Haitianos conseguem emprego em confeitaria de chef francês nos Jardins - São Paulo São

User Rating: 0 / 5

Chef elogia pontualidade e dedicação dos novos contratados. Grande sonho dos imigrantes é trazer a família para o Brasil.

Macaron, mil folhas, quiches, éclair, creme de confeiteiro e tortas de chocolate passaram a fazer parte do cotidiano de três haitianos que chegaram no mês de maio em São Paulo. Depois da longa e sofrida viagem até o Brasil, eles conseguiram um trabalho em uma padaria nos Jardins, bairro nobre de São Paulo. Falar francês foi um diferencial na hora da seleção.

O chef Fabrice Le Nud, que é francês e se naturalizou brasileiro, estava com dificuldades para encontrar auxiliares de confeiteiro para a unidade da Pâtisserie Douce France, na Alameda Jaú.

“A confeitaria é muito rigorosa exige muita disciplina. Tanto que muitos sabem cozinhar mas poucos são confeiteiros. A mão de obra brasileira não quer se atrelar ao trabalho e ao aprendizado a longo prazo. Eu comparo a confeitaria a tocar piano ou à ginastica artística. Tem que ter amor ao processo de treinamento. E eu não estava encontrando um jovem motivado a quem pudesse ensinar meus conhecimentos”, relata. 

Ele decidiu, então, enviar sua mulher, que é brasileira e fala muito bem francês, à Igreja Nossa Senhora da Paz, no Glicério, paróquia no Centro de São Paulo que virou referência para os haitianos recém-chegados que estão em busca de emprego. Com o intermédio da Missão Paz, que orienta os empregadores e os candidatos a um posto de trabalho, só nos primeiros seis meses desse ano 850 imigrantes foram contratados.

Lesli Gabriel, de 37 anos, que chegou doente à capital paulista, recebeu o chamado do padre Paolo Parise para participar do processo seletivo. “Dias depois da minha chegada a São Paulo, o padre falou que tinha vagas na pâtisserie e pediu para eu convidar outros colegas. Eu chamei o Josué, que veio comigo do Haiti, e o François, que a gente encontrou no Acre. E deu certo. Agora eu tenho dois pais em São Paulo: o padre Paolo e o meu patrão”, disse. Os três chegaram a ingressar em universidades.

O empresário elogia a dedicação e o comprometimento de novos empregados. “Até agora não atrasaram e nem trouxeram atestado médico”, afirmou. O patrão diz que a contratação não foi motivada por comoção provocada pelo terremoto de 2010, que deixou 316 mil mortos e comprometeu seriamente a infraestrutura do Haiti.

“Eu não os vejo como vítimas [do terremoto] mas como imigrantes motivados pela situação econômica do Haiti. Meu trabalho social eu faço fora daqui. Aqui eles gozam do mesmo respeito e das mesmas condições de trabalho de um brasileiro. Eu não enxergo neles mão de obra barata e dócil. Aqui a integração é a palavra-chave. Trabalhamos lado a lado. Por ser imigrante, eu não faço diferença”, contou.

Falar francês foi no caso deles um diferencial para conseguir uma vaga de trabalho rapidamente na opinião do chef. “Conversamos em francês, mas digo para eles aprenderem o português lá no curso que acontece na paróquia. Eu já estou aprendendo algumas expressões em criolo [língua falada no Haiti].”

Fabrice diz estimular que os haitianos não trabalhem sempre juntos. “Eu quero que eles se integrem e aprendam o trabalho. O Josué se especializou em rechear as bombinhas e fazer doces. Mais forte, François se especializou em fazer o creme de confeiteiro [que exige vigor para ser batido] e ainda é encarregado dos salgados, quiches, folhados, vol au vent. O Gabriel faz os macarons e descasca as frutas para fazer os sorvetes.”

O chef motiva os jovens aprendizes a se dedicarem a nova profissão. “Eles são otimistas. Eu digo para eles que ter uma profissão fixa e estável vai ajudá-los a melhorar de vida. Eu mesmo viajei para África, Ásia e para as Américas, além da Europa”, observou.

Eles ainda não receberam o primeiro salário e continuam dormindo na Casa do Migrante, mantida pela Missão Paz. Eles pretendem alugar uma casa para morar juntos enquanto guardam dinheiro para enviar para a família. "O padre nos orientou a dar comida para eles e não o dinheiro. Se não, eles guardam o dinheiro e ficam sem comer", contou o chef.  

Escapou do terremoto

Gabriel trabalhava em um escritório contábil em Porto Príncipe até 12 de janeiro de 2010 quando o terremoto de magnitude 7 destruiu a cidade. “Eu saí do escritório uns 30 minutos antes do tremor. O prédio ficou complemente destruído. O meu patrão ainda estava lá, foi soterrado e morreu”, contou.

Além de 316 mil mortos, cerca de 1,5 milhão de pessoas ficaram desabrigadas no país e as ruas ficaram repletas de destroços de edificações desmoronadas. Depois do abalo, Gabriel se lançou em busca de uma nova fonte de renda. “Eu fiquei como um nômade. Passamos necessidades. Está impossível de viver lá”, conta.

“Minha ideia é ficar no Brasil. Se eu tiver dinheiro, eu quero trazer minha mulher e meu filho. Também queria trazer minha mãe. Não consigo viver longe da minha mãe”, conta. 

Trazer a família

Josué Valère, também de 37 anos, deixou dois filhos, de 6 e de 1 ano, no Haiti. Ele trabalhava em um banco. A cidade de onde ele veio Cap. Haïtien não foi atingida pelo tremor, mas o impacto econômico tornou a situação insustentável. “Eu perdi o trabalho no banco. Como não achava outro, eu peguei dinheiro emprestado com uma prima que mora em Miami para pagar a viagem”, lembra.

Apesar dos contratempos e do medo de ser roubado durante a viagem, ele se diz contente. “O Brasil abriu as portas para que eu viva mais à vontade. Eu não quero escolher emprego. Eu quero trabalhar duro para trazer minha família para cá”, afirma. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Gabriel que trazer a familia.                        Josué se especiliza em doces.                   François tem caderno para as receitas.    

Caderninho

Cheime François, de 28 anos, vem de Ville des Gogaïves. Sem condições de financiar os estudos ele deixou a universidade onde fazia o curso de ciências contábeis. A mãe e um tio financiaram as passagens. “Eu não recorri aos coiotes, vim sozinho”, contou. Apesar das dificuldades, ele considera ter sido bem acolhido ao chegar ao Brasil. “Quando a gente chega as pessoas nos dão boas vindas e oferecem café, leite”, afirma.

Pouco falante, François tem se especializado no creme de confeiteiro e aos salgados, como quiche, vol au vent ou croque monsieur. “Eu comprei um caderninho e estou anotando as receitas. Quero aprender tudo direitinho”, conta o segredo para o seu bom desempenho. “Ele tem talento para a confeitaria”, observa Fabrice.

Retomada

Em maio, o Ministério da Justiça fez um acordo com o governo do Acre e a Prefeitura de São Paulo para que o transporte dos haitianos fosse suspenso. A medida foi tomada para que a administração municipal paulista pudesse organizar a acolhida dos haitianos, que entram no país pela cidade da Basileia, no Acre. Em junho, a vinda de ônibus pagos pelo governo federal foi retomada e a previsão é que a capital paulista receba cerca de 900 haitianos.

Desde 2013, sem recursos ou amigos que pudessem acolher os recém-chegados, centenas dormiram de maneira improvisada no salão da igreja no Glicério. O abrigo improvisado foi desativado recentemente após a abertura de centros de acolhimento da Prefeitura. Um deles fica na região da estação Armênia, na Zona Norte, e tem capacidade para 40 pessoas. O outro, na Penha, tem capacidade para acolher 80 pessoas e é dedicado exclusivamente a mulheres e crianças.

Em junho, o outro avanço foi o início da emissão de carteiras de trabalho pela Prefeitura de São Paulo. Antes dessa mudança, apenas a Superintendência do Ministério do Trabalho emitia o documento, o que obrigava os estrangeiros a esperar até 50 dias para conseguir a carteira de trabalho. A administração municipal não divulgou a estatística de documentos emitidos.

Letícia Macedo do G1 São Paulo.