Exposição 'Idílio' mostra os encantos e efeitos positivos de ações comunitárias e colaborativas - São Paulo São

O paraense Rogério Assis iniciou sua carreira em 1988 documentando etnias indígenas para o Museu Emilio Goeldi, em Belém. Foto: Rogério Assis.O paraense Rogério Assis iniciou sua carreira em 1988 documentando etnias indígenas para o Museu Emilio Goeldi, em Belém. Foto: Rogério Assis.

Procurando entender “essa participação das pessoas na vida comunitária”, Rogério Assis foi buscar junto aos ribeirinhos da Comunidade Boa Esperança, localizada na região de Curralinho, na Ilha do Marajó (PA), as 36 imagens que compõem a exposição “Idílio”, aberta ao público a partir do dia 15 de junho, no CCSP – Centro Cultural São Paulo, ao lado da estação Vergueiro do Metrô.

Foto: Rogério Assis.Foto: Rogério Assis.

Segundo Assis, mais do que uma exposição de fotos, “Idílio” propõe uma reflexão sobre a organização social dessa comunidade extrativista, sua relação com a natureza generosa e em constante perigo e de que forma podemos assimilar e aplicar os efeitos positivos das ações comunitárias e colaborativas.

“As vinte famílias da comunidade Boa Esperança representam um microcosmo da realidade das populações ribeirinhas da região amazônica e, mesmo sendo um dos seus grupos mais característicos ao lado dos indígenas, há poucos registros documentais fotográficos dos seus hábitos e cultura”, revela o fotógrafo.  

Foto: Rogério Assis.Foto: Rogério Assis.

Foto: Rogério Assis.Foto: Rogério Assis.

Com sua economia baseada no extrativismo, Boa Esperança sobrevive do açaí, da mandioca, do camarão e pescados, extraídos sob extremo cuidado ambiental, e mantém as tradições que caracterizam a cultura ribeirinha da região. Organizados com outras comunidades, reestruturaram as políticas produtivas e comerciais, respeitando as características individuais, como também estimularam a melhoria das condições de vida da população local, fato refletido na ausência de evasão escolar e analfabetismo entre os mais jovens e na obtenção de financiamento para reformas e melhorias nas residências. “Para se ter uma ideia da força da associação local, vale destacar que a comunidade não aceitou as condições do programa Minha Casa Minha Vida que oferecia um projeto padrão para os ribeirinhos”, acrescenta Assis.

Foto: Rogério Assis.Foto: Rogério Assis.

Para a antropóloga Georgia Quintas que assina, ao lado de Alexandre Belém, a edição, narrativas e expografia da mostra, “fotografias ajudam a compreender que a dimensão social pode ser vista em seus fluxos de subjetividade e representações. E nesse limiar, entre o dia e a noite profunda sob águas escuras, que a documentação fotográfica-antropológica de Rogério Assis congrega a sinergia entre a vida ribeirinha e a visão poética de se estar dentro dela”.

Foto: Rogério Assis.Foto: Rogério Assis.

Serviço

Exposição fotográfica IDÍLIO por Rogério Assis.
CCSP – Centro Cultural São Paulo - Piso Flávio de Carvalho.
Metrô Vergueiro – São Paulo – SP.
Data: abertura dia 15 de junho, às 15h / Visitação até 11 de agosto de 2019.
Horário: Terça a sexta-feira, das 10h às 20h / Sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h.
Entrada Franca.

***
Com informações NAMÍDIA Comunicação.



APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio





 
 
APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio