'Edmond Fortier - Viagem a Timbuktu' ganha livro e a maior exposição dedicada ao fotógrafo - São Paulo São


O fotógrafo francês Edmond Fortier (1862-1928) viveu a maior parte da vida em Dakar, no Senegal. Ele produziu cerca de 4000 imagens da África do Oeste no início do século XX. Uma seleção dessas fotografias estará em cartaz no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo, entre 25 de novembro de 2015 e 24 de janeiro de 2016, na maior exposição dedicada ao fotógrafo já realizada, 'Edmond Fortier - Viagem a Timbuktu'. Na noite de abertura da mostra haverá o lançamento do livro homônimo (Editora Literart), da historiadora Daniela Moreau, cuja pesquisa deu origem à exposição.

A obra fotográfica de Edmond Fortier, de qualidade excepcional, ainda é pouco conhecida na Europa e na África. Uma historiadora brasileira, especializada no estudo da África (Daniela é consultora do programa “Sem Fronteiras” da Globonews, para o qual deu diversas entrevistas) realizou um trabalho pioneiro: reuniu toda a obra de Fortier, que agora pode ser conhecida pelo público.

'Viagem a Timbuktu' concentra-se em um recorte notável da produção de Fortier, reunindo 200 fotografias da viagem de mais de cinco mil quilômetros que ele realizou pelo interior do continente africano no ano de 1906, em uma época em que a imposição dos regimes coloniais na África ainda era relativamente recente. O ponto culminante do trajeto foi a cidade histórica de Timbuktu, porta do Saara (na região Norte do atual Mali), à época considerada misteriosa e impenetrável pelos europeus. “Ele foi um dos primeiros profissionais a fotografar a cidade, após a ocupação francesa em 1894. Djenné, nas margens do rio Bani, a cidade mais antiga de toda a África subsaariana, também foi objeto de seus registros. As imagens conhecidas desse itinerário são testemunho único da época", salienta Daniela.

Edmond Fortier começou a trabalhar como fotógrafo no Senegal no fim do século XIX, fazendo retratos da elite africana e dos colonos europeus. Era o tempo das cartes-de-visite, uma moda que marcou época, inclusive no Brasil. Fazer retratos para cartes-de-visite era o ganha-pão de milhares de fotógrafos ao redor do mundo.

No início do século XX, a febre do momento mudou e passou a ser os cartões-postais. Milhões de cartões-postais com fotografias de todos os lugares do globo eram impressos a cada ano. Circulavam como correspondência e eram colecionados em álbuns pelas famílias.

Foi esse novo filão no mercado das fotografias – os chamados cartões-postais ilustrados – o que permitiu o sustento de Edmond Fortier por quase três décadas. Ele publicava todos os anos novas séries de cartões-postais e vendia-os aos turistas (já que na época todos os navios que ligavam a Europa à América do Sul faziam escala em Dakar) e aos colonos europeus em sua pequena loja junto ao porto da cidade. Apesar do seu sucesso comercial, as fotografias de Edmond Fortier acabaram por ficar esquecidas já que os negativos nunca foram encontrados.

Hoje, mais de 100 anos após terem sido registradas, essas imagens da África do Oeste constituem um verdadeiro patrimônio cultural a ser resgatado e conhecido. Os cartões-postais retratam o cotidiano da vida de pessoas comuns, as paisagens e festas populares. Fortier documentou o que logo em seguida desapareceria para sempre, como as ruínas da antiga mesquita de Djenné, e o que estava em seus momentos iniciais, como os modernos aspectos urbanos de Bamako e de Conakry, capitais do Mali e da Guiné. Suas fotografias tiveram um importante papel na construção do imaginário sobre o “outro” africano.

Ele produziu, entre outros gêneros, inúmeros retratos de moças africanas com os seios nus, o que representava o exótico e agradava os fregueses europeus. As transformações intensas e violentas marcados pela penetração e pela presença cada vez maior do colonizador europeu na África do Oeste também foram captadas pelas lentes de Edmond Fortier.

"Fortier não era militar, missionário ou exportador, ocupações de grande parte dos europeus presentes no Senegal no início do século XX. Ele era um estrangeiro que optou por viver na África como fotógrafo. E os cartões postais criados e vendidos por ele eram seu trabalho. Viajante infatigável percorreu, entre 1900 e 1912, uma grande extensão do Oeste africano, visitando 100 localidade de sete países hoje conhecidos como Senegal, Guiné Conakry, Mauritânia, Mali, Costa do Marfim, Benim e Nigéria", revela Daniela Moreau, autora do livro.

***

Informações extras 

O livro conta com o prefácio do historiador baiano Paulo Fernando de Moraes Farias, que será homenageado em simpósio na Inglaterra 

Como Santo de casa não faz milagre, um dos mais importantes historiadores brasileiros, Paulo Fernando de Moraes Farias, será homenageado por ocasião dos seus 80 anos não aqui, no Brasil, mas em um Simpósio na Universidade de Birmingham, na Inglaterra. Os maiores nomes entre os africanistas de todo o mundo estarão presentes, como o malinês Mamadou Diawara, o norte-americano Paul Lovejoy e o francês François-Xavier Fauvelle. A obra fundamental de Paulo Farias, Arabic Medieval Inscriptions from the Republic of Mali, publicada pela Oxford University Press para a British Academy, ainda não foi traduzida para o português. O livro Edmond Fortier - Viagem a Timbuktufoi prefaciado por Paulo, e Daniela apresentará um artigo sobre Fortier no simpósio em sua homenagem.

Fortier na British Library

Está atualmente em cartaz em Londres, na British Library, a mostra 'West Africa: Word, Symbol, Song'. A curadora, Marion Wallace, incluiu na exposição diversas fotografias de Edmond Fortier, que foram cedidas por Daniela Moreau.

Sobre Daniela Moreau

Daniela Moreau é historiadora (USP) e mestre em Ciência Política (UNICAMP). Desde 1995 tem feito viagens de pesquisa no continente africano, principalmente na região do Sahel. Vive e trabalha em São Paulo, onde fundou e coordenou por dez anos a Casa das Áfricas. Atualmente, dirige o Acervo África, programa que disponibiliza para pesquisa uma coleção de mais de 1.500 peças da cultura material africana.

Serviço

Livro - 'Edmond Fortier - Viagem a Timbuktu'.
Autora: Daniela Moreau.
Editora: Literart.
À venda em todas as grandes livrarias do Brasil.
Lançamento: 25 de novembro, às 20h (convidados).
Onde: Instituto Tomie Ohtake.

Exposição 'Edmond Fortier - Viagem a Timbuktu'.
Aberta ao público: de 26 de novembro a  24 de janeiro de 2016.
De terça a domingo, das 11h às 20h.
Onde: Instituto Tomie Ohtake.
Rua Coropés, 88, São Paulo, SP.

***

Eliana Castro / Vicente Negrão Assessoria.

 



APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio





 
 
APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio