Mappin vai voltar como loja online; na fase inicial plataforma vai vender 15 mil itens - São Paulo São

Mappin Stores, prédio da famosa loja que ficava na Praça do Patriarca na década de 1920. Foto: Pinterest.Mappin Stores, prédio da famosa loja que ficava na Praça do Patriarca na década de 1920. Foto: Pinterest.Uma das lojas de departamento mais icônicas de São Paulo — e do Brasil, de certa forma — está prestes a “ressuscitar”: o Blue Group, controlador da rede Marabraz, revelou que o Mappin vai voltar na próxima segunda-feira (10) como comércio eletrônico. Mas por que esse retorno chama tanta atenção?

Um pouco da história do Mappin

Quem nasceu por volta dos anos 2000 ou depois, no máximo, só ouviu falar do Mappin: a empresa faliu em 1999. Se ainda estivesse na ativa, a rede teria completado 100 anos de existência em 2013.

Sob o nome Mappin Stores e com foco nas classes sociais mais abastadas, a primeira loja foi inaugurada em 1913, na região central de São Paulo (SP). Naquela época, a cidade tinha cerca de 300 mil habitantes, portanto, dá para dizer que a empresa cresceu junto com o desenvolvimento da capital paulista.

Mappin da Praça Ramos de Azevedo no início da década de 70. Foto: SP in Foco.Mappin da Praça Ramos de Azevedo no início da década de 70. Foto: SP in Foco.

A expansão dos negócios fez o Mappin mudar a sua loja para um ponto estratégico em 1939: a Praça Ramos de Azevedo, bem ao lado do Theatro Municipal de São Paulo — até hoje, um dos cartões-postais da cidade, a despeito da degradação da região.

No decorrer da sua história, o Mappin foi precursor de várias inovações para o comércio. A empresa foi um das primeiras a adotar a modalidade de crediário, por exemplo. Isso na década de 1950, época em que a loja já estava orientada a vendas de itens populares.

Os anos seguintes foram de bastante crescimento, com destaque para as décadas de 1980 e 1990. A rede era tão popular que chegou a ser considerada um dos símbolos de São Paulo. Não por acaso, em 1995, o Mappin já tinha 12 lojas, todas próprias.

Só que, naquela época, a saúde financeira do Mappin já não era das melhores. Um dos vários problemas que empresa tinha era o de ter que lidar com milhares de fornecedores, dada a variedade de itens que as suas lojas vendiam.

Imagem: reprodução.Imagem: reprodução.

Em 1996, o Mappin foi vendido para o empresário Ricardo Mansur. A partir daí, a companhia rolou ladeira abaixo. A situação do Mappin não era confortável, mas também não era crítica. Porém, com a administração Mansur, a companhia mergulhou em um mar de dívidas.

Uma série de operações financeiras arriscadas e enganosas levou o Mappin à falência em 1999. Ricardo Mansur chegou a ser condenado por gestão fraudulenta, mas segue solto até hoje.

Depois do encerramento das operações, nenhuma outra rede conseguiu ter a sua identidade tão bem associada a São Paulo quanto o Mappin.

O retorno do Mappin pelas mãos da Marabraz

Há anos que circulam rumores sobre o retorno do Mappin como loja online. Mas parece que agora vai: a Marabraz adquiriu a marca Mappin em 2009 e, como já dito, pretende iniciar as operações de comércio eletrônico na próxima semana. Cerca de R$ 4 milhões foram investidos para a criação da plataforma.

A loja Mappin da Praça Ramos de Azevedo em 1993. Foto: Divulgação.A loja Mappin da Praça Ramos de Azevedo em 1993. Foto: Divulgação.

Na fase inicial, cerca de 15 mil itens estarão à venda, todos ligados aos segmentos de cama, mesa e banho, utilidades domésticas, decoração e móveis. Com relação a esta última categoria, está nos planos oferecer uma linha exclusiva de móveis com o selo Mappin.

Também há planos de permitir que o site do Mappin funcione como um marketplace a partir do próximo semestre, o que deve fazer a loja mostrar mais de 500 mil itens em suas páginas.

Por ora, o site do Mappin exibe apenas um aviso de que a loja voltará em breve, além de uma página com um breve histórico da empresa.

Leia também: 

***
Com informações: G1Folha de S.PauloSP in Foco e Tecnoblog.