documentarista franco-brasileiro Vincent Carelli, que acaba de receber o Prêmio Especial do Júri Oficial e o prêmio de melhor filme de longa-metragem do Júri Popular no Festival de Cinema de Brasília.

Martírio será exibido no dia 7, às 15h, na sala Lima Barreto do CCSP. A programação inaugural segue na sala Adoniran Barbosa, com apresentações do Coral Guarani (17h) e da cantora indígena Djuena Tikuna (17h30). Em seguida, uma roda de conversa unirá o diretor  Carelli, o ativista indígena, escritor e idealizador da bienal Ailton Krenak, o ex-ministro da Cultura Juca Ferreira, o cineasta Marco Altberg e o cientista social Felipe Milanez, da Universidade de Coimbra (18h30). Também participarão da roda 12 realizadores indígenas de diversas partes do Brasil, que estarão em São Paulo especialmente para o festival.

Às 20h, serão exibidos mais dois filmes convidados da Aldeia SP: o longa-metragem ficcional O Abraço da Serpente, de Ciro Guerra, e o média-metragem experimental Xapiri, de Bruce Albert, Gisela Motta, Laymert Garcia dos Santos, Leandro Lima e Stella Senra, inspirado no xamanismo Yanomami.

Todas as sessões da Aldeia SP serão gratuitas. Foto: Divulgação.Todas as sessões da Aldeia SP serão gratuitas. Foto: Divulgação.

"Para a abertura da Aldeia SP 2016, optamos por estabelecer um diálogo com filmes indigenistas, que abordam o universo ameríndio sob duas perspectivas: do transe-ficção, como nos casos de O Abraço da Serpente e Xapiri, e do documentário engajado, como no caso de Martírio", afirma o antropólogo cineasta e fotógrafo Pedro Portella, curador do festival ao lado do cineasta e produtor Rodrigo Arajeju.

"Exibir nas telas a produção cinematográfica dos povos indígenas será uma imensa oportunidade para os paulistanos acessarem a rica sabedoria indígena que pulsa nesses filmes", diz Alfredo Manevy, presidente da Spcine, escritório de desenvolvimento, financiamento e implementação de programas e políticas públicas para o setor audiovisual na cidade de São Paulo, que patrocina a Aldeia SP. "O olhar e discurso dos cineastas indígenas é fundamental para resolver os problemas ambientais, espirituais e sociais do Brasil e do planeta."

No dia 8 se inicia a mostra não-competitiva (já que a competição não é um traço apreciado pelos povos originários) no CCSP, complementada a partir do dia 10 por exibições em 11 Centros Educacionais Unificados (CEUs) da Prefeitura de São Paulo, os quatro primeiros deles integrados ao Circuito Spcine: Aricanduva, Butantã, Meninos, Vila Atlântica, Casa Blanca, Heliópolis, Inácio Monteiro, Paraisópolis, Parque Anhanguera, Parque Bristol e Pera Marmelo. A Bienal de Cinema Indígena prossegue até 12 de outubro.

A programação completa está disponível aqui

Todas as sessões da Aldeia SP serão gratuitas.

***
Pedro Alexandre Sanches / Assessoria de imprensa da Aldeia SP – Bienal de Cinema Indígena.
 


APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio





 
 
APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio