Pessoas - São Paulo São

São Paulo São Pessoas

Maria Alice Vergueiro em Górgona, documentário de Fábio Furtado e Pedro Jezler sobre a trajetória de uma das mais importantes atrizes do teatro brasileiro. Foto: Divulgação.Maria Alice Vergueiro em Górgona, documentário de Fábio Furtado e Pedro Jezler sobre a trajetória de uma das mais importantes atrizes do teatro brasileiro. Foto: Divulgação.

Morreu nesta quarta, dia 3, a atriz Maria Alice Vergueiro, aos 85 anos. A atriz estava internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital das Clínicas, em São Paulo, em estado grave desde a última sexta, dia 29, para tratar de uma pneumonia broncoaspirativa. 

Veridiana Prado, Lina Bo Bardi e Carolina Maria de Jesus estão entre as mulheres homenageadas no livro #MulheresdeSP, do canal Viva Cultura. Ilustrações de Débora Islas, Lorena de Paula e Bianca Nazari / Divulgação.Veridiana Prado, Lina Bo Bardi e Carolina Maria de Jesus estão entre as mulheres homenageadas no livro #MulheresdeSP, do canal Viva Cultura. Ilustrações de Débora Islas, Lorena de Paula e Bianca Nazari / Divulgação.

Apenas 15% das ruas de São Paulo tem nome de mulher. O percentual é inferior ao de logradouros que homenageiam homens e até mesmo datas comemorativas. Quando se deparou com esse dado, a gestora cultural Alana Carvalho, 31 anos, decidiu que iria resgatar algumas das histórias de mulheres que davam nome a ruas, praças e monumentos da capital paulista, mas tiveram sua trajetória apagada. A pesquisa, inicialmente publicada no final de 2018 nas redes sociais do canal Viva Cultura, criado por Alana, agora está reunida em um livro, lançado nesta última sexta-feira (29).

Ângelo era um dandy… Pois ele sabia que as coisas, os negócios precisavam de alma, de qualidade, de fazer a diferença em cada coração. Foto: Divulgação.Ângelo era um dandy… Pois ele sabia que as coisas, os negócios precisavam de alma, de qualidade, de fazer a diferença em cada coração. Foto: Divulgação.

Morreu na noite dessa quarta-feira, 22 de abril, o empresário e DJ Ângelo Leuzzi. Figura-chave da noite paulistana, ele fundou na década de 80 o Rose Bom Bom, onde se apresentaram em início de carreira bandas como Titãs, Ultraje a Rigor, Plebe Rude e Engenheiros do Hawaii. Mais tarde, ele ainda fundou o Columbia - com a pista do Hell's Club no subsolo -, a Lov.e, a Base e o Mood Club.

Placa Dona Veridiana em rua do bairro de Higienópolis em São Paulo. Foto: Coletivo Pisa.Placa Dona Veridiana em rua do bairro de Higienópolis em São Paulo. Foto: Coletivo Pisa.

A trajetória da cidade de São Paulo está diretamente ligada ao papel da mulher paulistana. Para dar destaque a elas, escolhemos alguns exemplos de personagens icônicas que dão nome a ruas, praças, locais e espaços públicos. Sejam elas personalidades, militantes ou ícones intelectuais de nossa sociedade, nascidas aqui ou “apaulistadas”.

São mulheres que deixaram de alguma forma suas marcas na cidade ao longo do tempo e que até hoje enchem a cidade de orgulho a cada esquina. Vamos a elas.

Palacete de Dona Veridiana localizado no Bairro de Higienópolis. Foto: Wikimedia Commons Palacete de Dona Veridiana localizado no Bairro de Higienópolis. Foto: Wikimedia Commons

Se você vive ou já esteve na cidade deSão Paulo, o nome Dona Veridiana talvez soe familiar. Acontece que existe na metrópole uma rua, na esquina com a  Avenida Higienópolis, que leva esse nome.

Em Higienópolis, durante o século 19, lá estava o palacete de Veridiana da Silva Prado, uma mulher que rompeu com os padrões das elites cafeeiras e teve enorme importância para a vida política e cultural do fim do Brasil Imperial e início da República Velha. 

Nascida em 11 de fevereiro de 1825, Dona Veridiana passou a infância em uma residência onde seu pai hospedara nomes importantes como Dom Pedro I. A visita ocorreu três anos antes do nascimento da garota, no ano de 1822, quando o monarca visitou São Paulo, e proclamou a independência do Brasil. 

O pai de Veridiana, Antônio da Silva Prado, era um homem rico, que ganhou o título de Barão de Iguape. Em uma das viagens de negócios do empresário, ele levou os filhos para conhecer a Corte. Veridiana conheceu então a Marquesa de Santos, que a elogiou pela graça e vivacidade, chamando-a de “menina misureira”.

APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio