No Reino Unido, ao pagar salários para seus motoristas, Uber pode desencadear uma revolução na economia 'gig' - São Paulo São

A Uber disse que não espera que a mudança nas condições do motorista se traduza em tarifas mais altas para seus clientes. Foto: FT.A Uber disse que não espera que a mudança nas condições do motorista se traduza em tarifas mais altas para seus clientes. Foto: FT.

Três são os benefícios dos empregos tradicionais que não são usufruídos por aqueles que trabalham na chamada 'gig economy' (de empregos temporários). No entanto, isso parece ter começado a mudar. Na última terça-feira, a Uber anunciou que irá conceder esses três benefícios aos seus motoristas no Reino Unido, um movimento que poderá transformar a atual economia colaborativa.

A empresa de transporte de passageiros informou que os seus motoristas ganharão pelo menos o salário mínimo nacional para os maiores de 25 anos no Reino Unido de 12,10 dólares por hora ( R$ 67,00 aproximadamente). A decisão surge um mês após a empresa americana ter perdido uma longa batalha legal no Reino Unido, sobre o estatuto dos motoristas, que começou em 2016.

O Uber disse à BBC que não espera que a mudança nas condições do motorista se traduza em tarifas mais elevadas para os seus clientes. Os líderes sindicais e os peritos em trabalho dizem que esta mudança em Uber poderá ter consequências de grande alcance para a economia "gig".

Rachel Mathieson, uma advogada que representou os motoristas de Uber que lutavam por mais direitos, chamou o anúncio um "marco muito importante". Na audiência do Suprema Corte no mês passado, a Uber apresentou-se como um contratante externo, alegando que os seus motoristas eram independentes. Mas o tribunal decidiu que os motoristas apesar de categoria independente, têm direito ao salário mínimo, férias e aposentadoria. A Uber enfrenta processos legais semelhantes em vários países, discutindo se os motoristas devem ser considerados empregados ou independentes.

Direitos trabalhistas

O Uber insistiu que suas tarifas não aumentarão depois de dizer que seus 70.000 motoristas no Reino Unido terão garantidos um salário mínimo, férias e pensões. Foto: Getty Images.O Uber insistiu que suas tarifas não aumentarão depois de dizer que seus 70.000 motoristas no Reino Unido terão garantidos um salário mínimo, férias e pensões. Foto: Getty Images.

A Uber disse que as alterações nos salários dos seus motoristas no Reino Unido irão acontecer quase instantaneamente, a partir desta quarta-feira. A empresa, que diz ter 70.000 motoristas no país, informou que as novas taxas seriam, além do seguro gratuito, para cobrir doenças, ferimentos e pagamentos de licença paternidade, que estão em vigor para todos os motoristas desde 2018.

De acordo com Uber, estes serão os benefícios dos motoristas:

  • Serão pagos pelo menos um salário mínimo para os maiores de 25 anos, depois de aceitarem a solicitação da viagem e descontadas as despesas.
  • Todos os motoristas serão pagos durante as férias com base em 12,07% dos seus ganhos quinzenais.
  • Os motoristas serão automaticamente inscritos num plano de aposentadoria que terá contribuições da Uber e dos motoristas.
  • Seguro contínuo gratuito em caso de doença ou lesão, bem como pagamentos de licença paternidade, que estão em vigor para todos os motoristas desde 2018.
  • Todos os motoristas manterão a liberdade de decidir onde e quando irão trabalhar.

Jamie Heywood, diretor geral regional da Uber para a Europa do Norte, afirmou: "A nossa empresa é apenas uma parte de uma grande indústria privada de aluguel, por isso esperamos que todos os outros operadores sigam a nossa liderança na melhoria das condições de trabalho para estes trabalhadores importantes, que são uma parte essencial da nossa vida quotidiana".Jamie Heywood, gerente geral regional para o Norte da Europa da Uber, diz que a empresa encontrou um "caminho a seguir". Imagem: BBC / Reprodução. Jamie Heywood, gerente geral regional para o Norte da Europa da Uber, diz que a empresa encontrou um "caminho a seguir". Imagem: BBC / Reprodução.

Na declaração anunciando as alterações, a Uber salientou que um trabalhador tem uma classificação particular ao abrigo da legislação trabalhista do Reino Unido. A decisão da Suprema Corte reconhece os motoristas como trabalhadores, mas não como empregados, que ao abrigo da lei britânica gozam de benefícios trabalhistas superiores.

A empresa observou que a recente decisão do Suprema Corte proporcionou um caminho mais claro para um modelo que confere aos condutores os direitos trabalhistas, ao mesmo tempo que lhes permite trabalhar de forma flexível.

Críticas

Na longa batalha legal, a Uber tinha apelado à Suprema Corte depois de perder em três instâncias inferiores. O tribunal decidiu em fevereiro que a empresa tinha que considerar os seus motoristas "trabalhadores" desde o momento em que se conectam ao aplicativo, até ao momento em que o desligam. Essa era uma das questões, porque os motoristas de Uber tradicionalmente passam um tempo à espera das solicitações no aplicativo, e esse tempo não é pago.
Os veteranos motoristas Uber James Farrar e Yaseen Aslam, que iniciaram a longa batalha legal contra a empresa em 2016. Foto: ADCU Union.  Os veteranos motoristas Uber James Farrar e Yaseen Aslam, que iniciaram a longa batalha legal contra a empresa em 2016. Foto: ADCU Union.

Anteriormente, a empresa dizia que, para que os motoristas fossem considerados trabalhadores, só levaria em conta o tempo entre as viagens quando um passageiro está dentro no veículo.

James Farrar e Yaseen Aslam, os dois veteranos motoristas que iniciaram a batalha legal contra Uber em 2016, receberam a notícia com entusiasmo, mas avisaram que ainda há algum caminho a percorrer. Ambos consideraram que a decisão da Suprema Corte significa que os condutores devem ter a condição de trabalhadores desde o momento em que iniciam a sessão até ao momento em que se desligam do aplicativo. No entanto, a Uber só se compromete com essa caracterização de trabalhador a partir do momento em que uma viagem é aceita e até o passageiro chegar ao seu destino.

Os condutores da Uber "continuarão a ser consideravelmente prejudicados, em 40-50%. Além disso, não é aceitável que a Uber decida unilateralmente a base de custos do condutor no cálculo o salário mínimo. "Isso deveria estar sujeito a um acordo coletivo", lamentaram.

Impacto na indústria
Advogados e líderes sindicais dizem que a decisão do Uber vai provocar uma mudança na chamada economia de "gig". Foto: Kirsty Wigglesworth / AP.Advogados e líderes sindicais dizem que a decisão do Uber vai provocar uma mudança na chamada economia de "gig". Foto: Kirsty Wigglesworth / AP.

Alguns peritos acreditam que as consequências das mudanças do Uber no Reino Unido podem afetar toda a economia "gig", onde os trabalhadores são pagos apenas depois de cada serviço prestado, e que tem crescido nos últimos anos, também em outros setores, tais como a categoria dos motoristas de entregas.

Mary Walker, advogada do Trabalho e sócia da firma de advogados Gordons, considerou, "A capacidade resultante dos trabalhadores Uber para reclamar o pagamento do salário mínimo e do subsídio de férias não remuneradas fará com que muitas empresas de trabalho temporário revejam as suas práticas e riscos associados com urgência".

A advogada acredita que os custos adicionais que a economia "gig" irá enfrentar significarão que "algumas empresas não vão conseguir continuar negociando". "Outras empresas serão capazes de se reestruturar, mas talvez com menos trabalhadores", disse ela.

Os líderes sindicais fazem um alerta e dizem que outras empresas da economia "gig" terão de mudar. "Este é o fim da estrada para o falso emprego independente", disse Mick Rix, secretário-geral do sindicato GMB, que tem lutado pelos direitos desses trabalhadores nos tribunais.

"É uma pena que a GMB tenha tido que lutar para ganhar quatro batalhas nos tribunais para fazê-los ver que temos razão, mas acabamos chegando lá e esta foi uma grande vitória para os nossos membros. Esperamos que outras empresas da economia "gig" se dêem conta disso", sublinhou ele.

*** 
Fonte: BBC News Mundo.



APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio