Estações-tubo de Curitiba serão substituídas por novos modelos em futuras linhas de ônibus da cidade

As famosas estações-tubo de Curitiba, ícones do desenvolvimento urbano da capital paranaense nos anos 1990, serão substituídas por um modelo mais novo. A meta da Prefeitura e do Ippuc – Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba é substituir doze destas estruturas ao longo da linha Inter 2 de ônibus.

A substituição dos equipamentos não tem data definida para acontecer; segundo o Ippuc, a prefeitura buscará um “financiamento de R$ 507 milhões junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para revitalizar toda a linha do Inter 2 e melhorar a mobilidade da cidade”.

Imagem: reprodução / Ippcu.

As estações-tubo já fazem parte do imaginário da população de Curitiba e são imediatamente associadas à eficiência dos sistemas de transporte – aspecto exaustivamente frisado pelas administrações municipais nas últimas duas décadas. Sobre a mudança das estações, Olga Prestes, da Coordenação de Mobilidade da Supervisão de Planejamento do Ippuc, comenta: “Não pretendemos substituir as estações em outras linhas. O que pretendemos é, ao fazer linhas novas, implantar as novas estações. Mas simplesmente substituir não faz parte do plano.”

Nestas imagens, Assad mostra como ficaria a nova versão da estação-tubo requalificada aplicada à paisagem real de Curitiba. Neste caso, na Travessa Nestor de Castro, no centro da cidade. Imagem: Arquivo/Abrão Assad.

O desenho das estações foi desenvolvido pelo arquiteto Abrão Assad, que defende a autonomia da Prefeitura em propor novos modelos para a cidade. Mas também alerta: “Como o Jaime Lerner costuma dizer: não se rasga uma fotografia de família. E ao se desfazer das estações-tubo, um símbolo da cidade, ele terá que prestar contas à sociedade e à história”, sentencia. “As estações fazem parte da paisagem da cidade e esse novo conceito vai criar uma ruptura na linguagem.

Imagem: reprodução / Ippcu.

Segundo o Ippuc, os novos modelos serão totalmente fechados, climatizados e energicamente autônomos por meio de placas fotovoltaicas.

***
Fonte: Haus.

 

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
No data was found

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias

Cadastre-se e receba nossa newsletter com notícias sobre o mundo das cidades e as cidades do mundo.

O São Paulo São é uma plataforma multimídia dedicada a promover a conexão dos moradores de São Paulo com a cidade, e estimular o envolvimento e a ação dos cidadãos com as questões urbanas que impactam o dia a dia de todos.