Livro de Edu Simões retrata jovens das periferias do país e torna visíveis os ‘invisíveis’

O alvo da manifestação eram os dados assustadores do Mapa da Violência, levantamento divulgado pelo governo federal, que mostravam que 59 jovens negros eram assassinados todos os dias no Brasil. Não, esses jovens brasileiros não são invisíveis.

Edu Simões apresenta os jovens negros altivos, resistentes, com identidades e subjetividades. Foto: Edu Simões / Divlgação..

É o que o fotógrafo Edu Simões decidiu mostrar, viajando pelo país para retratar jovens das periferias de diversas cidades, como Belém, Brasília, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo, dando corpo a esta cruel estatística. Busca, com isso, dar visibilidade a essa intolerável realidade brasileira, herança de uma política de apagamento social, como sublinha a pesquisadora, escritora e ativista Juliana Borges, importante voz no debate contemporâneo e que apresenta em “59” um iluminador texto sobre o contexto histórico da violência contra negros no país.

O trabalho envolveu empatia e respeito com a história de cada personagem. Foto: Edu Simões / Divulgação.

Cristianne Rodrigues, experiente curadora de fotografia, brasileira radicada em Paris, onde realizou diversas exposições como curadora da Maison Européenne de la Photographie (MEP), entre outras instituições francesas, apresenta um surpreendente panorama da representação da população negra na iconografia ao longo de quase duzentos anos, analisando como a contribuição de Edu Simões apresenta esses jovens negros de outra forma: altivos, resistentes, com identidades e subjetividades.

“Gravados no centro da imagem, em pé, de corpo inteiro, silenciosos, são eles que nos olham nos olhos”, destaca Cristianne. Edu Simões é um fotógrafo com mais de quarenta anos de carreira, celebrado nos campos do fotojornalismo e da fotografia de arte, tendo sido reconhecido por prêmios como Vladimir Herzog de Direitos Humanos e Marc Ferrez. Além dos 59 retratos, Edu apresenta um pequeno texto em que reflete sobre os perigos da dinâmica do fotojornalismo que insiste em associar imagens de jovens negros com o crime e com a morte, criando uma naturalização desses assassinatos em massa.

O livro terá 59 capas diferentes, com cada um dos retratados. Imagem: Divulgação.

“Para fugir dessa armadilha, optei por singularizar cada um dos jovens retratados, destacando-os como pessoas providas de identidade, potência e vida. Não são números, mas pessoas. A proposta deste livro é tornar visíveis os invisíveis, e ainda mais, assegurar que a importância de todos os jovens negros brasileiros, de cada um deles, seja reconhecida. Que suas vidas sejam preservadas e legitimadas.”, diz o fotógrafo.

O fotógrafo

Edu Simões é fotógrafo desde 1976, trabalhou na agência F4, Isto é, Bravo e República, onde exerceu a função de editor de fotografia. Ganhou os prêmios Vladmir Herzog de direitos humanos e Marc Ferrez. Tem fotografias na coleção da Maison Européenne de la Photographie, Cosejo Mexicano de Fotografia, Masp, Mis/SP, Pinacoteca/SP, MAM/SP,MON/PR. Publicou os livros Amazônia (2012), Inferno Verde (2015) e Marmites (2018).

Ficha técnica Imagem: Divulgação.

59 – Retratos da Juventude Negra Brasileira.
Fotos de Edu Simões.
Textos de Juliana Borges e Cristianne Rodrigues. 
Formato: 17 x 24 cm. 
Número de páginas: 152 Impressão colorida. 
59 capas diferentes.
Preço: R$ 98,00.

A editora

www.bazardotempo.com.br
facebook/bazardotempo
instagram/bazardotempo

***
Da Redação com informações da Bazar do Tempo.

 

Tags

Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
No data was found

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias

Cadastre-se e receba nossa newsletter com notícias sobre o mundo das cidades e as cidades do mundo.

O São Paulo São é uma plataforma multimídia dedicada a promover a conexão dos moradores de São Paulo com a cidade, e estimular o envolvimento e a ação dos cidadãos com as questões urbanas que impactam o dia a dia de todos.