Negócios - São Paulo São

São Paulo São Negócios

Design Weekend 2019 ganha uma centena de novas atrações comparada à edição de 2018. Foto: Divulgação.Design Weekend 2019 ganha uma centena de novas atrações comparada à edição de 2018. Foto: Divulgação.

A semana promete. De 18 a 25 de agosto, São Paulo recebe a maior semana de design da América Latina. O Design Weekend — apelidado de DW — se espalha pela capital paulista com mais de 300 eventos em 140 locais diferentes. A edição marca a estreia de uma tríade de novas curadoras: as jornalistas e especialistas em design Lúcia Gurovitz, Winnie Bastian e Mari Wenzel.

A ocupação residencial da Paulista tem, em sua representação, o famoso Belvedere Trianon, local onde a elite paulistana costumava realizar seus eventos. Foto: São Paulo Antiga.A ocupação residencial da Paulista tem, em sua representação, o famoso Belvedere Trianon, local onde a elite paulistana costumava realizar seus eventos. Foto: São Paulo Antiga.

Desde o início do século, o Mirante 9 de Julho faz parte da história de São Paulo. Mas por 76 anos permaneceu invisível, esperando para ser redescoberto e integrar novamente a cidade e seu movimento. Hoje, o mirante existe como uma janela para mirar São Paulo e também um reflexo da cidade para si. E a partir de agora, o espaço passa a ter nova gestão, baseada no feminino e suas facetas: um espaço multicultural, plural, democrático e livre, de todas e todos.

Gerido pelas sócias Dulce Santos, Roberta Youssef, Priscila Nonaka e Lívia Calixto desde o mês de agosto, com a mudança o espaço também passa a contar com o olhar de outras mulheres, como a artista gráfica Mari Duarte, a artista visual Di Monique, a jornalista Flora Miguel e a produtora Julieta Regazzoni, que integrarão sua imersão cultural. Completa a nova equipe Denis Nunes, cuidando da conservação patrimonial de maneira orgânica e com foco na reutilização de materiais para a construção de um mirante sustentável.

O MIRA já está operando em fase de testes, e a partir do dia 21 de agosto, quarta-feira, apresenta oficialmente sua nova cara em evento aberto ao público. Foto: I Hate Flash.O MIRA já está operando em fase de testes, e a partir do dia 21 de agosto, quarta-feira, apresenta oficialmente sua nova cara em evento aberto ao público. Foto: I Hate Flash.

Com capacidade para abraçar eventos de música, arte, cinema, gastronomia, moda, sustentabilidade e saúde, entre outras possibilidades, e atividades como feiras, oficinas, bate papos e festas, a nova proposta do MIRA é que se unam no espaço, cultura, diversidade, troca e pertencimento. “A gente quer fazer junto, abrir as portas de verdade fomentando o olhar pro coletivo. É, também, um momento de retomada de consciência: de parar de buscar a sobrevivência e testar o prazer”, comenta Dulce Santos, responsável pela coordenação do local.

A nova proposta do MIRA é que se unam no espaço, cultura, diversidade, troca e pertencimento. Foto: Divulgação.A nova proposta do MIRA é que se unam no espaço, cultura, diversidade, troca e pertencimento. Foto: Divulgação.

Um dos destaques da nova fase é o restaurante do MIRA que passa a oferecer uma comida urbana do mundo - os clássicos Picadinho, Pad Thai e Philly Cheese Steak  - utilizando ingredientes comprados de pequenos produtores, assentamentos e agroflorestas. O cardápio, enxuto, garante qualidade e produção artesanal, o que inclui o tradicional arroz com feijão brasileiro. O restaurante também funcionará como berço de formação de pessoas e desenvolvimento de profissionais do mercado da gastronomia. O bar do MIRA será permanente e a carta de drinks estará disponível todos os dias. O Café Suplicy, parceiro do MIRA, se mantém no espaço.

Reabertura

Um dos destaques da nova fase é o restaurante do MIRA que passa a oferecer uma comida urbana do mundo. Foto: Divulgação.Um dos destaques da nova fase é o restaurante do MIRA que passa a oferecer uma comida urbana do mundo. Foto: Divulgação.

O MIRA já está operando em fase de testes, e a partir do dia 21 de agosto, quarta-feira, apresenta oficialmente sua nova cara em evento aberto ao público. A partir das 17h, música toma a casa, contando com discotecagens do grupo Feminine Hi-Fi, coletivo de sound system e difusão da linguagem do reggae como expressão contra a opressão social vinda das questões de gênero, e do Pindorama Discos, misto de loja de discos com produtora de eventos. Também haverá a abertura da exposição “Mira, prazer”, composta por 13 mulheres artistas visuais que irão produzir trabalhos exclusivamente para o espaço. Entre elas, Eva Uviedo, Mag Magrela, Hanna Lucatelli, Dolorez, V Nuvem, Crica e Moara Brasil. DJs e artistas darão o tom que o novo MIRA tem: intuitivo, diverso e livre.

Durante o evento, até às 22h, o restaurante apresentará seu cardápio completo de almoço e jantar.

Serviço

Nova fase, gerida por mulheres, quer se apoiar na cultura, democracia, troca e diversidade. Imagem: reprodução.Nova fase, gerida por mulheres, quer se apoiar na cultura, democracia, troca e diversidade. Imagem: reprodução.

MIRA mostra sua cara
Quando: 21 de agosto de 2019.
Horário: Das 17h às 22h.
Onde: Mirante 9 de Julho - Rua Carlos Comenale, s/n – atrás do MASP.
 
Line up: Feminine Hi-Fi e Pindorama Discos.
Abertura da exposição “Mira, prazer”: Eva Uviedo, Mag Magrela, Hanna Lucatelli, Dolorez, V Nuvem, Crica, Moara Brasil, Di Monique, Marina Machado, Mari Duarte, Aline TSC e Caluz.
 
Abertura oficial MIRA Comida Urbana.
Quanto: Grátis.


***
Com informações do MIRA.

 

O foco será na temática das humanidades com livros de autores brasileiros e estrangeiros, escolhidos a dedo. Foto: Instagram..O foco será na temática das humanidades com livros de autores brasileiros e estrangeiros, escolhidos a dedo. Foto: Instagram..

A publicitária Daniela Amendola e a jornalista Roberta Paixão abrem a Livraria Mandarina, no próximo domingo, 18, na Rua Ferreira de Araújo, 373 em Pinheiros.

A materialização do projeto é fruto da amizade entre as duas e nasce com o propósito de ser um terreno fértil de ideias e, ao mesmo tempo, um espaço acolhedor.

Daniela e Roberta, as fundadoras. Foto: Divulgação.Daniela e Roberta, as fundadoras. Foto: Divulgação.Em um charmoso sobrado no baixo Pinheiros, elas vão vender livros da área de humanidades, como filosofia, política, ciências sociais, psicologia e literatura estrangeira e brasileira, dando espaço generoso para os independentes de todo o país.

"Queremos apresentar as editoras independentes, democratizar a escrita e promover a leitura e o debate sobre autores de outros estados", ressalta Daniela.

“Existe literatura no Brasil todo, inclusive premiada, mas que, muitas vezes, não chega ao público. Queremos ser um lugar democrático para escritores e editoras, sem nos prender se são grandes ou não”, diz Roberta.João Amendola. Acervo Quintal Amendola.João Amendola. Acervo Quintal Amendola. 

A Mandarina também terá cursos na mesma linha, sendo o primeiro do português Gonçalo M. Tavares, no dia 31/8. Os cursos são herdeiros do Quintal Amendola, espaço de encontros e debates das primas Daniela e Tatiana Amendola, inaugurado há cinco anos. 

“A livraria faz parte da tradição dos Amendolas e é a realização de um sonho: resgatar o trabalho do meu avô”, diz Daniela, que é neta de João Amendola, primeiro livreiro de Campinas.

A inauguração começa às 11h e segue até às 18h no domingo.  Às 16h, o premiado escritor Milton Hatoum participará de um bate-papo sobre a importância das livrarias para o país.

“A vida de um bairro não deve limitar-se a bares, restaurantes, padarias, lojas, bancos... Escolas, bibliotecas, praças arborizadas e livrarias civilizam o espaço urbano. A Livraria Mandarina será muito bem-vinda nesse canto de Pinheiros. Agradeço o convite das amigas Daniela Amendola Pinheiro e Roberta Paixão para dar uma palavrinha sobre a importância da leitura na inauguração da Mandarina, diz o escritor”.

A Mandarina

"A escolha do nome Mandarina deve-se ao fato de ser uma fruta milenar, tendo o primeiro registro no ano 1000 a.C., na China. Espalhou-se pelo mundo por meio da comercialização entre portugueses e chineses, uma ligação do oriente ao ocidente. O processo de maturação da mandarina leva tempo nos galhos das árvores, assim como o acúmulo de saber leva anos para se consolidar. Quando está madura, a casca da mandarina muda do verde ao laranja. Como elas, nós, leitores, também nos transformamos com a leitura de livros - muitos livros. Outra característica da mandarina são os gomos, que se assemelham às páginas: a medida em que comemos (e lemos) sentimos um sabor ora doce ora ácido," dizem as sócias.

A Mandarina planeja oferecer ainda, cursos, eventos, palestras, clubes de leitura, grupos de estudos, além de café de pequenos produtores brasileiros e vinhos selecionados. O primeiro curso do escritor e professor português Gonçalo M. Tavares acontece no dia 31 de agosto, às 10h. Para garantir uma vaga é só mandar um e-mail para [email protected]

Milton Hatoum participará de um bate-papo sobre a importância das livrarias para o país. Foto: Divulgação.Milton Hatoum participará de um bate-papo sobre a importância das livrarias para o país. Foto: Divulgação.

Nota: Segundo levantamento da Associação Nacional de Livrarias, existem na metrópole 300 estabelecimentos do gênero, e alguns deles, comprovam que o empenho de seus idealizadores e a paixão dos leitores ainda fazem do livro um bom negócio.

Raros prazeres, no entanto, para os amantes da boa leitura, são comparáveis ao de entrar em uma livraria, folhear algumas publicações e sair de lá com as novas aquisições debaixo do braço. Com propostas diferenciadas e atendimento personalizado, há aquelas que fidelizam clientes e viram um local de encontro, com programações que ultrapassam o comércio e promovem reflexões, sendo terreno fértil de "leituras frutíferas", como diz o slogan da nova livraria. 

Serviço

Abertura da Livraria Mandarina
Dia: 18 de agosto, domingo.
Horário: 11h. 16h: Milton Hatoum.
Rua Ferreira de Araújo, 373, Pinheiros.

***
Da Redação.

Unidade será pequena e com curadoria atenta, diz dono da rede. Imagem: Divulgação.Unidade será pequena e com curadoria atenta, diz dono da rede. Imagem: Divulgação.

A Travessa, dona das livrarias mais charmosas e bem-sucedidas do Rio, inaugura dia 9 sua primeira loja de rua de São Paulo. Ela fica no número 513 da Rua dos Pinheiros, em uma pequena casa de 200 m² que foi totalmente reformada para abrigar a nova livraria do bairro. Esta é a segunda loja de Rui Campos na cidade – a outra, ainda menor, fica no Instituto Moreira Salles, na Avenida Paulista.

“Sempre tivemos o desejo de fazer uma Travessa em São Paulo, e também muitos pedidos, e ficávamos pensando onde ela poderia estar. Se a Travessa tem uma estratégia é a de interpretar o lugar onde ela vai atuar, tentar falar a língua do pessoal que está por ali”, conta Campos que começou a frequentar o bairro depois que a Travessa assumiu a livraria oficial da Festa Literária Internacional de Paraty – é ali que fica a sede da Casa Azul, organizadora da Flip.

A livraria tem 200 m² e foi dividida em dois andares. Foto: Divulgação.A livraria tem 200 m² e foi dividida em dois andares. Foto: Divulgação.Rui gostou da vizinhança e tratou de procurar um imóvel grande para instalar sua livraria, e então percebeu que nada por ali era espaçoso. “Começamos a pensar nisso entre maio e junho do ano passado, muito antes de essa crise da Saraiva e Cultura e do modelo de megaloja mostrar problema. Foi quando decidimos que não tínhamos que fazer ali uma loja grande e que teríamos que agir de acordo com a linguagem de Pinheiros – de lojas com uma curadoria muito especial”, diz.

A ideia de Rui é investir em atendimento de qualidade e acervo especial, moderno, com uma seleção muito mais rigorosa do que a feita nas demais lojas. Só para se ter uma ideia, a de Pinheiros deve abrigar, em seus 200 m², algo como 18 mil livros. A Livraria da Travessa de Ipanema, uma das mais tradicionais da rede, tem 80 mil volumes e um espaço cinco vezes maior que a filial paulistana. O projeto arquitetônico daqui, como das demais lojas da rede, é de Bel Lobo. 

A seleção inclui todos os gêneros, com destaque para temas atuais, como política e feminismo, e também para obras de autores portugueses – numa espécie de contrapartida informal pela operação em Lisboa, onde ela desembarcou em maio para ocupar 300 m² da Casa Pau Brasil, num casarão tombado do bairro cult de Príncipe Real.

Chegou a hora de outras 12 grandes artistas mulheres entrarem na “Casa de Música – Escuta as Minas do Spotify”. 

A partir desta segunda-feira, (5), o Spotify abre as inscrições para uma nova leva de artistas em começo de carreira (mulheres, claro) ter a chance de gravar seus singles em uma casa feita por mulheres e para mulheres, equipada com estúdio e estrutura de primeira, além de uma equipe técnica experiente e formada por alguns dos maiores nomes do mercado musical brasileiro.

 

Inicialmente, dez carros estão disponíveis para a operação, mas a ideia é disponibilizar 300 veículos até o fim de 2020. Foto: Divulgação.Inicialmente, dez carros estão disponíveis para a operação, mas a ideia é disponibilizar 300 veículos até o fim de 2020. Foto: Divulgação.

Carros elétricos estão longe da realidade da grande maioria dos brasileiros, mas quem mora na capital paulista ou está de passagem pela cidade poderá saber como é a experiência de dirigir um veículo do tipo.

APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio