'Diáspora Black', a plataforma de turismo que valoriza história e cultura negras - São Paulo São

Um dia no Quilombo da Fazenda, uma das mais tradicionais comunidades quilombolas do litoral norte de São Paulo. Foto: Cristiano Braga.Um dia no Quilombo da Fazenda, uma das mais tradicionais comunidades quilombolas do litoral norte de São Paulo. Foto: Cristiano Braga.

No dicionário Aurélio, diáspora é apresentada como um substantivo feminino que significa “dispersão de povos devido a perseguição”. A plataforma Diáspora Black, criada pelo engenheiro Carlos Humberto Filho, surgiu de uma experiência negativa e da necessidade de contemplar o respeito e a dignidade da população negra. A proposta é conectar turistas interessados na cultura negra e hóspedes e anfitriões preocupados em não reproduzir estereóticos racistas e preconceituosos.

Durante palestra sobre empreendedorismo social, na Campus Party na semana passada, o engenheiro contou que sofreu um episódio de racismo quando colocou seu imóvel para aluguel de temporada em sites de compartilhamento. 

“Eu senti que eu não posso pactuar com um produto, com um serviço, que me discrimina. Eu preciso ser atendido com a mesma qualidade e eficiência. À medida que eu pago por um produto que, de alguma maneira, não está enxergando ou está pactuando com uma conjuntura que me discrimina, eu não posso me sentir ali representado”, destacou.

Carlos Humberto, Antonio Luz e André Ribeiros, da Diáspora Black, na Estação Hack. Foto: Divulgação.Carlos Humberto, Antonio Luz e André Ribeiros, da Diáspora Black, na Estação Hack. Foto: Divulgação.

Segundo ele, a Diáspora Black nasceu dessa experiência. “Não é uma necessidade minha, mas é uma necessidade de milhões de brasileiros, somos quase 110 milhões de brasileiros, que não têm no campo do turismo serviço e produtos de representatividade”, acrescentou.

O uso da plataforma Diáspora Black é simples: a pessoa se cadastra e pode procurar tanto por hospedagens em mais de 100 cidades ou oferecer sua casa para acomodar turistas. O negócio oferece ainda pacotes turísticos com foco na história e cultura dos negros.

Carlos ressalta que o visitante pode se surpreender com outro foco turístico, diferente do que as agências tradicionais disponibilizam. Ele cita como exemplo o bairro da Liberdade, na capital paulista, que é reduto da comunidade japonesa, mas tem nos registros uma história marcante da cultura negra.

Carlos ressalta que o visitante pode se surpreender com outro foco turístico, diferente do que as agências tradicionais disponibilizam. Foto: Divulgação.Carlos ressalta que o visitante pode se surpreender com outro foco turístico, diferente do que as agências tradicionais disponibilizam. Foto: Divulgação.

“A possibilidade de você viver a cultura tradicional oriental e a possibilidade de você entender a cultura tradicional negra em um mesmo lugar. Para o turismo, para um estrangeiro, ou ainda para quem mora nessa cidade, isso alimenta tanto o conhecimento, como a autoestima”, disse.

“Destaco roteiros como comunidades quilombolas, são comunidades hoje que estão muito fragilizadas e que encontram nessa visitação um elemento econômico, um elemento para compartilharem suas experiências e o quanto isso é transformador para a vida das pessoas que visitam esses espaços”, acrescentou sobre alternativas de roteiros turísticos que proporcionam novas experiências aos visitantes e valorizam a comunidade local.

Disponível em quatro idiomas — português, espanhol, francês e inglês —, com 4 mil pessoas cadastradas, entre hóspedes e anfitriões, e presente em 15 países, a Diáspora.Black tem um foco preciso: “Valorizar as identidades negras e experiências turísticas afrocentradas”. Quem é negro sabe que o simples ato de ir e vir costuma ser mediado por preconceitos social e racial. “Queremos romper essa barreira da territorialidade”, diz Ribeiro um dos sócios. 

Estátua de Mercedes Batista, a primeira bailarina negra no Theatro Municipal, faz parte do roteiro Cais do Valongo, um dos novos pontos que atraem turistas no Rio de Janeiro. Foto: Ana Branco / Agência O Globo.Estátua de Mercedes Batista, a primeira bailarina negra no Theatro Municipal, faz parte do roteiro Cais do Valongo, um dos novos pontos que atraem turistas no Rio de Janeiro. Foto: Ana Branco / Agência O Globo.

Mesmo com foco para o turismo relacionado à cultura negra, Carlos Humberto reforça que o cadastro na plataforma é aberto para todos e revela que 20% dos cadastrados são não negros. A plataforma pode ser acessada pela internet

Sobre a Diaspora Black

Imagem: Reprodução.Imagem: Reprodução.A Diaspora Black é um marketplace de hospedagens e experiências que aproxima viajantes e anfitriões com um propósito comum: construir vínculos de pertencimento e construindo uma comunidade global que busca viver experiências centradas no fortalecimento da cultura negra. Ela intermedia a oferta de acomodações compartilhadas em diversas cidades, entendendo o valor da casa como espaço de acolhida e bem-estar. Hoje fazem parte da plataforma 15 países, 70 cidades e 2 mil integrantes.

***
Da Redação com informações da Agência Brasil.



APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio





 
 
APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio