Dai à Paulista, o que é da Paulista

Mas acontece que nem todas as cidades brasileiras são acariciadas pelo “vai e vem” das ondas e pela quase doce salinidade do mar. Enquanto no meu Nordeste é tudo sobre praia e sol – até mesmo o sertão quer virar mar –, lá no Norte, com licença poética para generalizações, sente-se a brisa úmida das florestas; no Centro-Oeste, as árvores e os arbustos espaçados reservam o bafo quente do cerrado; e no sul, o clima temperado se impõe, na maior parte do ano, com ares geladinhos ou geladões.

Passageira aguarda trem na Estação Paulista, na Linha 4 (Amarela) do Metrô, na região central de São Paulo.  Foto: Hélvio Romero / Estadão Conteúdo.

Já em São Paulo, nosso ar litorâneo/florestal fica por conta dos metrôs. Ficamos lá, paradinhos na estação, esperando a grande minhoca de metal nos agraciar com 30 segundos de prazer sensorial – que é gostoso para caramba, sério. Tem que viver na (in)sanidade paulistana para saber valorizar esse momento. Aliás, tem muita coisa que só quem mora em SP consegue entender e uma delas é: a alegria de ver a Paulista lotada DE GENTE num domingo.

As ruas se fecham e carros são proibidos de entrar, assim como a pressa. Aqui, todo mundo tem que ir devargazinho. Foto: Folhapress.

Esqueça aquela avenida tomada por buzinas estrondosas e passos apressados que vemos durante a semana. Ali, ninguém é alguém; é apenas um estado de espírito que não se pertence, querendo chegar a algum lugar que, provavelmente, nem queira chegar. A semana é sobre isso, as avenidas são sobre isso, e São Paulo é sobre isso. Mas não na Paulista, pelo menos no domingo.

Dançarinos de salsa na Avenida Paulista. Foto: Zanone Fraissat / Folhapress

As ruas se fecham e carros são proibidos de entrar, assim como a pressa. Aqui, todo mundo tem que ir devargazinho. Por quê?

Porque têm crianças na rua, aprendendo a andar de bicicleta ou apenas jogadas ao chão, divertindo-se por serem as “donas do asfalto”, como disse uma menininha que passou gritando.

Porque tem gente pulando corda, jogando queimado, peteca, bola ou, simplesmente, conversando sentadas no chão.

Porque tem música boa tocando, bandas desconhecidas procurando ouvidos famintos por melodias de verdade.

Porque tem muito amor na Paulista Aberta. E quando ele aparece, a gente precisa ir devargazinho mesmo para não perder nenhum instante.

***
Por Adler Berbert no We Love.

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
No data was found

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias

Cadastre-se e receba nossa newsletter com notícias sobre o mundo das cidades e as cidades do mundo.

O São Paulo São é uma plataforma multimídia dedicada a promover a conexão dos moradores de São Paulo com a cidade, e estimular o envolvimento e a ação dos cidadãos com as questões urbanas que impactam o dia a dia de todos.