Divulgado o ranking anual das cidades mais congestionadas do Brasil e do mundo

Pelos resultados do TomTom Traffic Index 2016 (7ª edição), o carioca passa em média 47% mais tempo parado no trânsito, a qualquer hora do dia, e até 81% a mais nos períodos de pico no final do dia, se comparado a uma situação de trânsito livre. São até 164 horas a mais de viagem por ano devido ao problema. 

Pelo ranking, as próximas cidades brasileiras campeãs de congestionamento são, na ordem: Salvador (40%), Recife (37%), Fortaleza (35%) e São Paulo (30%).

Ranking global

O relatório avaliou a situação de congestionamento em 390 cidades de 48 países em 6 continentes – de Roma ao Rio de Janeiro, de Cingapura a São Francisco. Foram utilizados 14 trilhões de pontos de dados, acumulados durante nove anos. 

Embora o Rio de Janeiro esteja em 8º lugar no ranking global desse ano, a cidade caiu quatro posições em relação ao ano de 2015, e foi destaque na categoria transporte público, com a estruturação da cidade para receber a Olimpíada. 

Para Salvador e Recife, duas cidades que estão, respectivamente, em 28º e 43º lugar no ranking mundial, as notícias são positivas, pois houve uma leve diminuição de tráfego congestionado nesses locais. 

Congestionamento no mundo está maior 

Uma avaliação dos dados do relatório nos últimos anos mostra ainda que o congestionamento de trânsito no mundo aumentou aproximadamente 13% desde 2008. 

Interessante notar que há diferenças significativas entre os continentes. Enquanto os congestionamentos na América do Norte aumentaram em 17%, na Europa eles aumentaram apenas 2%. 

Para os técnicos da empresa o fato pode estar relacionado ao crescimento econômico na América do Norte e à depressão econômica no restante da Europa. Os dados europeus podem ser fortemente influenciados pelos países do sul da Europa como Itália (-7%) e Espanha (-13%), onde ocorreram reduções marcantes nos congestionamentos de trânsito nos últimos oito anos.

Segundo Ralf-Peter Schaefer, vice-presidente da TomTom Traffic, o objetivo do relatório é auxiliar motoristas, cidades e planejadores do transporte urbano a entenderem as tendências dos congestionamentos. E para reduzir o tempo desperdiçado todos os dias no trânsito, defende Schaefer, “é importante que cada um faça a sua parte”. 

E explicou como: “Mesmo se apenas 5% de nós alterássemos os nossos planos de viagem, o tempo de deslocamento nas nossas principais autoestradas seria reduzido em até 30%. Coletivamente, podemos trabalhar juntos para vencer os congestionamentos de trânsito”.

A classificação de cada cidade deste relatório (2016) pode ser consultada a seguir ou no site da TomTom.  

 

Classificação geral das cidades mais congestionadas no Brasil em 2016
– nível diário geral de congestionamento– tempo adicional de percurso):

1. Rio de Janeiro – 47%  
2. Salvador – 40%
3. Recife – 37%
4. Fortaleza – 35%
5. São Paulo – 30%
6. Belo Horizonte – 27%
7. Porto Alegre – 25%  
8. Brasília – 20%
9. Curitiba – 20% 

A capital mexicana é a mais congestionada do mundo, segundo levantamento da TomTom. Foto: Divulgação.

Classificação das cidades mais congestionadas Globalmente em 2016
– nível diário geral de congestionamento– tempo adicional de percurso – população acima de 800 mil habitantes):

1. Cidade do México, México – 66%  
2. Bangkok, Tailândia – 61%  
3. Jacarta, Indonésia – 58%  
4. Chongqing, China – 52%
5. Bucareste, Romênia – 50%  
6. Istambul, Turquia – 49%
7. Chengdu, China – 47%  
8. Rio de Janeiro, Brasil – 47%  
9. Tainan, Taiwan – 46%
10. Pequim, China – 46%

 

***

Fonte: Mobilize.

 

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
No data was found

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias

Cadastre-se e receba nossa newsletter com notícias sobre o mundo das cidades e as cidades do mundo.

O São Paulo São é uma plataforma multimídia dedicada a promover a conexão dos moradores de São Paulo com a cidade, e estimular o envolvimento e a ação dos cidadãos com as questões urbanas que impactam o dia a dia de todos.