'Replica' plataforma do laboratório de urbanismo da Alphabet, agora é empresa independente - São Paulo São

Mapeamento feito com a ferramenta da Replica em Kansas City, nos Estados Unidos. Foto: Reprodução.Mapeamento feito com a ferramenta da Replica em Kansas City, nos Estados Unidos. Foto: Reprodução.

Como, quando e por que nos deslocamos pela cidade? Qual a região mais carente de ciclofaixas ou faixas de ônibus? Qual o melhor horário para interromper o trânsito de uma via? Essas são questões frequentes no dia-a-dia de quem vive em grandes cidades - e que a “Replica” tenta ajudar a responder. A plataforma fez parte do portfólio de produtos do Sidewalk Labs, laboratório de urbanismo da Alphabet (holding dona do Google) e nesta quarta-feira (12) se tornou uma empresa independente. A saída contou com um financiamento série A de US$ 11 milhões, feito pela Innovation Endeavors em parceria com Firebrand Ventures e Revolution's Rise of the Rest Seed Fun.

Com o objetivo de “melhorar a vida na cidade para todos”, a Replica usa uma ferramenta digital que identifica padrões coletivos do uso de vias, praças e outros espaços. Até agora sua tecnologia já foi usada em quatro cidades americanas: Kansas City, Chicago, Sacramento e Portland — além de ter servido ao desenvolvimento do plano de urbanização de uma área de Toronto, no Canadá, que em parceria com o Google quer abrigar sua primeira smart city.

No bairro projetado pelo Sidewalk Labs em Toronto, Canadá, ciclovias aquecidas derretem o gelo para estimular o uso de bicicletas. Imagem: Heatherwick Studio.No bairro projetado pelo Sidewalk Labs em Toronto, Canadá, ciclovias aquecidas derretem o gelo para estimular o uso de bicicletas. Imagem: Heatherwick Studio.

Com independência e financiamento, a Replica espera aumentar o rol de clientes — uma missão mais difícil do que parece. Para realizar suas análises a Replica combina pesquisas públicas com os chamados "dados de localização não identificados", ou seja, informações sobre localização de indivíduos que vêm de uma variedade de fontes, como aplicativos para celular. A prática não agrada a todos e faz parte do público questionar a isenção da empresa, a origem dos dados e as garantias de anonimato.

A companhia, por sua vez, afirma que deleta todas as informações que podem gerar identificação dos indivíduos e garante que seu interesse é no movimento coletivo pela cidade e não no deslocamento de uma pessoa especificamente. Neste sentido, para alguns analistas, o afastamento da empresa de uma gigante da tecnologia como o Google, pode até trazer benefícios para a sua imagem.

Quanto mais detalhes os planejadores urbanos têm sobre o que está acontecendo nas ruas, mais perguntas que eles podem responder. Foto: Jim Maurer / Flickr.Quanto mais detalhes os planejadores urbanos têm sobre o que está acontecendo nas ruas, mais perguntas que eles podem responder. Foto: Jim Maurer / Flickr.

De qualquer forma, a Replica não é o primeiro produto a sair do Sidewalk Labs. O  “Coord”, plataforma especializada em coletar dados na calçada, e o Cityblock, que busca ajudar pessoas de baixa renda a acessar cuidados de saúde nos EUA, também começam a trilhar seus próprios caminhos. Além disso, a Sidewalk Labs já investiu em várias startups independentes, entre elas a Umbrella, um mercado comunitário para pessoas idosas e a Ori, que cria móveis robóticos para pequenos espaços urbanos.

***
Fonte: Época Negócios.



APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio





 
 
APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio