Unibes Cultural inaugura biblioteca acessível para deficientes visuais, com tecnologia inovadora - São Paulo São

Uma ação pioneira da Unibes Cultural – centro cultural que atua como hub da cultura, do empreendedorismo criativo e das causas sociais na cidade de São Paulo – permitirá que todo deficiente visual tenha acesso a qualquer obra impressa do acervo deste espaço, num total aproximado de 600 títulos.

Vale lembrar que o país tem, segundo dados do IBGE, cerca de 6,5 milhões de deficientes visuais que imediatamente ganham esta enorme possibilidade de inclusão e acesso independente a um mundo até então absolutamente restrito e sob tutela de instituições ou editoras, dispostas a verter obras em braile ou em áudio. 

Para este novo espaço, a equipe da Unibes, em parceria com a Secretaria Municipal de Cultura, vai ainda agregar cerca de três centenas dos livros dos mais relevantes da literatura mundial, cuja imensa maioria nunca ganhou versões acessíveis. Em torno de 100 destes títulos já estarão disponíveis desde a abertura, no dia 1º de março, quando São Paulo ganha uma biblioteca totalmente acessível, equipada com a OrCam MyEye, inovação tecnológica vestível mais avançada do mundo, com a presença do seu criador, o presidente e CEO mundial da OrCam, Ziv Aviram.

Ziv Aviram, CEO e co-fundador da OrCam. Foto Nir Elias / Reuters.Ziv Aviram, CEO e co-fundador da OrCam. Foto Nir Elias / Reuters.Ziv Aviram, CEO e co-fundador da OrCam. Foto Nir Elias / Reuters.

O novíssimo S faz uso de uma tecnologia pioneira de poder de visão artificial em uma plataforma portátil, o OrCam MyEye. Esta nova tecnologia que chega ao país foi lançada em Israel e permitirá que deficientes visuais “leiam” qualquer obra do acervo da Unibes Cultural, que foi ampliado com a inclusão destas obras tidas como referenciais da civilização.

Como funciona

O OrCam MyEye é um dispositivo vestível intuitivo montado na armação de um óculos e com uma câmera projetada. O equipamento fotografa, escaneia e transforma textos e números em áudio com um simples apontar de dedo. O usuário consegue “ler” em qualquer plataforma: livros, revistas, jornais, placas de sinalização, cardápios, telas de smartphones e computadores de maneira totalmente offline e, sem a necessidade de nenhum outro suporte ou ajuda externa, o texto capturado pelo aparelho é lido imediatamente.  Após o reconhecimento, o dispositivo retransmite a informação discretamente no ouvido do usuário por meio de um fone de ouvido pessoal.

“Nossa missão é auxiliar pessoas com deficiência visual para que possam estudar, trabalhar e viver suas vidas com independência", ressalta Ziv Aviram, cofundador e CEO da empresa OrCam. O Espaço de Leitura Bibliotech contará ainda com a presença de um profissional para auxiliar no uso do equipamento.O reconhecimento de textos ocorre em qualquer plataforma que tenha números e letras. Imagem: OrCam MyEye / Divulgação.O reconhecimento de textos ocorre em qualquer plataforma que tenha números e letras. Imagem: OrCam MyEye / Divulgação.

O reconhecimento de textos ocorre em qualquer plataforma que tenha números e letras. Imagem: OrCam MyEye / Divulgação.

Criada pelo empreendedor israelense Ziv Aviram e pelo professor da Universidade de Jerusalém, Amnon Shashua, a tecnologia trabalha a partir dos algoritmos da inteligência artificial. Em 1999, eles idealizaram um carro autônomo, um “carro do bem” que não causasse acidentes e criaram a startup Mobileye. Hoje, 90% dos principais fabricantes de automóveis do mundo confiam na tecnologia da Mobileye para tornar seus veículos mais seguros para dirigir. 

Em 2010, essa tecnologia foi ampliada e aplicada para humanos por meio do OrCam MyEye. Trata-se de uma ferramenta de inclusão que aproveita o poder da visão artificial e da tecnologia vestível para trazer bem-estar às pessoas com deficiência visual, auxiliando nas tarefas diárias.

Serviço
Foto: Andre Hoff.Foto: Andre Hoff.Espaço de Leitura Bibliotech
Unibes Cultural.
Rua Oscar Feire, 2500 – ao lado do Metrô Sumaré.
Informações: 11 3065-4333 e http://unibescultural.org.br/
Funcionamento: De segunda a sábado, das 10h às 19h.
Acesso para deficientes.
Sugerimos o uso de transporte público.

Foto: Andre Hoff.

***
Da Redação com informações da Vicente Negrão Assessoria.