Justiça libera obras de revitalização no Largo do Arouche

O antigo Campo do Arouche virou Largo em 1913, devido a história, beleza e importância para o comércio, a gastronomia e a vida no centro da cidade. A região foi tombada pelo Patrimônio Histórico, mas se degradou pelo tempo e pela falta de cuidado.

Para tornar realidade projetos de reforma que se arrastavam há anos, a Prefeitura fez parceria com a Fundação Viva o Centro, que administra a obra, e com a Câmara de Comércio França Brasil, que arrecadou patrocínio de R$ 2,3 milhões dos R$ 3 milhões necessários para a totalidade da obra.

A última reforma no local foi em 2013, com restauração do calçamento, pintura e novo gramado. Imagem: Divulgação.

As obras de revitalização começaram em maio. O projeto previa a pavimentação e o nivelamento do piso e também a instalação de novos bancos, bebedouros e papeleiras, além de mais postes de iluminação, quiosques e até uma horta.

Mas a mudança radical na região preocupou o Ministério Público, que conseguiu paralisar a obra alegando que haveria uma descaracterização do local. Em julho, a Justiça mandou paralisar a obra.

Agora, porém, uma nova decisão liberou a reforma porque alguns pontos do projeto foram alterados e não há mais riscos de descaracterização ou danos ambientais e urbanísticos.

A proposta segue o modelo “traffic calming”, semelhante ao que já existe na Rua Avanhandava e na Praça do Patriarca. Imagem: Divulgação.

Saíram da proposta os quiosques, a construção de arquibancadas e lajes de concreto sobre canteiros e equipamentos desportivos, assim como a horta. Foram mantidos as guias de granito e os postes de iluminação da década de 1920.

A reforma do mercado de flores e a troca de piso em cinco das sete quadras do largo do Arouche ficaram para um momento futuro.

Segundo o promotor de Justiça Ivandil Dantas da Silva, as alterações feitas no projeto pela Prefeitura atendem ao pedido do MP.

“Essas alterações atendem ao pedido inicial do MP, que é a manutenção inicial da arquitetura, preservação do verde, permeabilidade, algumas mudanças que ocorrerão não afetarão o patrimônio do local, que é tão importante para São Paulo”, disse o promotor.

***
Fonte: G1, SP. Edição: São Paulo São.

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
No data was found

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias

Cadastre-se e receba nossa newsletter com notícias sobre o mundo das cidades e as cidades do mundo.

O São Paulo São é uma plataforma multimídia dedicada a promover a conexão dos moradores de São Paulo com a cidade, e estimular o envolvimento e a ação dos cidadãos com as questões urbanas que impactam o dia a dia de todos.