Avenida mais famosa de Madri vai reduzir espaço dos carros para privilegiar árvores e bicicletas - São Paulo São

A prefeita de Madri, Manuela Carmena, apresentou nesta quinta-feira um projeto para a remodelação da Gran Vía, uma das artérias mais emblemáticas da capital. A avenida vai ganhar, dentre outras medidas, faixas exclusivas para bicicletas. Também serão reduzidas as faixas destinadas aos veículos particulares e ampliadas as calçadas. Além disso, a via será fechada ao tráfego de não-moradores. Os grandes beneficiários dessas medidas serão os pedestres e os ciclistas.

O projeto para remodelar a Gran Vía apresentado pela Prefeitura. Imagem: Reprodução.O projeto para remodelar a Gran Vía apresentado pela Prefeitura. Imagem: Reprodução.

O plano tem como objetivo “a redução e reorganização das faixas para criar um sistema de mobilidade no qual a bicicleta se integre com o resto do tráfego”, como explicou a Prefeitura da capital em um comunicado. Num trecho, os ciclistas contarão, na direção da subida, com uma ciclovia separada do resto dos veículos, tendo em vista a inclinação da rua. Esse trecho, portanto, terá cinco pistas.

Em parte da Avenida serão mantidas apenas quatro faixas. Duas delas serão para o transporte público e outras duas serão "ciclofaixas 30", nas quais o veículo particular (que não pode ir mais de 30 quilômetros por hora) compartilha o espaço com a bicicleta. Para incentivar os usuários de bicicletas a utilizar o veículo nessa área, será fundamental a pacificação do tráfego, uma das principais exigências da maioria das associações de ciclistas. É exatamente isso o que se pretende com o fechamento da artéria para os não moradores. As obras terão uma duração prevista de oito meses; no outono de 2018 já será possível desfrutar da nova Gran Vía. Além disso, serão remodeladas as seis praças do entorno da avenida.

Projeto para a Gran Vía a partir da rua de Alcalá. Imagem: Reprodução.Projeto para a Gran Vía a partir da rua de Alcalá. Imagem: Reprodução.Os coletivos ciclistas de Madrid avaliam “muito positivamente” o que foi proposto em geral para a Gran Vía, mas levantam alguns problemas: “As bicicletas devem poder conviver com os veículos; não queremos que a bicicleta fique encurralada, ela tem de circular na pista”.

***
Por Miguel Ángel Medina no El País.



-->