Festival Varilux 2019: novidades do cinema francês chegam a todas as regiões do país - São Paulo São

Para celebrar seus 10 anos de existência no Brasil, o Festival Varilux promete, mais uma vez, trazer as novidades da atual safra de produções francesas, com a marca de um milhão de espectadores em todo o País, segundo a produção.

Em 2010, o Varilux foi apresentado em nove cidades para um público de 22 mil espectadores. Na última edição, em 2018, esteve em 88 cidades e levou 180 mil pessoas aos cinemas.

Único desse perfil com abrangência nacional, o Varilux chega neste 2019 a todas as regiões do país – somente Acre, Amapá, Rondônia e Roraima não foram incluídos.

A popularidade é justificada pela curadora do evento, Emmanuelle Boudier. Ela conta que o festival tem se tornado popular por trazer uma diversidade de filmes e roteiros, mas que permeiam o cotidiano das pessoas. "O festival busca democratizar o cinema francês, não só para quem fala a língua ou aprecia a cultura, mas também quem deseja outros tipos de filmes, outras temáticas. O público brasileiro tem sede por algo diferente do que domina as salas de cinema normalmente".

Juliette Binoche em cena do filme “Quem Você Pensa que Sou” de Safy Nebbou. Foto: Divulgação.Juliette Binoche em cena do filme “Quem Você Pensa que Sou” de Safy Nebbou. Foto: Divulgação.

A mostra principal do evento conta com 17 títulos franceses. François Ozon, hoje um dos mais celebrados cineastas franceses, terá seu mais recente longa no festival, Graças a Deus, vencedor do Urso de Prata no Festival de Berlim. Juliette Binoche e Nicole Garcia dividem a cena no thriller psicológico Quem você pensa que sou, de Safy Nebbou. Um dos jovens atores mais incensados da produção francesa, Louis Garrel está no elenco de dois filmes – A revolução em Paris, de Pierre Schoeller e Um homem fiel, que Garrel também dirige.

Louis Garrel na comédia dramática "Um homem fiel" dirigida por ele. Foto: Divulgação.Louis Garrel na comédia dramática "Um homem fiel" dirigida por ele. Foto: Divulgação.

Assim como em todos os anos, uma delegação de atores e diretores franceses chega ao país para promover os filmes – em São Paulo e no Rio, apenas. Um dos nove convidados é o cineasta Pierre Scholler, que dirigiu A revolução em Paris, filme que acompanha a Revolução Francesa (1789). Além de Garrel, a produção, que custou 17 milhões de euros, traz no elenco Gaspard Ulliel, Laurent Lafitte e Adèle Haenel. “É um grande espetáculo com um elenco incrível de jovens atores que mistura personagens históricos com pessoas comuns”, continua Emmanuelle, lembrando-se dos 230 anos da Revolução Francesa.

Cena do filme "A Revolução em Paris" Filme de Pierre Schoeller em cartaz no Festival Varilux. Foto: Divulgação.Cena do filme "A Revolução em Paris" Filme de Pierre Schoeller em cartaz no Festival Varilux. Foto: Divulgação.

Já Graças a Deus, que traz ao Brasil o ator Swann Arlaud, é baseado na história que levou à condenação do cardeal francês Philippe Barbarin. No início deste ano, Barbarin, arcebispo de Lyon, foi condenado a seis meses de prisão por não denunciar agressões sexuais contra menores cometidas por um padre de sua diocese. No drama, três homens, que na infância sofreram abusos de um padre, se unem para tentar levar o caso à Justiça, já que o religioso ainda prega junto a crianças.

No ano que a queda da Bastilha completa 230 anos, o fato histórico é relembrado na exibição de são relembrado em A Revolução Francesa, de Pierre Schoeller. Ao todo, serão 17 filmes, com exceção do Rio de Janeiro, que terá a mais, a exibição de O Chamado do Lobo ao ar livre na Capitania dos Portos.

Clássico

Festival Varilux de Cinema Francês traz o premiado “Cyrano de Bergerac”, com Gérard Depardieu. Foto: Divulgação.Festival Varilux de Cinema Francês traz o premiado “Cyrano de Bergerac”, com Gérard Depardieu. Foto: Divulgação.O Varilux sempre celebra um longa-metragem clássico. Comemorando 30 anos, Cyrano, com Gérard Depardieu no papel-título, será exibido em cópia restaurada. A escolha pelo longa dirigido por Jean-Paul Rappeneau não foi exclusivamente pela efeméride. Um dos longas inéditos do festival é Cyrano mon amour, em que o diretor e roteirista Alexis Michalik acompanha a história do dramaturgo Edmond Rostand(1868-1918). Em tom de comédia farsesca, o filme mostra como Edmond escreveu um dos mais encenados textos do teatro francês.

Confira aqui a lista completa de longas-metragens em exibição e acesse o site do Festival Varilux de Cinema Francês 2019 para informações sobre a programação.

***
Fonte: Festival Varilux de Cinema Francês.