Empresas de mobilidade urbana começam a operar com bicicletas elétricas em São Paulo

“É um teste para entender como as bicicletas elétricas vão se comportar na cidade de São Paulo”, disse Tomas Martins, presidente-executivo da Tembici.

Segundo Martins, os testes podem antecipar um novo modal da empresa na cidade. Ele explicou que os modelos elétricos podem fazer em média 3 vezes mais viagens do que uma bicicleta normal. O projeto está sendo desenvolvido com o banco Itaú.

As bicicletas elétricas da Yellow não precisam ser retiradas ou devolvidas numa estação, mas em qualquer lugar em que o estacionamento de bicicletas é permitido. Os modelos da Tembici poderão ser encontradas em 12 estações espalhadas pela cidade.

O faturamento da Tembici oriundo diretamente dos usuários triplicou do primeiro para o segundo trimestre de 2018, mas a empresa não divulgou os valores.

No fim de 2018, a Tembici anunciou investimento de 100 milhões de dólares para elevar a presença na América Latina. A startup tem 8 mil bicicletas divididas entre Buenos Aires e Santiago, e outras 8 mil no Brasil. São mais de 1 milhão de viagens por mês, em média, e a empresa pretende aumentar esse número com as bicicletas elétricas.

Yellow e as bicicletas elétricas 

O preço das viagens das bicicletas elétricas é de R$ 5 iniciais e mais R$ 0,40 para cada minuto de uso; o sistema de operação será sem estações, assim como as bicicletas normais da empresa.

As bicicletas elétricas funcionam da mesma forma que as comuns: o sistema usado é o chamado dockless, em que não é necessário estacionar as bicicletas em estações.

O preço das viagens das bicicletas elétricas é de R$ 5 iniciais e mais R$ 0,40 para cada minuto de uso. Os usuários podem usá-las das 8h da manhã até 21h, somente na área em que a Yellow opera patinetes atualmente – região restrita a bairros como Pinheiros e Itaim Bibi. 

Segundo a Yellow, a operação para recarga funcionará durante a noite: de manhã a startup disponibilizará bicicletas elétricas em determinados pontos e, no final da noite, as bikes serão recolhidas na área de atuação da Yellow para manutenção. 

Pedaladas

O custo para usar o serviço será de R$ 5 para o desbloqueio mais R$ 0,40 por minuto de uso. Foto: Divulgação.

A Yellow afirma que as bicicletas elétricas são simples de usar: basta pedalar para sentir o pedal mais leve e a velocidade aumentando com mais facilidade. A velocidade máxima das bicicletas é de 25 km/h e o uso do capacete é obrigatório. 

Desde que começou a atuar em São Paulo, em agosto do ano passado, a Yellow teve mais de 1 milhão de corridas realizadas com 5 milhões de quilômetros percorridos. A empresa já expandiu sua atuação para Belo Horizonte, Brasília, Campinas, Curitiba, Florianópolis, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, São José dos Campos, Verão em Ilhabela e Vitória. O plano agora é atuar também em cinco países da América Latina: Argentina, Chile, Colômbia, México e Uruguai.

No total, a Yellow já levantou US$ 75 milhões em investimentos desde que foi fundada, em janeiro do ano passado. A empresa tem como fundadores dois criadores da 99 – Ariel Lambrecht e Renato Freitas – e o ex-presidente da Caloi Eduardo Musa.

***
Fontes: Reuters e Link do Estadão.

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
No data was found

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias

Cadastre-se e receba nossa newsletter com notícias sobre o mundo das cidades e as cidades do mundo.

O São Paulo São é uma plataforma multimídia dedicada a promover a conexão dos moradores de São Paulo com a cidade, e estimular o envolvimento e a ação dos cidadãos com as questões urbanas que impactam o dia a dia de todos.