Encontro de Mulheres Negras na Dança mostra a diversidade da produção dessas artistas na cidade - São Paulo São

Visões estereotipadas e exclusão dos circuitos oficiais da cultura foram as "provocações" para a companhia Nave Gris criar o Encontro de Mulheres Negras na Dança, que tem sua segunda edição, em São Paulo, nesta semana.


A bailarina Verónica Santos. Foto: Mônica Cardim / Divulgação.A bailarina Verónica Santos. Foto: Mônica Cardim / Divulgação."O trabalho da artista negra é colocado em um lugar folclórico, com uma visão de corpo sexualizado que não passa disso. E ela só é procurada para se apresentar em determinadas datas, como o Dia da Consciência Negra", diz Kanzelu, criadora e coordenadora do evento.

Para o encontro, que será realizado no Centro de Referência da Dança, os organizadores tentaram reunir trabalhos que mostram a diversidade da produção dessas artistas na cena contemporânea.

"A dança negra atual usa elementos da cultura afro, de danças contemporâneas, populares e urbanas, como o funk e o passinho, e as experiências de vida dos artistas", diz a coordenadora do encontro, que também faz parte da Nave Gris Cia Cênica.

O encontro terá trabalhos experimentais, criações ligadas a questões de gênero e também as que agregam elementos das danças ancestrais da cultura afro-brasileira.

Ana Musidora apresentará a performance "Leite Derramado", inspirada no tratamento dado a mucamas e amas de leite no período colonial.
Kanzelu, a coordenadora do evento. Foto: Mônica Cardim / Divulgação.Kanzelu, a coordenadora do evento. Foto: Mônica Cardim / Divulgação.
Dois solos de jovens artistas são de temática feminista. "território Meu" (sim, t minúsculo e M maiúsculo), de Ciça Cecília, trata dos assédios cotidianos ao corpo da mulher negra. "Rés", de Verônica Santos, é baseado no trabalho da intérprete e de sua mãe realizado em prisões femininas de Minas Gerais.

Já as apresentações de Ouvindo Passos e Núcleo Coletivo 22, agregam elementos de danças ancestrais. "Preciso saber de onde venho para saber aonde vou", diz Kanzelu.

O encontro inclui uma exposição com fotos de Mônica Martins, workshops e a criação de um arquivo para mapear o trabalho de artistas negras em São Paulo.

"Precisamos criar essa memória. Com exceção do Balé Folclórico da Bahia, nenhum grande grupo com patrocínio tem bailarinas negras, nem o Balé da Cidade. Mais raro ainda é encontrar mulheres negras na função de coreógrafas ou diretoras", diz Kanzelu.

Segundo ela, que trabalha em uma tese de mestrado sobre a dança contemporânea negra em São Paulo, esse movimento começou no Brasil nos anos 1950, com bailarinos negros que foram estudar e trabalhar nos EUA e voltaram para criar as primeiras escolas e os primeiros grupos.

"A dança afro até despertou interesse, mas foi se alocar nas periferias", afirma.

O encontro também vai promover dois workshops. "Devolve à pélvis o que é da pélvis", uma pesquisa corporal para romper com os estereótipos do uso da pélvis e do quadril na dança negra, e "Dança Negra Contemporânea", que reelabora a herança ancestral em função do conhecimento corporal contemporâneo.

Serviço

“Res“ com Ciça Ceciia . Foto: Gal Oppido / Divulgação.“Res“ com Ciça Ceciia . Foto: Gal Oppido / Divulgação.2º  Encontro de Mulheres Negras na Dança 
Quando: seg., 3, às 19h, abertura da exposição e performance "Leite Derramado"; ter., 4, e qua., 5, workshops; qui., 6, sex., 7, e dom., 8, às 20h, espetáculos.
Onde: Centro de Referência da Dança, Pça. Ramos, s/n, tel. (11) 3214-3249.
Quanto: grátis.
Classificação livre.

***
Por Iara Biderman em colaboração para a Ilustrada da Folha de S.Paulo. 

 



APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio