Grande São Paulo terá campanha contra abuso sexual em todos os meios de transporte

A campanha e as peças publicitárias estão sendo desenvolvidas em parceria entre as gestoras e operadoras de transportes coletivos e o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo.

A inspiração veio a partir da campanha “Você não está Sozinha”, realizada pelo Metrô de São Paulo, após os casos que ocorreram em estações e trens crescerem e chamarem atenção.

Em seminário sobre tendências da mobilidade, realizado pela UITP  – União Internacional de Transporte Pública para a América Latina, que teve cobertura do Diário do Transporte, a chefe do departamento de relacionamento do Metrô de São Paulo, Cecília Guedes, afirmou que campanhas em diferentes meios de transportes integrados tendem a surtir mais efeito.

“Os meios de transportes são integrados. Normalmente, o mesmo passageiro e o mesmo agressor que usa o metrô também vai estar na CPTM e nos ônibus. Assim, é necessária uma abordagem geral nos transportes. Também a campanha deve atingir aqueles que não usam o metrô e não tiveram acesso às mensagens anteriores. Os detalhes estão sendo finalizados. Estamos muito otimistas em relação aos resultados.”

A gestora afirmou que a campanha no Metrô pode ser considerada bem sucedida porque estimulou as pessoas a denunciarem mais, principalmente por meio do SMS, pelo qual o passageiro pode mandar uma denúncia à central da companhia usando o celular.

Em 2011, foram 12 casos de abuso sexual relatados pelo SMS. Em 2012, o número caiu para 8 e em 2013, foram registradas dez notificações. No ano de 2014, foram 61 casos relatados. O número de mensagens subiu para 165 em 2015, ano da campanha, e para 195, em 2016.

“Esses números não significam necessariamente que os casos aumentaram. Havia uma subnotificação. Entendemos que é muito importante denunciar e estimulamos isso.”

Cecília contou que a campanha “Você não está Sozinha” foi criada com ajuda de ONGs – Organizações Não Governamentais e Defensoria Pública e foi uma resposta à rejeição a proposta do Vagão Rosa, que determinava um carro do metrô apenas para mulheres.

“O Metrô de São Paulo sempre foi contra o Vagão Rosa. Separar homens e mulheres nos trens não vai resolver o problema. A solução passa por segurança, conscientização e educação” – disse Cecília.

A diretora do departamento de relacionamento com o cliente do Metrô ainda afirmou que a “Campanha Você não está Sozinha”, além de estimular a denúncia, ofereceu um treinamento especial para os funcionários da operação e segurança sobre como atender melhor a vítima.

Preservar a vítima evitando exposição pública; ouvir o relato com atenção, interesse e respeito; demonstrar receptividade, disponibilidade preocupação em ajudar; não duvidar do relato da vítima, nem julgar aparência, roupas ou comportamento; e orientar sobre a importância do registro da ocorrência, foram algumas das noções passadas pelos especialistas aos funcionários do Metrô.

Uma pesquisa realizada pelo próprio Metrô com usuários, revela que 83% dos entrevistados lembravam de alguma mensagem passada pela campanha; 92% se sentiram estimulados a denunciar mais e 82% acham que mais pessoas podem também aderir formalizando denúncias.

***
Adamo Bazani no Diário do Transporte.

 

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
No data was found

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias

Cadastre-se e receba nossa newsletter com notícias sobre o mundo das cidades e as cidades do mundo.

O São Paulo São é uma plataforma multimídia dedicada a promover a conexão dos moradores de São Paulo com a cidade, e estimular o envolvimento e a ação dos cidadãos com as questões urbanas que impactam o dia a dia de todos.