Pessoas - São Paulo São

São Paulo São Pessoas

Quando a prefeitura de São Paulo estimou em 16 mil o número de pessoas em situação de rua, o movimento SP Invisível completava o seu primeiro ano de trabalho. Incomodava seus realizadores o modo com que a população paulistana tropeçava diante daquelas pessoas que só encontravam abrigo nas calçadas da maior cidade da América Latina, se acostumando com aqueles corpos a ponto de ignorar que por trás deles existiam pessoas, ou ainda, histórias.

Horrana Santos, assistente curatorial do MASP. Foto: Divulgação.Horrana Santos, assistente curatorial do MASP. Foto: Divulgação.

Todas as grandes cidades são movidas pela teia de habitantes que realizam suas funções produtivas cotidianas, garantindo o andamento de seus complexos mecanismos. “Retratos Urbanos” é uma série de documentários sobre trabalhadores que, por muitas vezes, permanecem ocultos e são responsáveis pela manutenção de verdadeiros cartões postais da cidade.

Idealizada por Pablo de Sousa e dirigida por Bruno Vergueiro, a série “Retratos Urbanos” apresenta o cotidiano de trabalhadores que ocupam famosos espaços da cidade como o Masp, o Theatro Municipal de São Paulo, o Cemitério da Consolação, entre outros.

Nos 13 episódios, com duração de 5 minutos cada, “Retratos Urbanos” traça um perfil dessas pessoas, revelando também curiosidades instigantes sobre os espaços onde trabalham.

Ao longo de 6 semanas de gravação, uma equipe de 30 profissionais dedicou-se ao desafio de registrar essas pessoas. O resultado desses encontros chegou ao público no último dia 7 e os capítulos inéditos são exibidos toda terça-feira às 22h55 pelo Canal Futura.

Edson da Silva, “Sorriso”- Locutor do Pacaembu. Foto: Divulgação.Edson da Silva, “Sorriso”- Locutor do Pacaembu. Foto: Divulgação.

“Eu enxergo as cidades como organismos vivos. Nas grandes metrópoles isso fica ainda mais evidente. Muitas vezes, por conta de sua dimensão, pode-se perpetuar uma invisibilidade das pessoas que movem essa engrenagem. A nossa vontade, com a ideia da série, é algo que consideramos extremamente honroso: retratar as histórias de quem constrói, opera e vive essa cidade.” – afirma Pablo de Sousa, que também assina a direção de fotografia da série.

“Um dos nossos desafios era conseguir profundidade em episódios tão curtos. Não queríamos uma abordagem rasa e tínhamos receio de que o curto tempo de cada episódio favorecesse isso. Acho, honestamente, que conseguimos. Os personagens se abriram para as câmeras com histórias emocionantes, engraçadas e inusitadas, tanto sobre suas vidas pessoais quanto aos fatos relacionadas a seus ofícios. Somamos a isso informações pitorescas e às vezes desconhecidas sobre as locações, que são marcos afetivos da cidade. O conteúdo entretém e, ao mesmo tempo, emociona e traz informações relevantes. Um resultado muito gratificante para 5 minutos.”, comemora o diretor Bruno Vergueiro.

Teodora Carneiro, restauradora da Pinacoteca. Foto: Divulgação.Teodora Carneiro, restauradora da Pinacoteca. Foto: Divulgação.

A linguagem visual dos retratos realizados ressalta o aspecto sensorial dos trabalhos, com ênfase nos manuseios, nas superfícies e nos elementos gráficos. As linhas das paisagens e seus detalhes estão harmoniosamente enquadrados para o máximo aproveitamento de sua plasticidade cinematográfica. Imagens de arquivos foram utilizadas para estabelecer um elo afetivo com o espectador – como por exemplo, fotos de matérias jornalísticas que comprovam fatos históricos. Foram utilizadas, também, imagens do movimento nos arredores das locações, os seus transeuntes, trânsito e comércio, contextualizando, assim, a malha urbana e seus atores.

“Cada encontro que realizei durante as pesquisas para escrever os roteiros de Retratos Urbanos foi uma experiência única. São milhões de universos que fazem essa cidade ser tão especial e complexa, permeada de encontros e soluções inusitadas.  E o que é ainda mais notável na capital paulista, especificamente, é como a maioria das histórias são genuinamente permeadas de superação pessoal e orgulho de contribuir para a coletividade.” - Comenta a roteirista Rita Piffer.

Sandra Monay, atendente da Biblioteca Mário de Andrade. Foto: Divulgação.Sandra Monay, atendente da Biblioteca Mário de Andrade. Foto: Divulgação.

A montagem apresenta um ritmo dinâmico, para estabelecer em seu tempo o sentimento de pertencer e trabalhar na cidade, embalada por música composta exclusivamente para cada episódio, reforçando a emoção e dando fluidez aos retratos. A voz dos entrevistados foi utilizada, frequentemente, em OFF para conferir maior riqueza visual à narrativa.

“Exibir a nossa série documental no “Canal Futura” é um privilégio, pois acreditamos muito na curadoria da programação. Fazer parte dessa grade com nosso registro amarra de forma completa o propósito de “Retratos Urbanos” como um produto de entretenimento com cuidado estético e rigor, e mantendo o respeito com os nossos entrevistados e a cidade de São Paulo”. – afirma Vânia Ferreira, produtora executiva da Galeria Filmes.

Os trabalhadores entrevistados:

José Leonídio Santos, mergulhador do Rio Tietê. Foto: Divulgação.José Leonídio Santos, mergulhador do Rio Tietê. Foto: Divulgação.

EP1) Francivaldo Gomes, “Popó -  Guia Turístico do Cemitério da Consolação, que trabalhava como sepultador quando decidiu estudar a história da arte tumular até tornar-se guia de visitas no Cemitério da Consolação.

EP2) Cláudia Ontivero - Veterinária do Zoológico de São Paulo, que no mesmo dia em que trata de sapos que cabem na ponta de um dos dedos, cuida de um elefante de duas toneladas.

EP3) Giuseppe Puorto - Herpetólogo do Instituto Butantan, que cuida de serpentes e conta como aprendeu a respeitar esses animais peçonhentos.

EP4) Augusto Fiorelli - Relojoeiro da Estação da Luz. Nos últimos cem anos, apenas três pessoas cuidaram do relógio que desponta na popular Estação da Luz. Um deles é Augusto Fiorelli. O relojoeiro herdou o ofício do avô e revela como é trabalhar com uma tecnologia quase em extinção.

EP5) João Levi Miguel - Comerciante do "Mercadão", que um dia sonhou ser artista, tem uma banca de queijos onde encontra centenas de pessoas diariamente.

EP6) Edson da Silva, “Sorriso” - Locutor do Pacaembu. O sambista Edson Sorriso empresta sua voz ao estádio e cria frases que animam as arquibancadas como a famosa: “o seu, o meu, o nosso Pacaembu!”. 

EP07) Horrana Santos - Assistente Curatorial do MASP, uma voz importante no Museu que,  para além de cartão postal de São Paulo, é uma instituição que se mantém visionária na maneira como recebe e exibe obras de arte.

EP08) Sandra Monay - Atendente da Biblioteca Mario de Andrade. Diariamente Sandra exerce  a função de como aproximar as pessoas dos livros e fazê-las sentir-se inclusas numa biblioteca. 

EP9) Teodora Carneiro - Restauradora da Pinacoteca. Assim que uma obra de arte se conclui, ela já está em degradação. Mofo, luz, calor. O trabalho de Teodora na Pinacoteca é justamente fazer com que as obras cumpram o seu destino: a imortalidade.

EP10) Cícero Pereira - Faz-tudo do Parque Ibirapuera. Cícero tem orgulho em ser o funcionário público mais antigo do parque e um verdadeiro “faz-tudo”.

EP11) José Leonídio Santos - Mergulhador do Rio Tietê que já mergulhou mais de 3000 vezes no Rio sem nunca pegar uma frieira.

EP12) Sandro Genaro - Projecionista da Cinemateca, logo se adaptou ao fim da película tornando-se um dos primeiros especialistas no Brasil em projeção digital.

EP13) Anibal Marques, “Pelé” - Cenotécnico do Theatro Municipal, vive um dia a dia de equilibrista nos sofisticados espetáculos de ópera, música e dança do ilustre Teatro.

A vinheta de abertura: https://vimeo.com/383112423

Serviço:

Cláudia Ontivero, veterinária do Zoológico de São Paulo. Foto: Divulgação.Cláudia Ontivero, veterinária do Zoológico de São Paulo. Foto: Divulgação.

No ar: às terças-feiras, 22h55 no Canal Futura.
Onde: Operadoras Oi TV (canal 35 SES-6), Claro TV (canais 87 e 587), Algar TV (canal 228), TV Alphaville (canal 86), NET (canais 87 e 587) e SKY (canal 34), além do portal Futura e do aplicativo FuturaPlay.
Reprises: quartas-feiras às 23h25; sábados às 15h55; quinta-feira às 14h55.
Episódios: 13.
Duração: 5 minutos cada.

***
Com informações Baobá Comunicação, Cultura e Conteúdo.

Imagem: Divulgação.Imagem: Divulgação.

Selecionado para mostras relevantes deste final de ano na cidade, como a “Mostra Sesc de Cinema” e “Cine Direitos Humanos”, o documentário “Visionários da Quebrada” vem mexendo com as pessoas. É um filme que nos emociona, mas não como normalmente os bons filmes fazem, mas por tocar, de maneira sensível e verdadeira, nosso inconsciente adormecido, nosso eu coletivo, social e político, através das relações afetivas de amor e compartilhamento de saberes vindos de onde menos esperamos – as periferias de São Paulo.

Além de DJ, Sonia foi uma radialista, produtora, cantora, programadora musical, brilhante. Imagem: Reprodução / Facebook.Além de DJ, Sonia foi uma radialista, produtora, cantora, programadora musical, brilhante. Imagem: Reprodução / Facebook.

A produtora musical e DJ Sonia Abreu morreu aos 68 anos na noite desta segunda-feira, 26, em São Paulo. Com uma carreira iniciada em 1964, aos 13 anos, é considerada a primeira DJ mulher do País e esteve na ativa até meses atrás. Ela morreu por complicações de uma doença degenerativa.

Sonia Maria Saraiva Santos Abreu ou Soniábrêu − como ela assinou seu nome nos anos 1990 depois de se consultar com uma numeróloga − nasceu em 23 de dezembro de 1951 no Hospital Santa Cruz, na Vila Mariana, filha única da dona de casa Aduzinda Saraiva e do médico- cirurgião José Eurico Santos Abreu Jr., que todos chamavam de Dr. Abreu. Sonia, 

APOIE O SÃO PAULO SÃO

Ajude-nos a continuar publicando conteúdos relevantes e que fazem a diferença para a vida na cidade.
O São Paulo São é uma plataforma que produz conteúdo sobre o futuro de São Paulo e das cidades do mundo.

bt apoio