Mapa da Desigualdade revela a distância socioeconômica entre os moradores das regiões de São Paulo - São Paulo São

Bairros ricos em São Paulo continuam com os melhores resultados no acesso às políticas e bens públicos. Foto: Getty Images.Bairros ricos em São Paulo continuam com os melhores resultados no acesso às políticas e bens públicos. Foto: Getty Images.

Desde 2012, a Rede Nossa São Paulo elabora e divulga anualmente o Mapa da Desigualdade da Cidade, um estudo que apresenta indicadores dos 96 distritos da capital paulista, compara os dados, e revela a distância socioeconômica entre os moradores das regiões com os melhores e piores indicadores.

O Instituto Cidades Sustentáveis lançou, na última quinta-feira 29, o Mapa da Desigualdade 2020, que evidencia como parte dos paulistanos ainda convive com a violação de direitos básicos. O levantamento é elaborado desde 2012 e tem como base dados produzidos por órgãos públicos, como secretarias municipais e o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), entre outras fontes.

A Rede analisa indicadores como meio ambiente, mobilidade, direitos humanos, habitação, acesso à saúde,  à educação, à cultura, esporte e trabalho e renda e busca oferecer comparativos em período eleitoral o que serve tanto à população como candidatos um retrato de seus 96 distritos. 

População

Marsilac é o distrito com menor número de habitantes, com 8.398, o mais populoso é o Grajaú (foto) com 387.148 habitantes. Foto: Huffingtonpost.Marsilac é o distrito com menor número de habitantes, com 8.398, o mais populoso é o Grajaú (foto) com 387.148 habitantes. Foto: Huffingtonpost.

A cidade de São Paulo tem 11.811.516 de habitantes distribuídos desigualmente entre 96 distritos. Marsilac é o distrito com menor número de habitantes, com  8.398, o mais populoso é o Grajaú com 387.148 habitantes. Mas embora o trânsito seja mais amigável em Marsilac isso não garante ao distrito figurar entre os dez distritos com melhores índices. Marsilac aparece em primeiro lugar com o distrito mais citado nos dez distritos com os piores índices.

Quando o recorte de  cor/raça é feito na população paulistana, a cada 100 habitantes apenas 6 pessoas pretas e pardas vive no bairro rico como Moema que é um dos metros quadrados mais caros da cidade. No outro extremo, como no Jardim Ângela, a cada 100 habitantes, 60 são pretos ou pardos.

Os jovens se concentram em Parelheiros a cada 100 habitante 51 são jovens e o bairro com menos jovens é Consolação, 20 jovens a cada 100 habitantes.

Os novos gestores precisam se atentar ao fator raça e geração para criar políticas públicas que atendam a população negra e jovem para distritos como Parelheiros e Jardim Ângela.

Desigualtômetro

Os distritos que registraram os melhores indicadores foram Alto de Pinheiros, Consolação, Pinheiros (foto), Santo Amaro, Butantã, Perdizes, República, Itaim Bibi, Jardim Paulista e Moema. Foto: Veja SP.Os distritos que registraram os melhores indicadores foram Alto de Pinheiros, Consolação, Pinheiros (foto), Santo Amaro, Butantã, Perdizes, República, Itaim Bibi, Jardim Paulista e Moema. Foto: Veja SP.

Para facilitar a visualização da análise comparativa entre os 96 distritos, os pesquisadores da Rede Nossa São Paulo e pelo Programa Cidades Sustentáveis utilizam o chamado "Desigualtômetro", que mostra, de forma bastante simples, a diferença que existe entre regiões que apresentam o melhor e o pior índices em diversos quesitos, como trabalho e renda, educação, habitação, direitos humanos, saúde, cultura e mobilidade, que estão subdivididos em 48 indicadores.

De modo geral, os distritos que registraram os melhores indicadores foram Alto de Pinheiros, Consolação, Pinheiros, Santo Amaro, Butantã, Perdizes, República, Itaim Bibi, Jardim Paulista e Moema. Já Marsilac, Brás, Jardim Ângela, Cidade Tiradentes, Sé, Bom Retiro, Vila Medeiros, Brasilândia, Capão Redondo, São Miguel formam a relação dos distritos com os piores desempenhos. Para o cálculo mais global, não foram consideradas as taxas atingidas nos quesitos população e meio ambiente.

O adensamento populacional é um dos aspectos abordados pelo levantamento, já que a disparidade, segundo o Desigualtômetro, é de 46 vezes entre Marsilac, que está em uma ponta, com um população de 8.398 pessoas, e Grajaú, que se encontra em outra, com 387.148.

O distrito de Moema apresenta o menor valor, 5,8% e contrasta com o de Jardim Ângela, no qual 60,1% dos residentes são negros. Apesar de não haver favelas em alguns distritos ou estar em número bastante reduzido, como é o caso de Bela Vista, Pinheiros e Moema, em outros pontos da cidade chegam a ter uma forte presença e representar, com isso, um importante fator para a compreensão da pobreza, a concentração de renda e a omissão do Estado.

Em Brasilândia e Vila Prudente, as favelas representam pouco mais de um quarto das residências e em Jardim São Luís 69,5% dos lares são classificados como assentamentos informais.

Diante das estatísticas, pode-se estabelecer uma relação entre o perfil étnico-racial de quem mora em favelas na capital e suas condições de moradia. Por exemplo, ao mesmo tempo em que Jardim Ângela é o distrito com a maior população negra do município, é também o que registra a maior quantidade de domicílios em favelas (53,9%).

A desigualdade social também se expressa em fatores como o acesso ao transporte público. Para aferir os índices de cada distrito, levou-se em conta a proporção da população que reside em um raio de até um quilômetro de estações de trem, metrô e monotrilho.

Ao mesmo tempo em que Jardim Ângela é o distrito com a maior população negra do município, é também o que registra a maior quantidade de domicílios em favelas (53,9%). Foto: Getty Images.Ao mesmo tempo em que Jardim Ângela é o distrito com a maior população negra do município, é também o que registra a maior quantidade de domicílios em favelas (53,9%). Foto: Getty Images.

Na primeira colocação, estão os distritos da República (88%), Sé (86,4%) e Santa Cecília (73,2%). Os três distritos com menores taxas são Vila Sônia (2,2%), São Rafael (1,4%) e Vila Guilherme (0,5%). Conforme acrescenta o relatório, o Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento (ITDP) estima que apenas 18% da população da capital paulista mora em um local que fica a essa distância das paradas.

Em termos de saúde, o Desigualtômetro revela que, em certos locais de São Paulo, a população enfrenta condições 8,6 vezes piores do que em outros endereços. Em Cambuci, por exemplo, o tempo médio de espera para se conseguir uma consulta na atenção básica é de cinco dias. Em Vila Matilde, Vila Formosa e Água Rasa, a fila anda muito mais devagar, fazendo com que os usuários da rede esperem cerca de 43 dias para serem atendidos.

A cobertura de serviços como a coleta seletiva de lixo também foram analisados. A subprefeitura Vila Maria/Vila Guilherme foi a subprefeitura que registrou o maior índice. Lá, 10,62% dos resíduos foram recolhidos mais criteriosamente, ao contrário do que ocorre na de Itaim Paulista, em que a porcentagem cai para 0,25%.

O relatório também esmiúça a educação, sob diversos ângulos. Um dos principais indicadores destrinchados é o referente às matrículas no ensino básico de escolas públicas. Em Cidade Tiradentes, 87,8% dos alunos pertencem à rede pública de ensino, situação inversa da observada no Jardim Paulista, em que a proporção é de apenas 5,4%.

Com a pandemia de Covid-19, porém, o quadro pode sofrer modificações, segundo a pesquisadora Carolina La Terza. Ela diz que a próxima edição do relatório pode refletir a opção de famílias que acabaram matriculando os filhos em escolas públicas após terem sofrido perdas na renda, no contexto da crise sanitária.

Carolina chama a atenção, ainda, para o fato de que 13 distritos não dispõem de nenhum espaço cultural. São eles: Água Rasa, Barra Funda, Cambuci, Campo Belo, Campo Grande, Cidade Ademar, Jaguara, Marsilac, Ponte Rasa, Saúde, Vila Leopoldina, Vila Matilde e Vila Medeiros.

A cobertura de serviços como a coleta seletiva de lixo também foram analisados. A subprefeitura Vila Maria/Vila Guilherme foi a subprefeitura que registrou o maior índice. Lá, 10,62% dos resíduos foram recolhidos mais criteriosamente, ao contrário do que ocorre na de Itaim Paulista, em que a porcentagem cai para 0,25%. 

Responsabilidade é de governantes, diz especialista

A desigualdade social também se expressa em fatores como o acesso ao transporte público. Foto: Rivaldo Gomes / Folhapress.A desigualdade social também se expressa em fatores como o acesso ao transporte público. Foto: Rivaldo Gomes / Folhapress.

Para o coordenador-geral da Rede São Paulo, Jorge Abrahão, a desigualdade social não é de hoje e resulta das escolhas feitas pelos governantes.

“Está sendo construída há décadas. Ela é fruto de um processo de políticas, na verdade ,que fazem com que tenha aumentado e chegado a esse vergonhoso ponto no nosso país. Mas não pode ser naturalizada, justamente por isso, porque é fruto de políticas públicas, definidas pelos políticos, pela sociedade de modo geral e com aceitação de boa parte da sociedade. Até por isso, por ter sido construída, pode ser convertida. Se ela é um produto nosso, pode ser revertida e depende muito da política”, afirma.

A prefeitura de São Paulo afirmou que a postura que adotou “não foi um discurso em vão, uma questão apenas de intenção ou de utopia, e sim uma lição de combate “à desigualdade regional, à desigualdade de gênero, à desigualdade social”.

Segundo a prefeitura, 13 dos aspectos analisados no relatório melhoraram nos últimos anos.

“Os resultados mostram que o foco foi investir na periferia, naqueles que mais precisam da atuação do poder público”, ressaltou.

Confira a apresentação do Mapa da Desigualdade 2019
Confira as tabelas completas do Mapa da Desigualdade 2019

***
Fontes: Rede Nossa São Paulo e Revista Carta Capital.



APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio





 
 
APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio